Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Tendências tecnológicas para 2020 – Fique atento

Por Juliana Gaidargi em 8/11/2019 em Negócios

Segundo o Gartner, a hiper automação, segurança baseada em IA, computação em nuvem distribuída e sistemas de ponta inteligentes são tendências tecnológicas para 2020. Afinal, o ritmo das mudanças tecnológicas está se acelerando rapidamente. Em especial, devido a fatores que os profissionais de TI precisam estudar, como coisas com as quais nunca tiveram que lidar antes. É o caso da hiper automação, multi experiência e aprimoramento humano.

“Faz 50 anos desde que a primeira mensagem foi enviada à internet. Em 50 anos, vimos a tecnologia transformar nossas empresas, nossos relacionamentos e a própria sociedade”, disse Val Sribar, vice-presidente sênior de pesquisa do Gartner. Segundo ele, os próximos cinco anos podem trazer tantas mudanças quanto os últimos 50. 

Tendências tecnológicas para 2020Dessa forma, o Gartner criou as “10 principais tendências tecnológicas para 2020”. Essa pesquisa foi lançada no Simpósio de TI / XPO 2019. Um fator unificador dessas tendências é o foco no impacto direto que a tecnologia terá nas pessoas.

“Colocar as pessoas no centro de sua estratégia de tecnologia destaca um dos aspectos mais importantes da mesma. Ou seja, como ela afeta clientes, funcionários, parceiros de negócios, sociedade ou outros constituintes-chave”, disse David Cearley, vice-presidente e membro do Gartner. “É possível argumentar que todas as ações da organização podem ser atribuídas à forma como afeta esses indivíduos e grupos, direta ou indiretamente. Portanto, trata-se de uma abordagem centrada nas pessoas.”

Confira a seguir as 10 principais tendências tecnológicas para 2020 que o Gartner identificou:

Hiper Automação

Hiper Automação é a combinação de várias ferramentas de aprendizado de máquina (ML), software empacotado e automação para fornecer trabalho. Portanto, a hiper automação refere-se não apenas à variedade de ferramentas disponíveis, mas também a todas as etapas da automação. Ou seja, descobrir, analisar, projetar, automatizar, medir, monitorar e reavaliar.

Dessa forma, compreender a variedade de mecanismos de automação, como eles se relacionam e como podem ser combinados e coordenados é um dos principais focos da hiper automação. Portanto, a hiper automação requer uma combinação de ferramentas para ajudar a suportar a replicação de partes de onde o humano está envolvido em uma tarefa.

Multi Experiência

Até 2028, a experiência do usuário passará por uma mudança significativa. Especialmente na maneira como os usuários percebem o mundo digital e como interagem com ele. Afinal, plataformas de conversação com recursos aprimorados de gerenciamento de voz e de comando estão mudando a maneira como as pessoas interagem com o mundo digital. Além disso, realidade virtual (VR), realidade aumentada (RA) e realidade mista (RM) também estão mudando a maneira como as pessoas percebem o mundo digital. Essa mudança nos modelos de interação e percepção leva a uma futura experiência multissensorial e multimodal.

Dessa forma, até 2021, pelo menos um terço das empresas terá implantado uma plataforma de desenvolvimento multi experiência. Esta tendências tecnológicas para 2020, dará suporte ao desenvolvimento móvel, web, de conversação e de realidade aumentada, afirmou o Gartner.

“O modelo mudará de uma pessoa com conhecimento de tecnologia para outra com tecnologia. Ou seja, o ônus da tradução de intenção passará do usuário para o computador. Essa capacidade de se comunicar com os usuários através de muitos sentidos humanos fornecerá um ambiente mais rico para o fornecimento de informações diferenciadas”, disse Brian Burke, vice-presidente de pesquisa da Gartner.

Democratização da experiência

O Gartner define democratização como fornecer às pessoas acesso a conhecimentos técnicos. Ou seja, a ferramentas de aprendizado de máquina , desenvolvimento de aplicativos ou conhecimentos no domínio comercial. Como, por exemplo, processos de vendas e análises econômicas, por meio de uma experiência radicalmente simplificada e sem a necessidade de treinamento extensivo e dispendioso. O acesso do cidadão a cientistas de dados ou integradores de cidadãos, por exemplo, bem como a evolução do desenvolvimento do cidadão e modelos sem código, são exemplos de democratização, afirmou a empresa.

Com isso em mente, até 2023, o Gartner disse que espera que quatro aspectos principais da tendência de democratização se acelerem. Isso inclui a democratização de:

  • Dados e análises: Ferramentas direcionadas a cientistas de dados que se expandem para atingir a comunidade de desenvolvedores profissionais;
  • Desenvolvimento: Ferramentas de IA para alavancar aplicativos customizados;
  • Design: Expandindo os fenômenos de baixo código e sem código, com automação de funções adicionais de desenvolvimento de aplicativos para capacitar o cidadão-desenvolvedor;
  • Conhecimento: Profissionais que não são de TI obtendo acesso a ferramentas e sistemas especializados que os capacitam usar e aplicar habilidades especializadas.

Aprimoramento humano

O Gartner diz que o aprimoramento humano explora como a tecnologia pode ser usada para proporcionar melhorias cognitivas e físicas como parte integrante da experiência humana. O aprimoramento físico aprimora os seres humanos, alterando suas capacidades físicas inerentes. Isso é feito por meio de implantes ou hospedando um elemento de tecnologia em seus corpos. Entretanto, o aumento cognitivo pode ocorrer através do acesso a informações e da exploração de aplicativos em sistemas de computadores tradicionais. Isso, além da interface multi experiência emergente em espaços inteligentes.

Portanto, nos próximos 10 anos, os níveis crescentes de aprimoramento humano físico e cognitivo se tornarão predominantes. Especialmente à medida que os indivíduos buscarem aprimoramentos pessoais. Até 2025, 40% das empresas mudarão do projeto para humanos para a arquitetura dos próprios humanos adotando tecnologias e metodologias de aprimoramento humano, diz o Gartner.

Transparência e rastreabilidade

O Gartner diz que transparência e rastreabilidade se referem a uma variedade de atitudes, ações, tecnologias e práticas de suporte projetadas para atender aos requisitos regulatórios. Isso, além de preservar uma abordagem ética ao uso da inteligência artificial (IA) e outras tecnologias avançadas para reparar a crescente falta de confiança nas empresas. 

Guia completo para contratação de empresas de TI

Contudo, à medida que as organizações desenvolvem práticas de transparência e confiança, elas devem se concentrar em três áreas:

  1. AI e ML;
  2. Privacidade, propriedade e controle de dados pessoais; 
  3. Design eticamente alinhado.

Afinal, os consumidores estão cada vez mais conscientes de que suas informações pessoais são valiosas e exigem controle. Portanto, as organizações que reconhecem o risco crescente de proteger e gerenciar dados pessoais e os governos estão implementando legislação rigorosa para garantir segurança. 

Contudo, não se pode esquecer que a transparência e rastreabilidade são elementos críticos para apoiar essas necessidades de ética digital e privacidade. Segundo o Gartner, até 2023, mais de 75% das grandes organizações contratarão especialistas em inteligência artificial, em comportamento forense, privacidade e confiança do cliente para reduzir o risco de marca e reputação. Essa é uma das tendências tecnológicas para 2020 mais promissoras, inclusive.

Ebook Cases de Sucesso de Clientes

Computação de borda

A computação de borda é uma topologia de computação na qual o processamento de informações, a coleta e entrega de conteúdo são colocadas mais próximas das fontes, repositórios e consumidores dessas informações. Ou seja, a ideia é manter o tráfego e o processamento local para reduzir a latência e permitir maior autonomia no limite. 

“Grande parte do foco atual na computação de borda vem da necessidade de sistemas de IoT para fornecer recursos desconectados ou distribuídos no mundo incorporado de IoT para setores específicos, como manufatura ou varejo. No entanto, a computação de borda se tornará um fator dominante em praticamente todos os setores e casos de uso. Afinal, a borda é capacitada com recursos de computação cada vez mais sofisticados e especializados com mais armazenamento de dados. Ainda assim, dispositivos de borda complexos, incluindo robôs, drones, veículos autônomos e sistemas operacionais, acelerarão essa mudança”.

Até 2023, mais de 50% dos dados gerados pela empresa serão criados e processados ​​fora do data center ou na nuvem, ante menos de 10% em 2019.

Nuvem Distribuída

A nuvem já estava entre as principais tendências tecnológicas para 2020. Contudo, a nuvem distribuída vai além das previsões corriqueiras. Uma nuvem distribuída consiste na distribuição de serviços de nuvem pública para diferentes locais. Isso, enquanto o provedor de nuvem pública de origem assume a responsabilidade pela operação, governança, atualizações e evolução dos serviços. O Gartner define essa nuvem distribuída como onde uma arquitetura de serviço de nuvem pública é replicada no local ou é complementar ao serviço centralizado. 

Ou seja, o provedor de serviços possui e é responsável pela arquitetura, desenvolvimento, implantação, governança, operações, evolução e atualização. Portanto, os clientes corporativos podem manter a propriedade, a governança, as operações e a atualização dos componentes físicos. Especialmente quando os serviços distribuídos avançam em direção à borda. 

Até 2024, a maioria das plataformas de serviços em nuvem fornecerá serviços executados no ponto necessário, afirmou o Gartner. Isso representa uma mudança significativa do modelo centralizado da maioria dos serviços de nuvem pública. Portanto, levará a uma nova era na computação em nuvem.

Coisas Autônomas

Coisas autônomas são dispositivos físicos que usam a IA para automatizar funções anteriormente desempenhadas por seres humanos, segundo o Gartner. As formas mais reconhecíveis de coisas autônomas são robôs, drones, veículos / navios e aparelhos autônomos. Contudo, sua automação vai além da automação fornecida por modelos rígidos de programação. Ou seja, exploram a IA para fornecer comportamentos avançados que interagem mais naturalmente com o ambiente e as pessoas. Portanto, à medida que a capacidade tecnológica melhora, a regulamentação permite e a aceitação social cresce, coisas autônomas serão cada vez mais implantadas em espaços públicos não controlados.

Checklist Nível de Excelência em TI

“À medida que as coisas autônomas proliferam, esperamos uma mudança de coisas inteligentes independentes para um enxame de coisas inteligentes colaborativas, onde vários dispositivos trabalharão juntos, independentemente das pessoas ou de contribuições humanas. Por exemplo, robôs heterogêneos podem operar em um processo de montagem coordenada. No mercado de entrega, a solução mais eficaz pode ser usar um veículo autônomo para mover pacotes para a área de destino. Robôs e drones a bordo do veículo podem afetar a entrega final da embalagem”, disse Burke. 

Blockchain prática

A Blockchain tem o potencial de remodelar os setores. Afinal, permite confiança, proporciona transparência e viabiliza a troca de valor entre os ecossistemas de negócios, reduzindo potencialmente os custos, os tempos de liquidação das transações e melhorando o fluxo de caixa. 

Além disso, os ativos podem ser rastreados até sua origem, reduzindo significativamente as oportunidades de substituições por produtos falsificados. 

Contudo, o rastreamento de ativos também têm valor em outras áreas. É o caso do rastreamento de alimentos em uma cadeia de suprimentos para identificar mais facilmente a origem da contaminação. Ou também do rastreamento de peças individuais para ajudar na recuperação de produtos. 

Outra área em que a blockchain tem potencial é o gerenciamento de identidades. Afinal, contratos inteligentes podem ser programados em cadeias de blocos onde os eventos podem acionar ações. Por exemplo, o pagamento é liberado quando as mercadorias são recebidas. Dessa forma, até 2023, a tecnologia inspirada em blockchain apoiará o movimento global e o rastreamento de US $ 2 trilhões em bens e serviços anualmente

“A Blockchain permanece imatura para implantações corporativas devido a uma variedade de problemas técnicos. Isso já inclui baixa escalabilidade e interoperabilidade. Apesar desses desafios, o potencial significativo de interrupção e geração de receita significa que as organizações devem começar a avaliar a blockchain, mesmo que não antecipem a adoção agressiva das tecnologias no curto prazo”, disse Burke.

Segurança da IA

O Gartner diz que a IA e o ML continuarão sendo aplicadas para aumentar a tomada de decisões humanas em um amplo conjunto de casos de uso. Embora isso crie grandes oportunidades para permitir a hiper automação e alavancar coisas autônomas para proporcionar a transformação dos negócios, cria novos desafios significativos para a equipe de segurança. Afinal, traz um aumento maciço de possíveis pontos de ataque com IoT, computação em nuvem, microsserviços e sistemas altamente conectados em espaços inteligentes. 

Portanto, os líderes de segurança e risco devem se concentrar em três áreas principais:

  1. Proteger os sistemas de inteligência artificial;
  2. Alavancar a inteligência artificial para aprimorar a defesa de segurança;
  3. Antecipar o uso nefasto de inteligência artificial pelos atacantes. 

Dessa forma, até 2022, espera-se que 30% de todos os ataques cibernéticos irão alavancar envenenamento de dados de treinamento, roubo de modelos de IA ou exemplos contraditórios, disse o Gartner.

Ebook Melhores Práticas em Gestão de TI

Fonte: 

IT World