Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

O que é firmware? Ele é realmente importante?

Por Juliana Gaidargi em 7/01/2021 em Gestão de TI

Você sabe o que é firmware? Esse é um tema bastante extenso para algo que parece ser tão simples. Afinal, firmware nada mais é do que um software embutido em um hardware. Ou seja, você pode pensar no firmware simplesmente como “software para hardware“. No entanto, firmware não é um termo intercambiável para software.

o que é firmwareJá parou para pensar que dispositivos que consideramos estritamente hardware têm seu comportamento programado em uma memória especial? Precisa de exemplos para se situar? Confira abaixo, então:

  • Uma unidade óptica;
  • Placa de rede;
  • Controle remoto de TV;
  • Roteador;
  • Câmera;
  • Scanner entre outros.

Portanto, firmware é um pequeno pedaço de software que faz o hardware funcionar. Ou seja, fazer o que seu fabricante pretendia. Consiste em programas escritos por desenvolvedores de software para fazer os dispositivos de hardware “funcionarem”. Afinal, sem ele a maioria dos dispositivos eletrônicos que usamos diariamente não seria capaz de funcionar. Eles não fariam absolutamente nada.

Exemplos

Um simples semáforo contém firmware. Sim, é verdade! E é isso que lhe diz para mudar as luzes em intervalos regulares. Sem firmware, o semáforo seria apenas um mastro sem função, colocado na lateral da estrada. Afinal, não faria nada além de parecer entediado. 

No papel de software

Inclusive, em dispositivos de hardware menos sofisticados, o firmware é todo o software existente. Além disso, ele atua como um sistema operacional, controlando tudo sobre o funcionamento do dispositivo. É o caso de:

  • Semáforos;
  • Máquinas de lavar;
  • Máquinas de cartão;
  • Câmeras de vigilância;
  • TVs, etc.

Para deixar as coisas ainda mais claras, vejamos outro exemplo: uma placa-mãe de computador sem firmware não saberia como detectar o disco rígido. Tampouco a placa de vídeo que está dentro do seu computador. Portanto, se suas unidades não tivessem firmware incorporado, elas não saberiam com que velocidade girar ou quando parar. Uma placa de rede sem fio não saberia como usar uma determinada frequência de rádio.

No papel de intermediário

Entretanto, o firmware pode atuar como intermediário entre o hardware e o sistema operacional em alguns casos. Bons exemplos são hardwares mais complexos, como:

  • Smartphones;
  • Tablets;
  • Smart TVs;
  • Smartwatches, etc.

Afinal, nesses dispositivos, o programa contém apenas as instruções necessárias para que o hardware opere com o sistema operacional instalado no dispositivo. Por exemplo, considere um smartphone Samsung Galaxy com Android. O firmware desse smartphone permite que o hardware se comunique corretamente com o sistema operacional Android. Portanto, executa o que o usuário solicita. 

Frequentemente, tendemos a pensar em um dispositivo de hardware como um dispositivo que é apenas hardware. Ou seja, presumimos que ele funciona sozinho. No entanto, quase nenhum dos dispositivos de hardware modernos funcionaria sem este software específico que está escrito diretamente neles: o firmware.

Onde o firmware fica armazenado?

Agora sabemos que este é um software escrito diretamente em nossos dispositivos de hardware. Mas como se armazena um firmware em um dispositivo? Ele é armazenado em tipos especiais de memória. Estes são chamados de flash ROM. 

Sobre ROM

ROM é a sigla para Read Only Memory e este tipo de memória deve ser escrito apenas uma vez. Quem faz isso é o fabricante do hardware em questão. Todo dispositivo eletrônico precisa de uma memória ROM. Isso porque ela mantém os dados permanentemente. Mesmo quando você desliga o dispositivo. Afinal, você não pode produzir um dispositivo de hardware que se esqueça de seu firmware. Sabe porque? Porque ele deixaria de funcionar assim que você puxasse sua fonte de energia.

Mas, entretanto, a memória flash ROM é uma memória ROM regravável. Por quê? Porque, embora seja inicialmente gravada pelo fabricante do hardware, pode ser necessário gravá-la posteriormente. Ou seja, você pode escrever um novo firmware em um dispositivo de hardware. No entanto, você só pode fazer isso com uma ferramenta de atualização adequada. Ou seja, que é especialmente projetada para funcionar para esse dispositivo de hardware.

Que tipos de firmware existem?

Existe tanta variedade de firmware quanto de dispositivos de hardware. Placas-mãe de computador contém firmware. Ele também existe em discos rígidos, unidades de estado sólido (SSDs), unidades de CD / DVD / Blu-Ray. O firmware também faz parte de placas de rede, roteadores, pontos de acesso e extensores de alcance. Sabia que até o mouse e teclado do seu computador têm firmware? E estes são apenas alguns exemplos relacionados a computadores.

Lembre que esse programa está na maioria dos dispositivos que fazem algo útil, como:

  • TV;
  • Máquina de lavar;
  • Caixas eletrônicos;
  • Carros. 

Afinal, nenhum dispositivo funcionaria sem seu firmware.

Qual é a diferença entre firmware e drivers?

Ambos têm a função de permitir que o hardware faça o que é solicitado. Contudo, uma diferença importante é que o firmware é armazenado no próprio dispositivo de hardware. Enquanto isso, os drivers são instalados dentro do sistema operacional. 

Além disso, ele pode iniciar sozinho e fazer o que foi programado para fazer. Já os drivers devem ser executados pelo sistema operacional. No entanto, a maior diferença entre os dois é que o firmware informa aos dispositivos o que eles devem fazer. Em paralelo, o driver informa ao sistema operacional como se comunicar com os mesmos dispositivos.

O firmware pode ser atualizado?

Muitos fabricantes lançam atualizações regulares para os seus dispositivos de hardware. Eles também fornecem as ferramentas de software necessárias para gravar o novo firmware nesses dispositivos.

No entanto, cada fabricante pode escolher se lança um novo firmware para um dispositivo individual ou não. Por exemplo, a maioria dos fabricantes de peças de computador desenvolve e fornece aos clientes um novo firmware e as atualizações correspondentes. Pelo menos por alguns anos após o lançamento do dispositivo.

Para dar um exemplo, o fabricante de sua placa-mãe pode lançar novas atualizações de firmware quando quiser:

  • Incluir novos recursos;
  • Oferecer suporte a novos processadores ou RAM;
  • Quando quiser resolver problemas específicos com seu hardware.

Portanto, qualquer fabricante pode escolher fornecer um novo firmware para seus dispositivos. Ou seja, um roteador pode receber uma atualização que aprimora sua estabilidade. Um gravador de DVD pode aprender como gravar novos tipos de discos e assim por diante.

De onde vêm as atualizações de firmware?

Contudo, sobre onde obter um novo firmware, isso depende do fabricante do seu dispositivo. Normalmente, você pode encontrar um novo firmware (se disponível) no site de suporte do dispositivo. Então, procure uma página de download, baixe a atualização e tenha o cuidado de seguir a documentação de atualização oferecida pelo fabricante do dispositivo.

E lembre-se de que escrever um novo firmware em seu dispositivo é um trabalho traiçoeiro. Afinal, se feito incorretamente, pode inutilizar o dispositivo para sempre! É por isso que algumas pessoas dizem que você bloqueou seu dispositivo. Na prática, isso significa que você estragou seu firmware e ele não funcionará mais como deveria.

Felizmente, os fabricantes de unidades de CD, DVD e BD costumam lançar atualizações regulares de firmware para manter seu hardware compatível com novas mídias.

Exemplo

Por exemplo, digamos que você compre um pacote de 20 discos BD vazios e tente gravar um vídeo em alguns deles, porém, sem sucesso. Uma das primeiras coisas que o fabricante da unidade Blu-ray provavelmente sugeriria é atualizar / fazer flash no firmware da unidade.

O firmware atualizado provavelmente incluiria um novo conjunto de código de computador para sua unidade. Ou seja, a ensinaria como gravar na marca específica de disco BD que você está usando, resolvendo esse problema.

Os fabricantes de roteadores de rede geralmente lançam atualizações de firmware em seus dispositivos para melhorar o desempenho da rede ou adicionar recursos adicionais. O mesmo vale para fabricantes de câmeras digitais, de smartphones (como iOS e Android), etc. Você pode visitar o site do fabricante para baixar atualizações de firmware.

Como aplicar atualizações de firmware?

É impossível dar uma resposta geral sobre como instalar o firmware em todos os dispositivos. Afinal, nem todos os dispositivos são iguais. É possível atualizar firmware sem fio. Portanto, parecem apenas uma atualização de software regular. Entretanto, outras envolvem a cópia do firmware para uma unidade portátil. Então, em seguida, você deve carregá-lo no dispositivo manualmente.

Exemplo

Por exemplo, você pode ser capaz de atualizar o firmware em um console de jogos de forma simples. Basta você aceitar qualquer solicitação para atualizar o software. Portanto, é improvável que o dispositivo esteja configurado de forma que seja necessário fazer o download do firmware manualmente e aplicá-lo manualmente. Afinal, isso tornaria muito difícil para o usuário comum atualizar o firmware. Especialmente se o dispositivo precisa de atualizações de firmware com frequência.

Dispositivos Apple iOS como iPhones e iPads também ocasionalmente recebem atualizações de firmware. E o mesmo vale para telefones e tablets Android. Esses dispositivos permitem que você baixe e instale o firmware do próprio dispositivo. Dessa forma, você não terá que baixar e instalar manualmente.

Seção dedicada

No entanto, alguns dispositivos, como a maioria dos roteadores, têm uma seção dedicada no console administrativo que permite aplicar uma atualização de firmware. Geralmente, esta é uma seção que possui um botão Abrir ou Navegar. Este permite selecionar o firmware que você baixou. Contudo, revise o manual do usuário do dispositivo antes de atualizar o firmware. Mesmo que seja só para ter certeza de que as etapas que você está realizando estão corretas e que você leu todos os avisos.

O problema com smartphones, tablets, TVs inteligentes e “firmware” Android

Os smartphones Android e dispositivos móveis conquistaram o mundo. Contudo, muitos usuários desejam atualizar o “firmware” em seus dispositivos. Isso, além de instalar ROMs personalizados e assim por diante. O problema é que a maioria das pessoas agora usa incorretamente o termo firmware quando se refere a smartphones e outros dispositivos móveis. Por isso, vamos explicar os aspectos técnicos do firmware. Ao menos quando nos referimos a smartphones e dispositivos móveis.

O termo firmware, especialmente quando se fala em dispositivos com Android, foi incorretamente expandido na cultura popular. Portanto, passou a abranger todos os softwares nesses dispositivos. Ou seja, “firmware” Android agora significa o firmware mais o sistema operacional Android sobre ele.

O que é ROM personalizada?

Você também encontrará o termo ROM personalizada. ROM não significa, neste caso, a memória somente leitura onde o firmware é armazenado no hardware do smartphone. ROM personalizada significa uma imagem de sistema operacional personalizada que também inclui o firmware necessário para o funcionamento do smartphone. 

Ou seja, você obtém duas coisas na ROM de um smartphone: o firmware, que é o mesmo da definição que compartilhamos anteriormente e o sistema operacional em cima do firmware.

Quando você compra um smartphone, ele vem com uma “ROM padrão” ou “firmware padrão”. Isso se refere ao firmware pré-instalado e ao sistema operacional. A “ROM de estoque” é fornecida pelo fabricante do smartphone (se você o comprou desbloqueado) ou pela operadora móvel onde você tem uma assinatura (se você comprou um smartphone bloqueado). 

Sobre “estoque ROM”

A operadora móvel usa o “estoque ROM” que é oferecido pelo fabricante do seu smartphone e o modifica de acordo com seus interesses. Isso resulta em um novo “estoque ROM” que é encontrado apenas nos smartphones que são vendidos por essa operadora móvel. O mesmo vale para smart TVs, tablets e outros dispositivos móveis com Android.

A importância do desenvolvimento adequado 

Você sabe por que é tão importante que o firmware seja desenvolvido e mantido pelas pessoas certas? Nessa frente, você pode contar com o auxílio de uma boa parceira de TI. A Infonova , por exemplo, tem bastante experiência em gerenciamento de firmware. De qualquer forma, confira a seguir porque firmwares são tão importantes:

O firmware é necessário para o funcionamento adequado do hardware

Há uma razão crucial pela qual as empresas precisam se concentrar no firmware ao lançar novos produtos. Se o firmware tiver algum defeito, o hardware não funcionar. Portanto, se você deseja lançar produtos confiáveis ​​de forma consistente e melhorar a experiência do cliente, ter um  firmware estável é essencial.

Risco de desenvolvedores de baixa qualidade

Sua empresa optou por contratar uma equipe com pouca ou nenhuma experiência no desenvolvimento de firmware? Então, provavelmente você acabará perdendo dinheiro. Afinal, o firmware provavelmente terá muitos bugs para melhorar. Portanto, escolher a equipe certa desde o início significa que eventuais problemas de firmware serão resolvidos ao invés de precisar começar do zero.

Ou seja, o firmware não recebe a mesma atenção que o hardware e o software. Contudo, é igualmente importante garantir que todos os três sejam de boa qualidade. Afinal, é isso que torna um produto excelente. 

Dicas para obter a melhor solução do mercado

Hoje em dia, todos os MSOs aceitam a automação de tarefas repetitivas que são executadas manualmente. Afinal, essas tarefas implicam em um custo operacional recorrente e a cada dia se tornam menos eficientes devido a vários fatores. E isso inclui o inevitável crescimento da rede.

Contudo, uma das tarefas mais demoradas é o gerenciamento de firmware. Tal como a atualização dos dispositivos em toda a rede. Afinal, essas atividades geralmente são realizadas manualmente ou com ferramentas desenvolvidas internamente. Entretanto, estas costumam ser projetadas para atender a uma necessidade em tempo hábil. 

Contudo, ao lidar com o crescimento da rede e tarefas de manutenção cada vez mais repetitivas, torna-se um processo muito complexo. Ou seja, que requer muito esforço para concluir as atividades usando essas ferramentas legadas.

Desafios mais comuns com gerenciamento de firmware

Com certeza, ao usar desenvolvimentos internos ou atualizar ou gerenciar firmware manualmente, o MSO enfrentará:

  • Configuração manual complexa de políticas de atualização de firmware;
  • Execução em lote devido a ferramentas de restrição;
  • Várias janelas de manutenção, geralmente à noite. Contudo, essas atividades geram mais custo operacional e um encargo extra na área de Operações;
  • Informações sobre vários bancos de dados ou planilhas não consolidadas. Todas difíceis de organizar em longos períodos de tempo. Essa situação dificulta o processo porque a manutenção dessas fontes de informação é muito complicada;
  • Ausência de detecção automática de dispositivos sem versões de firmware padronizadas. Afinal, isso leva ao desbloqueio e clonagem;
  • Visibilidade limitada ou nula sobre o andamento das tarefas de atualização do firmware;
  • Ausência de ferramentas de solução de problemas para minimizar a interrupção do serviço.
Funcionalidades-chave a considerar

É possível resolver os desafios apontados acima e muitos mais. Basta contar com uma solução que oferece a flexibilidade de dividir a execução de processos de upgrade de forma fácil. Contudo, ela também deve contar com relatórios e visibilidade relacionados ao andamento e eficiência das tarefas. O mesmo vale para informações históricas e outras funções, como estimativas de todo o processo.

Como escolher?

Confira a seguir as qualidades que uma ferramenta de atualização de firmware deve ter:

  • Configuração de políticas de atualização flexíveis com base no fabricante / modelo / firmware, localização na rede e endereço MAC;
  • Definição de cronograma para a tarefa e número de dispositivos a serem atualizados;
  • Estatísticas em tempo real para cada tarefa em execução;
  • Relatórios finais com o resultado da tarefa, taxa de erro e dispositivos não puderam ser atualizados;
  • Notificações em tempo real ou alarmes antes da execução de tarefas com taxa de erro superior a um limite configurado;
  • Aviso em tempo real se o processamento da tarefa exceder uma determinada quantidade de erros.
  • Suporte IPv4 / IPv6 pronto já que a migração para IPv6 é um fato em muitos MSOs. Portanto, é vital que a ferramenta permita que gerenciar atualizações em ambos os protocolos;
  • Inventário atualizado de dispositivos que permite que os MSOs entendam qual fabricante / modelo / firmware de dispositivos existe em sua rede.

Ou seja, é preciso procurar uma ferramenta que lhe permita otimizar a normalização das versões de firmware existentes na sua rede. Afinal, essas características lhe permitirão eliminar a intervenção manual na execução das tarefas. Além disso, obterá múltiplos benefícios que lhe permitirão detectar erros rapidamente. Dessa forma, poderá, ainda, minimizar o impacto que isso gera na qualidade do atendimento ao cliente final.

Guia completo de gerenciamento de firmware 

Este guia visa ajudar a entender como o firmware em dispositivos móveis pode ser gerenciado. Entretanto, ele também fornece recomendações sobre as etapas que você pode seguir para gerenciar quaisquer riscos de segurança associados.

Por que gerenciar o firmware do dispositivo móvel?

Firmware é o código que executa a configuração e o controle dos componentes de hardware que constituem uma plataforma móvel. Dessa forma, o firmware é geralmente o primeiro código executado quando um dispositivo móvel é ligado. Portanto, fornece a base a partir da qual a confiança no sistema é construída.

O firmware também desempenha um papel importante na configuração de muitas das proteções necessárias para o dispositivo e o sistema operacional. Isso inclui:

  • Definir configurações de segurança de hardware;
  • Inicialização verificada;
  • Transferência para o sistema operacional.

Portanto, ataques de firmware precisam ser altamente direcionados. Contudo, um ataque bem-sucedido pode fornecer acesso persistente de longo prazo ou ser destrutivo por natureza. Ou seja, pode resultar em:

  • Perda de dados;
  • Modificação do sistema;
  • Negação permanente de serviço.
Preparação para gerenciamento 

Existem vários aspectos do gerenciamento de firmware que você deve ter em mente ao planejar seu regime de gerenciamento.

Atualizações 

As atualizações de firmware permitem aplicar:

  • Correção de bugs;
  • Novas funcionalidades;
  • Atualizações de segurança.

Portanto, são um elemento essencial para manter os dispositivos atualizados. Então, você precisará considerar como sua organização implantará e gerenciará as atualizações de firmware. 

Os telefones celulares, incluindo Android e iOS, normalmente empacotam e distribuem atualizações de firmware junto com o sistema operacional e software. Então, se você já está seguindo as recomendações para manter os dispositivos atualizados, então as atualizações de firmware devem acontecer naturalmente.

Já em laptops e PCs, o suporte para atualizações automáticas de firmware varia de acordo com o dispositivo, fabricante e sistema operacional. Contudo, há casos em que os dispositivos não suportarem atualizações automatizadas como parte do mecanismo de atualização do sistema operacional. Então, você precisará considerar quais serviços de gerenciamento de dispositivo móvel (MDM) ou ferramentas corporativas estão disponíveis para automatizar e distribuir atualizações de firmware.

Configurações de firmware

O firmware do dispositivo móvel tem configurações específicas. Estas podem ser modificadas para configurar a funcionalidade de todo o sistema. Algumas configurações de firmware são essenciais para a operação segura do dispositivo. É o caso da inicialização segura e caminho de inicialização. Contudo, outras permitem o controle funcional de dispositivos. Por exemplo, habilitando ou desabilitando o microfone. O gerenciamento do acesso a interfaces periféricas também pode ocorrer. Contudo,  ainda podem ser consideradas como configurações de segurança.

Em telefones celulares, o gerenciamento separado das configurações de firmware geralmente não é necessário. Enquanto isso, em PCs e laptops pode ser. Portanto, você pode gerenciar as configurações independentemente por meio de:

  • Consoles de gerenciamento de firmware local;
  • Gerenciamento de dispositivo móvel (MDM);
  • Ferramentas personalizadas de gerenciamento corporativo.

Em todos os casos, é importante que a capacidade de modificar o firmware crítico e as configurações de inicialização seja restrita apenas aos administradores.

Monitoramento de firmware

Você deve considerar quais recursos de registro e monitoramento de firmware estão disponíveis nos dispositivos que sua empresa usa.

O registro e o monitoramento eficazes podem incluir informações e eventos como:

  • Versão do firmware;
  • Modificação das configurações de firmware do dispositivo;
  • Eventos de atualização de firmware;
  • Conformidade das configurações de firmware do dispositivo;
  • Status de inicialização;
  • Medidas de inicialização.

Contudo, na prática, muitos dispositivos móveis têm suporte muito limitado para registrar esses tipos de eventos.

PCs e laptops

Em PCs e laptops, o suporte pode variar. Afinal, alguns dispositivos podem fornecer feedback básico sobre o firmware. Em Chromebooks, por exemplo, o gerenciamento de dispositivos móveis é usado para impor relatórios de dispositivos. Estes incluem firmware e informações de estado de inicialização.

Entretanto, também é possível usar ferramentas ou serviços de gerenciamento corporativo adicionais para gerar logs personalizados. No Windows, por exemplo, ferramentas de gerenciamento baseadas em agente são usadas para:

  • Implantar e relatar regras de conformidade de dispositivo personalizadas;
  • Gerar logs personalizados.

É o caso do System Center Configuration Manager (SCCM) ou análise de log do Azure,

Os fabricantes de dispositivos também podem fornecer ferramentas ou recursos separados que podem estender os recursos de registro. O HP Sure Start é um exemplo. Afinal, este sistema aprimorado de proteção de firmware, disponível em laptops empresariais HP, pode gerar logs de eventos adicionais do Windows para eventos de segurança relacionados ao firmware. Esses registros são, então, encaminhados para um armazenamento remoto. Tudo por meio do encaminhamento de eventos do Windows ou sua escolha de agente de registro.

Resiliência de firmware

Alguns dispositivos suportam proteções aprimoradas. Seja para código de firmware ou dados de configuração críticos contra ataques ou corrupção. No entanto, esses dispositivos usam raízes de confiança baseadas em hardware separadas e armazenamentos de chaves. Tudo a fim de fornecer verificação criptográfica mais forte de código de firmware e dados. Tal como como recuperação segura.

Celulares e PCs

Essas proteções constumam ser padrão em telefones celulares. Contudo, em PCs e laptops, esses tipos de proteções aprimoradas dependem do fabricante, dispositivo e suporte de hardware.

Os exemplos incluem HP Sure Start e Intel Boot Guard no Windows, tal como o chip de segurança T2 no macOS. Portanto, você pode levar em consideração esses requisitos ao escolher quais dispositivos usar em sua organização.

Como gerenciar o firmware do dispositivo

Provavelmente, sua organização usará mais de um tipo de dispositivo móvel. Desde PCs e laptops a telefones celulares e tablets. Provavelmente, eles cobrirão uma variedade de fabricantes de hardware e sistemas operacionais. Então, para cada um desses dispositivos, você deve fazer o seguinte:

  • Determine quais recursos de gerenciamento de firmware estão disponíveis para o dispositivo e a infraestrutura de gerenciamento que você está usando. Lembre-se disso ao escolher quais dispositivos móveis usar em sua organização;
  • Implementar processos para manter o firmware do dispositivo atualizado, automatizando isso sempre que possível. Verifique se o sistema de atualização automática do sistema operacional também pode atualizar o firmware. Se não puder, configure o serviço de atualização automática proprietário do fabricante do dispositivo, se houver. Caso não haja, use ferramentas de gerenciamento corporativo para automatizar as atualizações de firmware;
  • Onde necessário, habilite e defina as configurações críticas de segurança do dispositivo. É o caso de inicialização segura, caminhos de inicialização permitidos e atualizações autenticadas. 
  • Você também deve aplicar quaisquer configurações adicionais exigidas pela política de configuração de dispositivos da sua organização. Como, por exemplo, ativar / desativar o microfone. 
  • Use seu serviço de gerenciamento de dispositivo móvel para impor as configurações de firmware do dispositivo sempre que possível. Se não for compatível, use ferramentas separadas de gerenciamento empresarial fornecidas pelo fabricante. Afinal, elas podem ser necessárias para o gerenciamento remoto. Você também pode definir as configurações por meio de consoles de gerenciamento de dispositivos locais.
  • Restrinja o acesso às interfaces de gerenciamento, tanto locais quanto remotas. Isso ajudará a proteger contra alterações não autorizadas nas configurações ou firmware do dispositivo.
  • Sempre que possível, registre e monitore o estado do firmware do dispositivo e eventos de segurança relacionados. Deve-se dar preferência ao atestado de integridade do dispositivo, sempre que possível, para verificar o estado do dispositivo. 
E para resiliência mais alta?

As organizações que exigem que seu firmware tenha uma resiliência mais alta devem preferir:

  • Dispositivos que forneçam proteção de integridade mais forte de código de firmware e configurações críticas de segurança;
  • Detecção de comprometimento / violação;
  • Capacidade de recuperar o firmware do dispositivo com segurança no caso de alterações não autorizadas ou corrupção;
  • Certifique-se de que seus usuários possam reconhecer o tipo de avisos do dispositivo que podem indicar adulteração ou corrupção do firmware. Não obstante, tenha políticas em vigor para que os usuários relatem incidentes.

Ao implementar as recomendações acima, o processo será diferente para cada plataforma. Listamos algumas dessas diferenças abaixo. Quando relevante, fornecemos algumas recomendações de plataforma específicas.

Atualizações de firmware

As atualizações de firmware geralmente serão aplicadas automaticamente em dispositivos móveis como Android e iOS. Afinal, isso faz parte de atualizações mais amplas do sistema operacional.

No entanto, em PCs e laptops com sistemas operacionais Windows e Linux, o suporte para automatizar atualizações de firmware pode variar. Para ajudar com isso, fornecemos algumas recomendações específicas abaixo para essas plataformas.

Windows

Você pode automatizar as atualizações por meio do Windows Update. Contudo, PCs e laptops devem ser compatíveis com a atualização do Windows UEFI Firmware Capsule. Esse requisito é atendido para todos os dispositivos compatíveis com o Programa de Compatibilidade de Hardware do Windows. Afinal, simplifica a automação de atualizações de firmware. Portanto, prefira dispositivos que suportem isso. Contudo, se o seu OEM (fabricante do equipamento original) não estiver optando por usar esse mecanismo, considere soluções alternativas de gerenciamento de cliente empresarial que atendam às suas necessidades. 

Linux

O suporte para atualizações automatizadas de firmware varia entre o fabricante do equipamento e a distribuição do Linux. O Linux Vendor Firmware Service oferece uma solução automatizada para atualizações de firmware em dispositivos Linux.

Configurações de firmware

Geralmente você não precisa gerenciar as configurações de firmware separado do dispositivo. É o caso do Android e iOS. No entanto, ainda é importante aplicar configurações críticas de segurança de dispositivos. Tudo para impor modos de inicialização verificados. Você pode fazer isso usando MDM.

Muitas configurações de firmware precisam ser gerenciadas fora das configurações do sistema operacional. Principalmente em dispositivos Windows e Linux. Isso inclui configurações críticas de segurança. É o caso da inicialização segura e caminhos de inicialização permitidos. Ainda assim, o suporte para gerenciamento remoto pode variar. Seguem algumas recomendações específicas da plataforma abaixo.

Recomendação por sistema operacional
Android

Desabilite as opções do desenvolvedor Android. Assim você evita o desbloqueio do carregador de inicialização do dispositivo e recursos de depuração.

macOS 

Defina uma senha EFI para evitar modificações não intencionais de configurações de firmware em um sistema específico.

ChromeOS

Aplique o Verified Mode  para evitar que os usuários mudem o dispositivo para o Modo de desenvolvedor.

Linux

As configurações do dispositivo Linux configuráveis ​​variam entre os tipos de dispositivos, modelos e fabricantes. Contudo, gerencie-os, no mínimo, por meio do console de gerenciamento de firmware de pré-inicialização do dispositivo.

Windows

As configurações disponíveis também variam entre os tipos de dispositivos, modelos e fabricantes. Várias opções também podem estar disponíveis para gerenciamento remoto, incluindo MDM ou ferramentas de gerenciamento corporativo de fabricantes separados. Para obter orientação sobre as configurações recomendadas, consulte a seção de firmware do dispositivo de nossa orientação específica da plataforma Windows. Então, habilite essas configurações via OEM. Ou seja, como parte do Programa de Compatibilidade de Hardware do Windows.

Fatos importantes sobre o firmware

Assim como qualquer aviso do fabricante será exibido, é extremamente importante garantir que o dispositivo que está recebendo a atualização do firmware não desligue enquanto a atualização está sendo aplicada. Afinal, uma atualização parcial do firmware deixa o firmware corrompido. Ou seja, pode danificar seriamente o funcionamento do dispositivo.

Então, não erre na hora de fazer uma atualização de firmware. Afinal, dar a um dispositivo um pedaço de software que pertence a um dispositivo diferente pode fazer com que o hardware não funcione mais como deveria. Geralmente é fácil saber se você baixou o firmware correto. Basta verificar se o número do modelo correspondente a esse firmware corresponde ao número do modelo do hardware que você está atualizando.

Outra coisa a lembrar é que primeiro você deve  ler o manual associado a esse dispositivo. Afinal, cada dispositivo é único e terá um método diferente de atualização ou restauração do firmware de um dispositivo.

Alguns dispositivos não solicitam a atualização do firmware. Então, verifique o site do fabricante para saber se ele lançou uma nova atualização. Contudo, você também pode registrar o dispositivo no site do fabricante para que você possa receber e-mails quando o novo firmware for lançado .

Alternativa

Lidar com firmware é bem complexo. Portanto, o ideal é contar com uma boa parceira de TI. Especialmente uma que já tenha experiência com firmwares. Quer saber mais sobre isso? Então, entre em contato conosco, sem compromisso!

Fontes:

foundersguide.com

lifewire.com

ncsc.gov.uk

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Acesse informação exclusiva para nossos clientes e esteja informado. Conheça as técnicas, ferramentas e estatísticas do mercado, de graça, e no seu email.
É só preencher o formulário para acessar.

Receba Gratuitamente

Passo 2
0%

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.