Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Tendência pós-pandemia: a importância da TI no home office

Por Juliana Gaidargi em 11/09/2020 em Gestão de TI

De acordo com uma pesquisa recente da IDC, a força de trabalho móvel chegará a 93,5 milhões até 2024. O levantamento foi realizado nos EUA. Contudo, a importância da TI no home office é uma tendência mundial. Afinal, a pandemia aumentou consideravelmente o trabalho remoto. Portanto, estima-se que 60% da força de trabalho se tornará móvel até 2024. Dessa forma, as empresas estão começando a investir pesadamente em dispositivos móveis 

Contudo, à medida que as empresas digitalizam processos e dão suporte a forças de trabalho remotas, a importância da TI no home office se torna cada vez mais óbvia. Afinal, a mudança para uma força de trabalho mais móvel tem implicações nos gastos de TI. Isso, além de gerar mudanças nos processos de negócios e na capacidade de manter a eficiência fora do escritório.

ti no home office

Investimentos

Por conta disso, as empresas estão prevendo gastos de cerca de um terço (32%) de seus orçamentos gerais de TI em hardware, software e serviços móveis. O aumento mais acentuado ocorrerá nos setores de saúde e assistência social. Toda essa mudança está sendo impulsionada pelos esforços de transformação digital nos EUA (de acordo com Bryan Bassett, analista de pesquisa sênior para mobilidade empresarial na IDC e autor do estudo).

“Fluxos de trabalho móveis estão se tornando mais comuns nas empresas. Assim, os funcionários da linha de frente que foram submobilizados em comparação com os profissionais da informação. Contudo, agora eles estão se tornando o foco dos esforços de implantação móvel. Portanto, maior eficiência, capacidade e flexibilidade são alguns dos fatores-chave para a capacitação móvel da linha de frente. Fluxos de trabalho manuais ou baseados em tarefas agora estão sendo digitalizados e aumentados por dispositivos móveis e aplicativos de negócios móveis”

A importância da TI no home office

Vale lembrar que o IDC define funcionários móveis como:

“trabalhadores habilitados com dispositivos móveis (smartphones, tablets, etc.) por sua empresa para concluir suas tarefas e fluxos de trabalho atribuídos.”

Ou seja, caberá à área de TI avaliar as necessidades da empresa no que tange dispositivos móveis e softwares a serem contratados. Isso, além da gestão do cloud computing, extremamente necessário em um mundo de transformação digital. 

Tipos de trabalho móvel

A empresa de pesquisa identifica duas categorias distintas de trabalhadores móveis:

  • Trabalhadores de “informação”;
  • Funcionários da “linha de frente”. 

Informação

Os trabalhadores da informação representam trabalhadores do conhecimento ou de escritório. Estes, dependem de dispositivos móveis como parte de seu trabalho. Isso inclui contadores, programadores ou advogados que trabalham em casa.

Linha de frente

Os funcionários da linha de frente são funcionários em funções de contato direto com o cliente. É o caso de enfermeiras, trabalhadores da construção ou associados de lojas de varejo. Afinal, estes normalmente são mal atendidos em termos de acesso a ferramentas digitais. De acordo com o IDC, apenas 49% dos trabalhadores da linha de frente nos EUA estão equipados com dispositivos móveis. Isso, em comparação com 55% dos trabalhadores da informação.

Contudo, o IDC espera apenas um pequeno aumento no número de trabalhadores móveis da linha de frente. Afinal, muitos desses empregos afetados pela pandemia e medidas de distanciamento social. Portanto, o número de profissionais da informação deverá apresentar níveis de crescimento mais elevados nos próximos 12 a 18 meses. Principalmente devido ao aumento do trabalho remoto.

Pandemia e trabalho móvel

A pandemia teve um “grande impacto” na mobilidade empresarial. Não à toa, os smartphones foram listados como a principal prioridade de gastos imediatos para organizações sediadas nos EUA. Esses dados são de junho de 2020..

“Manter os funcionários conectados e produtivos foi fundamental para resistir aos impactos imediatos da pandemia. Além disso, novos fluxos de trabalho centrados em dispositivos móveis permitiram que as empresas continuassem abertas até certo ponto. Especialmente no varejo, armazenamento e remessa essenciais. Contudo, a necessidade de comunicação confiável e acesso a ativos corporativos digitais não vai diminuir. Felizmente, os dispositivos móveis estão bem equipados para lidar com essa demanda. Especialmente quando um PC não é o dispositivo certo para um determinado funcionário.” – Basset

Novo normal

Definir “trabalho móvel” é difícil. Porém, Jack Gold, fundador e principal analista da J.Gold Associates, disse que há um claro aumento no número de funcionários que usam dispositivos móveis em suas funções. Mesmo que o façam apenas ocasionalmente.

“Se eu tiver um smartphone e puder acessar o e-mail da minha empresa, sou um trabalhador móvel. Mesmo que eu faça a maior parte do meu trabalho no escritório em um PC”, disse ele. “Por outro lado, existem pessoas de campo. São os trabalhadores de serviços públicos, avaliadores de seguros e vendedores. Eles são móveis a maior parte do tempo.Portanto, dependem fortemente de dispositivos móveis para fazer a maior parte de seu trabalho. Dessa forma, os trabalhadores móveis ocasionais têm crescido drasticamente e continuarão a crescer. Em paralelo, os trabalhadores móveis crescem a um ritmo muito mais lento. Na verdade, eu estimaria que hoje os trabalhadores móveis ocasionais já estão bem acima de 50% e em alguns setores. Como é o caso de tecnologia, finanças, serviços de TI – eles estão acima de 85%. ”

Ramificações para TI

O aumento no trabalho móvel pressiona as organizações a investirem em infraestrutura adequada para apoiar os funcionários. Não é de surpreender que as soluções de TI, segurança móvel e gerenciamento móvel tenham se tornado uma das principais prioridades dos planos de gastos em 2021, de acordo com o IDC.

“A necessidade e a capacidade de proteger os funcionários e dispositivos móveis em um ambiente de trabalho remoto são agora essenciais. Ou seja, a TI também precisa da capacidade de gerenciar com eficiência seus funcionários móveis e frotas de dispositivos no futuro. O home office será muito mais comum no futuro. Portanto, a TI está se concentrando em como atender com eficácia as demandas de uma força de trabalho móvel fora das paredes de um prédio de escritórios.”

Gold disse que a primeira prioridade para as empresas é avaliar os dispositivos usados ​​pelos funcionários. Isso deve ser feito antes de se investir em software de gerenciamento unificado de endpoint (UEM). Afinal, é absolutamente crítico ser capaz de gerenciar todos os dispositivos e conexões.

Segurança

Contudo, o uso de dispositivos móveis também pode aumentar os riscos de segurança. E esse fator pode ter sido esquecido conforme as organizações se apressaram em implantar dispositivos móveis em resposta à pandemia. 

“Muitas empresas tiveram que reagir rapidamente para que os trabalhadores móveis fossem instalados nos primeiros dias da pandemia. Portanto, negligenciaram as melhores práticas de segurança”, disse Gold. “É hora de voltar e fazer direito.”

Finalmente, há a questão do suporte ao usuário. Nesse novo mundo, a TI não pode simplesmente enviar uma pessoa de help desk à mesa do funcionário com problemas. Ela deverá fazer todo o atendimento de forma remota. O que é muito mais difícil de fazer. Felizmente, as empresas podem configurar processos e programas para torná-lo muito mais indolor. Contudo, a maioria ainda não compreendeu a importância da TI no home office.

Portanto, lembre-se que existem muitos provedores de serviços que podem fornecer suporte remoto ao seu negócio. A Infonova é um deles e tem atendido seus atuais clientes com maestria durante a pandemia. Quer saber mais? Entre em contato conosco, sem compromisso.

Fonte:

computerworld.com