Por Juliana Gaidargi em 22/10/2018 em Artigo

Hoje em dia, a alocação de profissionais de TI se tornou comum em empresas de pequeno, médio e grande porte. Essa prática também é conhecida como terceirização de serviços. Isso acontece porque, dessa forma, o contratante não precisa se preocupar com despesas referentes à seleção e contratação. Isso além de gastos relacionados a treinamentos, rescisão e impostos entre outros.

Em geral, a terceirização é mais indicada para realizar atividades que não sejam o core business da empresa. Ou seja, para áreas como limpeza, alimentação, manutenção de equipamentos, etc. A terceirização pode, entretanto, envolver áreas sensíveis ou mesmo críticas para a operação da empresa. É o caso da área de finanças, contas a pagar, contas a receber, planejamento estratégico e tecnologia da informação. Isso acontece até mesmo pelo fato destas áreas terem se tornado indispensáveis para qualquer empresa que queira otimizar seu desempenho, aumentar a qualidade dos serviços prestados e ainda reduzir custos.

Alocação de profissionais de TI

Até pouco tempo atrás, a Tecnologia da Informação era considerada apenas mais uma área de suporte à empresa. Ou seja, sem tanta relevância no que diz respeito aos ganhos financeiros. No entanto, se antes ela era usada somente para automatizar tarefas e mitigar o trabalho humano, gradualmente a tecnologia da informação começou a melhorar todo o processo organizacional. Isso se deu através da otimização das atividades e eliminação de barreiras de comunicação, entre outros aspectos pertinentes ao negócio.

Nesse novo cenário, começou-se a enxergar o real papel da TI nas organizações. Sejam elas de grande, médio ou pequeno porte, ela é um importante fator no incremento de lucros e na redução de custos operacionais. Ou seja, se a equipe de TI da sua empresa, terceirizada ou não, estiver funcionando bem, as chances de aumentar a lucratividade do seu negócio aumentam exponencialmente.

Para que serve?

Através da alocação de profissionais de TI, as empresas ganham tempo para se concentrarem em competências essenciais. Isso, além de acesso à tecnologia de ponta, maior flexibilidade e economia de custos. Por isso, a terceirização em TI é uma das principais apostas adotadas por quem pretende reduzir o gasto com a gestão de TI e aumentar a capacidade operacional de toda a empresa. A infraestrutura de TI é um dos aspectos mais importantes da cadeia operacional. Portanto, seu bom funcionamento infere diretamente na capacidade da empresa:

  • Atender adequadamente aos seus clientes;
  • Criar serviços ainda mais inovadores;
  • Conquistar um nível de eficiência mais alto.

Ou seja, é importante que o gestor de TI saiba otimizar todos os seus recursos. Assim, ele poderá buscar formas mais econômicas de manter equipamentos de alta performance acessíveis no ambiente corporativo.

Ao terceirizar o investimento em novos equipamentos por meio do Outsourcing, a empresa também consegue:

  • Flexibilizar as suas rotinas diárias;
  • Ampliar a sua capacidade de resposta às demandas do mercado;
  • Tornar os seus serviços mais escaláveis;
  • Obter ganhos financeiros diretos;
  • Contar com tecnologia de ponta e atualização tecnológica.

 

Alocação de profissionais de TI e o mercado

Hoje em dia, empresas que escolhem manter uma equipe de TI dedicada encontra uma série de problemas. Entre elas, destaca-se a dificuldade em atrair e manter profissionais capacitados. O motivo disso é o fato de haver uma grande demanda de profissionais de TI no mercado. Além disso, a maior parte dos indivíduos qualificados têm dado preferência por abrir sua própria empresa. Ou seja, os bons profissionais optam pelo empreendedorismo ao invés de ceder seus talentos à outras empresas.

Dessa forma, a indisponibilidade de profissionais qualificados no setor de TI se tornou um problema crônico. Inclusive, um levantamento realizado em 2015 pelo The Network Skills in Latin America apontou que o Brasil sofreu um déficit de 195 mil profissionais. Contudo, estima-se que esse número caia para 161 mil até o final de 2019.

Uma boa notícia é que a área de TI tem contribuído para a queda da taxa de desemprego do país. Espera-se que, até 2022, sejam criadas 195 mil novas vagas no Brasil. Enquanto isso, a previsão em âmbito mundial é de que sejam gerados 3,3 milhões de empregos em TI nesse mesmo período. Esses dados constam na pesquisa da IDC que foi encomendada pela Salesforce.

Já segundo previsões do Gartner, 2020 será um ano importantíssimo na dinâmica de emprego. Isso porque, a criação de empregos relacionados à Inteligência Artificial deverá passar por uma transformação. Essas mudanças devem acarretar na geração de 2 milhões de novos postos de trabalho até 2025.

No entanto, esse cenário promissor não condiz com a realidade da TI brasileira. Ou seja, ao mesmo tempo em que o número de vagas aumenta,  o de profissionais qualificados na área diminui. Não obstante, as empresas que conseguem contratá-los têm grande dificuldade para retê-los.

 

Benefícios da alocação de profissionais de TI

Uma forma que as empresas encontraram para solucionar esse problema foi a alocação de profissionais de TI. Por meio do outsourcing, as organizações podem focar em seu core business e deixar que provedoras especializadas realizem as buscas, capacitações e retenções necessárias à manutenção de uma boa equipe de TI.

Confira alguns dos benefícios da alocação de profissionais de TI para as empresas:

Agilidade e assertividade na contratação

Uma empresa especializada em TI está muito mais capacitada a identificar reais talentos da área. Ou seja, os processos de contratação são mais rápidos e assertivos. Além disso, por trás do profissional a ser alocado, existe toda uma estrutura de gerenciamento de TI, garantindo a qualidade dos serviços prestados.

Mitigação dos riscos trabalhistas

Após as mudanças mais recentes nas leis trabalhistas, a alocação de profissionais de TI virou uma ótima opção para as empresas. Isso porque as novas leis asseguram uma maior  vantagem jurídica em casos de processos. Além disso, na terceirização de TI, todos os riscos, jurídicos e trabalhistas, são de responsabilidade da provedora e não da contratante.  Ou seja, a alocação de profissionais de TI reduz, inclusive, o risco de imagem para uma corporação. Afinal, o nome da contratante não será relacionado à processos trabalhistas.

Melhor imagem contábil

Geralmente, grandes empresas buscam demonstrar boa saúde financeira à investidores em potencial. A alocação de profissionais de TI auxilia esse processo, afinal, esse investimento não entra no custo fixo.  Ou seja, ao contar com bons indicadores financeiros, o nível de confiança na empresa aumenta. Essa prática é, inclusive, recomendada para organizações em busca de investidores.

Flexibilidade na troca de profissionais

Um problema que pode acontecer em qualquer área é a contratação de um profissional que é melhor na teoria do que na prática. Afinal, a maioria dos indivíduos é contratada com base em seu currículo. No entanto, muitos profissionais acabam não permanecendo na empresa devido a problemas de adaptação. Com a alocação de profissionais de TI, a empresa terceirizada poderá trocar o trabalhador que não se adequar ao perfil da contratante sem que hajam problemas financeiros ou jurídicos. Além disso, a troca tende a ser muito rápida, afinal, a provedora já conta com um time de profissionais qualificados à sua disposição.

Foco no core business

Ao contar com profissionais qualificados, a contratante pode focar no desenvolvimento de seu negócios com tranquilidade. Afinal, a empresa terceirizada cuidará de todos os aspectos da TI por meio de seus profissionais alocados.

Menos custos

Devido à sua expertise, uma provedora de TI está mais propensa a proporcionar serviços mais eficientes. Ou seja, a contratante terá acesso a serviços de alta qualidade com agilidade e implementação de novas tecnologias. Tudo isso sem que haja um aumento não planejado nos custos de contratação da equipe.

Profissionais multidisciplinares

Por meio do outsourcing, a empresa passa a ter à sua disposição profissionais especializados para atender a cada caso. Ou seja, a contratante tem acesso a uma gama de profissionais com conhecimentos em diferentes ferramentas.

Onde estão os profissionais de TI?

Assim como qualquer departamento de uma empresa, a TI tem segmentações internas. E visto que existe uma dificuldade em se adquirir e reter profissionais de TI plenamente qualificados, é importante salientar que algumas dessas segmentações encontram mais dificuldades que outras.

Especialistas apontam que existe uma lacuna de habilidades desejáveis ​​e experiências em áreas emergentes. É o caso da computação cognitiva, análise de dados, IoT, Machine Learning e Blockchain.

Computação cognitiva

Consiste na utilização da inteligência computacional no auxílio à tomada de decisão. /ou seja, ela inclui capacidades não-supervisionadas de aprendizado e interação em real time.

Machine Learning

Também é conhecido como aprendizado automático ou aprendizagem automática. Trata-se de um subcampo da ciência da computação que evoluiu do estudo de reconhecimento de padrões, além da teoria do aprendizado computacional em inteligência artificial.

IoT (Internet das Coisas)

Trata-se de uma rede formada por objetos físicos conectados entre si. Por exemplo, veículos, prédios e outros itens que possuam sensores e conexão com a rede se tornam capazes de coletar e transmitir dados. A IoT surgiu em decorrência dos avanços de várias áreas, como sistemas embarcados e microeletrônica.

Blockchain

Consiste em uma tecnologia de registro distribuído que busca a descentralização como medida de segurança. Ou seja, bases de registros e dados são distribuídos e compartilhados de forma a criar um índice global para todas as transações realizadas em um determinado mercado.

Profissionais focados na solução de problemas

Embora difícil, encontrar candidatos adequados menos problemático do que encontrar aqueles com as habilidades necessárias para resolver problemas. Ou seja, as habilidades em prol  da segurança cibernética estão em alta demanda. Porém, a procura por testadores de penetração de alto valor também aumentou consideravelmente.

Vários testadores são capazes de executar ferramentas, encontrar e explorar problemas. Entretanto,  eles precisam ser capazes de traduzir seus achados de forma clara para garantir que seus relatórios conduzam a ações eficazes.Ou seja, além do conhecimento técnico, o profissional de TI precisa ser capaz de se comunicar.

Hoje em dia, recrutadores de grandes empresas também têm encontrado dificuldades em encontrar gerentes de TI. Isso porque, para ocupar essa posição, é necessário que o profissional precisa ser capaz de falar com funcionários que não sejam técnicos.

O mesmo ocorre com auditores de segurança. Afinal, se eles não dispuserem das habilidades necessárias para entrevistar os desenvolvedores, avaliar conjuntos de controle e documentar suas descobertas com coerência, seus conhecimentos sobre a tecnologia se torna descartável.

Profissionais que atuam como engenheiros reversos de malware, ou especialistas em Big Data especializados em segurança ou criptologistas também estão entre os mais procurados. O mesmo ocorre com especialistas em GDPR e privacidade de dados em geral. Isso acontece porque a maioria das empresas precisa de uma infraestrutura focada em proteger as informações de funcionários e clientes. Ou seja, contar com apenas um profissional dessa área não resolve o problema. E como a demanda por esse perfil é enorme, os salários estão aumentando exponencialmente, dando aos candidatos um grande poder de negociação.

 

A alocação de profissionais de TI como solução

Mas não é só de cargos específicos que o mercado de TI atual está carente. A necessidade de profissionais com experiência em  DevOps já é antiga. No entanto, as empresas continuam com dificuldade para encontrá-los.

DevOps

Essa é a terminologia que descreve um conjunto de práticas de TI. Ela inclui a integração entre equipes de desenvolvimento de softwares, operações, como infraestrutura e sysadmin, e de áreas de apoio, como controle de qualidade. Isso, além de processos automatizados para produção ágil e segura de serviços e aplicações.

Por conta de tudo isso, muitos profissionais preferem manter suas opções em aberto trabalhando por projeto. Isso tem acontecido em áreas importantes, como funções avançadas de mobilidade e análise, ciência de dados, arquitetura de segurança.

Dessa forma, houve um aumento no número de profissionais freelancers, que optam por trabalhar como autônomos, seja por hora ou através de consultorias. Com isso em mente, nota-se que a alocação de profissionais de TI é uma tendência que deve ser explorada por empresas que buscam se desenvolver. Afinal, por meio desse modelo de contratação, gestores se vêem livres para focar em outros aspectos do negócio, além do operacional.

 

Pontos de atenção

Os críticos da alocação de profissionais de TI argumentam que nenhum fornecedor externo pode igualar a capacidade de resposta e os níveis de serviço oferecidos por uma função interna. No entanto, isso não é verdade. Afinal, o fornecedor externo estará sujeito à mesma direção e controle de gerenciamento que os demais funcionários. Além disso, existem formas de garantir que fornecedores externos assegurem a confidencialidade de dados, suportem aplicações estratégicas e tomem  precauções para recuperação de desastres.

A terceirização, às vezes, resulta em demissões ou na transferência de funcionários existentes para o fornecedor de TI. Porém, isso pode ser otimizado cuidando para que o processo de Rebadging dos colaboradores seja transparente e vantajoso para os mesmos. Dessa forma, todas as partes envolvidas têm benefícios com a terceirização de TI. Outro ponto é que, com a terceirização, o fornecedor passa a cumprir o nível de serviços de TI especificado no contrato usando a plataforma tecnológica que julgar apropriada ou que foi negociada com o cliente. Por si só isso já melhora o controle e a execução dos serviços pelos profissionais destacados pelo contratante.

Com isso, pode-se concluir que a alocação de profissionais de TI possui diversas formas de implementação e muitas dimensões que precisam ser avaliadas quanto aos riscos e benefícios. Ao manter uma equipe dedicada de TI ao invés de optar pela terceirização, empresas que dependem dessa área para realizar negócios podem perceber um aumento significativo nos custos de desenvolvimento e manutenção do departamento.

É fácil entender, portanto, porque as empresas consideram uma boa alternativa a transferência de ativos, aluguéis e equipes de TI para fornecedores terceirizados que prometem economia sem perder terreno para a concorrência.