Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Como promover culturas de TI inovadoras

Por Juliana Gaidargi em 25/05/2022 em Gestão de TI

Saindo da pandemia, os CIOs estão colocando uma ênfase maior na inovação ao reprojetar as culturas de TI para uma criatividade sustentada e expandir soluções pandêmicas inovadoras.

culturas de TI

Solicitados a definir inovação hoje, a maioria dos líderes de TI concordará: trata-se de digitalização e encontrar maneiras novas e melhores de pensar sobre processos e serviços para resolver um problema.

“Por aqui, pensamos nele como um banco com três pernas: qualidade/segurança, satisfação do paciente e eficiência de custos”, diz Sam Amirfar, CIO e diretor de informações médicas do The Brooklyn Hospital Center.

Já Chris Manriquez, vice-presidente de TI da California State University, Dominguez Hills, vê a inovação como “a aplicação rápida e prática de tecnologias digitais para resolver necessidades atuais e emergentes incorporando elementos do metaverso”, diz ele.

Contudo, para Vishal Gupta, CTO e CIO global e vice-presidente sênior de tecnologia conectada da Lexmark, inovação é tornar as coisas mais baratas, melhores e mais rápidas. O que é diferente em 2022 é que, por causa da pandemia, a transformação digital não se tornou mais uma questão de migrar para a nuvem, mas como e quando, diz ele.

As diferentes culturas de TI 

A TI provou suas capacidades inovadoras porque os empresários estão finalmente olhando a tecnologia com mais seriedade, diz Gupta. Ou seja, CIOs e CTOs estão agora “conquistando um lugar maior na mesa porque várias empresas estão demonstrando que, mesmo que não sejam uma empresa de tecnologia, precisam ser habilitadas para tecnologia. A inovação é o que está impulsionando seu crescimento, porque o mundo corporativo tem tudo a ver com crescimento, lucratividade e sustentabilidade.”

No entanto, há uma escola de pensamento de que a tecnologia não deve ser o único foco para demonstrar uma cultura de inovação. A inovação é mais do que tecnologia, diz Ron Adner, professor de administração do Dartmouth College e autor de Winning The Right Game: How to Disrupt, Defend and Deliver in a Changing World.

Adner sustenta que as empresas que falam sobre inovação muitas vezes caem na armadilha de estarem muito focadas em sua tecnologia. Ou seja, consequentemente, não estão focadas o suficiente em seu ecossistema de inovação.

A ilusão da inovação

Para ser inovadora, a organização de TI deve incorporar três elementos, diz Adner. E começa olhando além de seus próprios requisitos de execução e tendo mais consciência dos recursos externos aos quais você está se conectando. Isso expande o sentido do que é realmente possível em termos de culturas de TI, diz ele.

A segunda faceta é ter consciência das prioridades e restrições de seus parceiros externos; por fim, trata-se de desenvolver uma mentalidade de alinhamento que vai além da capacidade de executar um plano, diz Adner. “Você precisa colocar uma alta prioridade em fazer com que os parceiros estejam dispostos a jogar o jogo que você está tentando fazer com que eles joguem.” Ele caracteriza isso como uma “inovação de ecossistema” porque exige que outras pessoas ajustem e desenvolvam uma nova capacidade e interajam com sua organização ou com seu cliente ou algum outro terceiro de uma nova maneira.

Entretanto, isso envolve ter uma estratégia separada de ter APIs, acrescenta. Afinal, uma mentalidade de alinhamento muda o que você quer fazer e como você quer competir. Portanto, é necessária para trazer parceiros externos em uma estrutura coesa. “Esta é uma parte crítica de como uma cultura de inovação precisa ser em 2022”, diz Adner. “Trata-se tanto de gerenciar a colaboração quanto de permitir a criatividade.”

Então, é uma ilusão acreditar que apenas a implantação da tecnologia moderna é suficiente, acrescenta. Afinal, há uma diferença entre estar atualizado e ser inovador. “Quando você é inovador, está usando ferramentas e precisa fazer algo novo”, explica ele. “Atualizar seu conjunto de ferramentas com tecnologia moderna não é suficiente – apenas leva você à linha de partida.”

Atualizar não é inovar

Portanto, ao implementar culturas de TI inovadoras, um CIO deve receber crédito por fazer o trabalho árduo de migrar sistemas legados para tecnologia mais moderna, observa Adner. Contudo, isso é diferente de afirmar que você é inovador por fazer isso. Conectar novos sistemas a novas iniciativas é “como você passa de uma postura operacional para uma postura estratégica”.

Há também uma diferença entre uma organização inovadora e uma organização que inova com sucesso, observa Adner. 

“Uma organização inovadora é aquela que sempre apresenta novas ideias. Uma organização que inova com sucesso é capaz de trazer os jogadores certos para o lugar certo em torno da nova inovação que é a proposta de valor que você está tentando impulsionar.”

Veja algumas novas maneiras pelas quais os líderes estão inovando suas culturas de TI em suas organizações.

Criando mini shark tanks

Na Lexmark, Gupta iniciou um processo chamado Focus to Future, ou F2F. Duas vezes por ano, ele realiza uma reunião em todas as geografias importantes onde a Lexmark está presente. Nelas, os engenheiros se unem a pelo menos uma outra pessoa por alguns dias para criar uma simples prova de conceito detalhando uma ideia que eles têm. As equipes competem por um valor em dinheiro, que geralmente é de US$ 50.000 para o vencedor construir um protótipo funcional.

As equipes são obrigadas a fazer um vídeo demonstrando o problema enquanto explicam a prova de conceito, diz Gupta. O vídeo tem como objetivo incentivar as habilidades de comunicação, acrescenta.

O F2F mais recente reuniu cerca de 80 ideias e Gupta diz que a liderança criou “mini tanque de tubarões” com dois vencedores em cada uma das três regiões geográficas. “Eles tiveram seus projetos classificados e todos receberam diferentes níveis de dinheiro”, diz ele. “Conseguimos levar alguns deles adiante e investimos dinheiro em alguns para ver o que poderíamos produzir.”

A última ideia vencedora foi a Optra Edge, uma câmera que faz uma inspeção visual de produtos no chão de fábrica. A câmera é incorporada com IA e sinaliza qualquer problema de qualidade que encontrar. “Lançamos o produto em nossa própria fábrica e descobrimos que eliminou quase 95% dos erros que estamos vendo e agora estamos produzindo para vendê-lo ao mercado”, diz Gupta.

Atenção aos nichos

Outra ideia foi para um produto de jogo que foi financiado além do estágio de protótipo. “A ideia é que muitas pessoas na indústria de jogos têm centenas de milhares de cartões e não sabem como gerenciá-los e trocá-los”, diz ele. Então, o hardware possui software embutido com funcionalidade de digitalização que visa dar aos jogadores uma boa ideia de quanto vale sua coleção, com a capacidade de negociar e reduzir o atrito, diz Gupta.

O F2F teve dois tipos de impacto: faz com que os funcionários se envolvam mais em fazer parte da empresa e isso ajuda na retenção, diz ele. Também “obviamente nos ajuda a lançar produtos mais interessantes e ajuda a Lexmark a ser vista como uma empresa mais inovadora”. E esse é apenas um dos resultados ao investir em culturas de TI adequadas à cada empresa.

Prevendo os pacientes mais doentes com IA

Além de implementar um programa de telemedicina em três semanas após o início da pandemia, o departamento de TI do Brooklyn Hospital está usando IA para tentar prever quem são os pacientes mais doentes do hospital.

“O que é surpreendente é em 2022… se você perguntar ao diretor do hospital, ‘Quem é o seu paciente mais doente’, obviamente, são as pessoas na UTI’’, diz Amirfar. No entanto, há mais de 200 pacientes em todo o hospital em andares regulares. Portanto, durante o auge da pandemia, era difícil descobrir quem não estava bem, acrescenta. Isso criou o desafio de saber onde enviar médicos e enfermeiros para pacientes que talvez não estivessem tão doentes quanto os da UTI, mas precisavam de cuidados adicionais, diz ele.

Então, entre opções de culturas de TI, o hospital implementou um programa de IA há cerca de um ano para aprender sobre seus pacientes, diz ele. O programa monitora quatro sinais vitais: pressão arterial, pulso, oxímetro de pulso e frequência respiratória em intervalos de tempo regulares, dependendo do paciente.

O programa é treinado para identificar padrões nesses sinais vitais. “Dizemos [ao algoritmo] periodicamente: ‘Essa pessoa na cama 10 se saiu bem ou não e teve que ir para a UTI’, então o programa analisa os padrões das 12 ou 24 horas anteriores”, diz Amirfar .

Uma vez que a IA aprenda o suficiente para fazer boas previsões, “vamos deixá-la solta”, esperançosamente nos próximos meses para analisar informações, procurar padrões e continuar fazendo previsões, diz ele. A TI também analisará onde o algoritmo precisa ser melhorado.

Amirfar espera que seja necessário um ajuste fino. Afinal, se um paciente tirar uma ponta do peito para ir ao banheiro e seu pulso cair para zero, “não é porque ele faleceu”, diz ele.

IA, mas com ressalvas

No entanto, Amirfar não gosta de usar o termo IA, “porque implica que uma máquina está se tornando mais inteligente a cada minuto; e medicina não se trata de processamento de números e reconhecimento de padrões”. É mais importante que uma máquina aprenda o senso comum, como “alguém vai ao banheiro, então pare de gravar”, diz ele.

O hospital criou um “centro nervoso” com servidores, monitores e analistas de dados que monitoram ativamente o sistema de IA para mais de 200 pacientes e garantem que tudo esteja funcionando sem problemas.

Se eles conseguirem criar um modelo de IA eficaz usando os quatro elementos e empacotá-lo, Amirfar prevê compartilhar o software com outras instituições de saúde. Dessa forma, com o tempo, podem aprimorá-lo para monitorar seus leitos, diz ele. Eles também podem criar “um centro nervoso decente por US$ 10.000 a US$ 20.000”, diz ele.

O investimento no programa foi pequeno, diz ele, “e o retorno pode ser enorme. Percebemos que é um pouco como um passe de Ave Maria. Mas vamos aprender alguma coisa.”

Inovando para lidar com as realidades da vida

Cal State Dominguez Hills tem uma população muito diversificada e desafios socioeconômicos, de acordo com Manriquez. “Dadas essas realidades, nosso campus tem… uma atitude inovadora, voltada para o futuro e capaz.”

Enquanto a pandemia forçou a universidade a recorrer à tecnologia para continuar funcionando como a maioria das instituições e organizações acadêmicas, a escola fez mais. Entre culturas de TI possíveis, a área implementou um programa de esports completo com um laboratório de inovação de incubação, onde os alunos podem ir além dos jogos clássicos e aprender elementos de design para criar avatares, por exemplo. Eles também podem aprender desenvolvimento de aplicativos e negócios, diz Manriquez.

“Estávamos usando funcionalidades engajadas digitalmente para resolver os déficits apresentados durante o COVID para que os alunos pudessem continuar seus caminhos educacionais”, diz ele. “Um dos grandes déficits no ensino superior é [os alunos] perderem a conexão com uma instituição.”

E-sports em alta

Jogos/esports são uma tecnologia emergente na Cal State Dominguez Hills, acrescenta. “Em alguns lugares, está se tornando competitivo, como beisebol ou futebol D1, onde as pessoas podem receber bolsas de estudo.” Da mesma forma, agora é uma carreira crescente para jovens adultos.

Para os alunos que não tinham acesso à internet, a universidade também emprestou cerca de 2.000 dispositivos móveis durante o bloqueio e disponibilizou conexões sem fio MiFi para conectividade de alta velocidade, diz Manriquez.

Não obstante, a TI também desenvolveu um aplicativo para iOS para quem tem insegurança alimentar. O aplicativo anuncia diferentes despensas de alimentos no campus, bem como alimentos disponíveis após o término de um evento. Ele também lista diferentes recursos alimentares disponíveis fora do campus.

“Consideramos isso inovador porque estamos tendendo às necessidades”, diz ele.

Não descanse sobre os louros

Se você acha que alcançou uma cultura de inovação, é provável que não tenha, afirma Adner de Dartmouth. 

“Uma cultura de inovação é aquela em que as pessoas estão constantemente se esforçando e apoiando a mudança de maneira produtiva. Ou seja, trata-se de um estado dinâmico – não é um nível que você alcança e agora descansa.”

CIOs e organizações de TI fariam bem em prestar atenção a uma citação do fundador da Amazon, Jeff Bezos, de que sempre será o “Dia Um” na Amazon, diz ele. “O motivo por trás disso foi que se você parar [de agir como uma startup], você não está mais inovando”, diz Adner. “Não é algo que você alcança, é algo que você sustenta.”

Você também pode tentar descobrir e implementar culturas de TI adequadas à realidade do seu negócio. No entanto, para isso, vai precisar liberar seu pessoal de TI para focar nessa questão. Para que sua empresa não sofra com falta de suporte técnico, você tem a opção de contratar uma empresa de TI idônea e experiente para sustentar sua operação no dia-a-dia.

Diferenciais da Infonova

A Infonova tem 20 anos de experiência em tecnologia, infraestrutura de TI, e pessoas. Temos clientes internacionais como HBO, AirBnb, Linkedin, Tempo Assist, Nissin, entre outros. Ou seja, estamos aptos a atender qualquer segmento e tamanho de negócio com maestria.

BACKUP

Todas as posições de profissionais da Infonova têm backup. Temos um ditado interno que é: “quem tem um… não tem nenhum”. Portanto, somos obcecados em ter continuidade nas operações para que nós e os nossos clientes possam focar na parte mais importante: explorar oportunidades e gerar crescimento.

VALOR FINANCEIRO

O valor da Infonova é intencionalmente menor quando comparado com empresas no mesmo nível de maturidade. No entanto, fazemos isso para ter a possibilidade de escolher os nossos clientes e ter uma base de clientes satisfeitos, e por bastante tempo.

LIBERAÇÃO DO RH

O RH é uma das áreas mais importantes de qualquer empresa. Afinal, ele deve estar focado em gerir a cultura, desenvolvimento dos colaboradores e atração de talentos; e não apenas com a reposição de profissionais. Sendo assim, terceirizar a TI oferece a possibilidade de fazer com que o RH esteja mais livre para se tornar um vetor de crescimento para a empresa.

FLEXIBILIDADE – HUB DE TECNOLOGIA

A Infonova não faz só Infra, ela pode fazer de tudo. Na verdade, para alguns clientes que não podem resolver algumas questões diretamente, a Infonova atua como Hub, indo para o mercado, encontrando parceiros e fornecedores e interagindo com eles. Esses serviços incluem áreas diversas, como: 

  • Ar condicionado;
  • Outsourcing de impressão;
  • Links de internet;
  • Compra de materiais e mais.
ALOCAÇÃO DE DESENVOLVEDORES

A Infonova já foi uma fábrica de software no passado. Contudo, em 2012 escolhemos focar em Gestão de TI, Infraestrutura e Segurança. No entanto, como era de se esperar, esse conhecimento e familiaridade permanecem até hoje no time. Portanto, realizamos consultorias de DevOps para alguns clientes, atuamos como mediador entre clientes e desenvolvedores, e também alocamos desenvolvedores para alguns clientes.

RETENÇÃO DE COLABORADORES

Demoramos mais de 10 anos para entender e construir as ferramentas para atrair e manter profissionais de tecnologia no nosso time. Então, seja o profissional alocado no cliente ou não, temos a vivência de como reter, desenvolver e satisfazer tanto os profissionais quanto os clientes. E essa é uma necessidade para o sucesso da empresa.

LIBERAR BRAIN POWER DA ORGANIZAÇÃO PARA APROVEITAR OPORTUNIDADES

Não dá para fazer tudo. Então, faz mais sentido focar no que faz a empresa crescer, mas isso requer um recurso escasso: tempo e atenção. Terceirizar a TI significa retomar esse recurso, contudo, não é de graça. Terceirizar é mais caro do que contratar direto, mas faz sentido se você pode usar a atenção e o tempo para realizar mais valor, inclusive financeiro.

NÃO TEM MULTA DE CONTRATO

A Infonova tirou as multas dos seus contratos há muitos anos. Afinal, entendemos que para o cliente, muitas vezes mudar é uma situação nova. Portanto, escolhemos tirar o risco do cliente e trazer este risco apenas para o nosso lado.

PODE PARAR QUANDO QUISER

Os primeiros 90 dias de contrato com a Infonova não tem multa e nem aviso prévio. Ou seja, basta pedir para parar. Contudo, após os 90 dias, também não temos multa, porém, solicitamos um aviso com 30 dias de antecedência.

CONTINUAMOS AMIGOS

Na Infonova a relação continua mesmo sem contrato. Ou seja, mantemos o relacionamento com os clientes e continuamos ajudando, trocando experiências e apoiando, independente de existir um documento de contrato ou não. Afinal, o nosso interesse é na parceria.

DORMIR TRANQUILO

Stress faz parte do crescimento. Afinal, crescer não é um caminho fácil. No entanto, você pode escolher o tipo de stress que quer ter. Ou seja, pode decidir entre o stress de fazer a empresa “funcionar”, ou o de focar em aproveitar as oportunidades enquanto dorme tranquilo sabendo que o dia a dia está garantido.

 

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA