Por Juliana Gaidargi em 26/04/2019 em Artigo

Antes de decidir se o outsourcing ou body shopping de TI é melhor para uma empresa, é preciso entendê-los.

O que é body shopping, afinal?

Body shopping consiste na prática de empresas de consultoria que recrutam trabalhadores de TI por curto prazo. A prática é considerada uma consultoria legítima pelas empresas que a praticam e pelas pessoas empregadas. Contudo, o body shopping é menosprezado pelas empresas de serviços de TI que afirmam que fornecem serviços reais. Entre eles, o desenvolvimento de software.

E o outsourcing de TI, o que é?

Consiste na prática de uma organização contratar uma empresa diferente para complementar seus serviços a um custo menor. Por exemplo, uma empresa pode terceirizar sua contabilidade para outra empresa. Esta, então, prepara e fornece declarações apropriadas para a empresa contratante. Da mesma forma, um fabricante de automóveis pode comprar peças de automóveis de outra empresa e usá-las para fabricar seus próprios carros.

As empresas terceirizam para reduzir seus custos e, assim, reduzir os preços que cobram por seus bens e serviços. Contudo, a prática é um tanto controversa. Especialmente porque algumas empresas no mundo desenvolvido terceirizam empresas em outras nações, muitas vezes em desenvolvimento. Os críticos afirmam que isso gera empregos fora do país de origem. Já os defensores argumentam que isso beneficia os consumidores.

A diferença entre consultoria e body shopping de TI

Confira a seguir perguntas e respostas pertinentes a essa questão e aprend a diferenciar uma consultoria de um body shop.

A empresa possui áreas de prática genuínas baseadas em propriedade intelectual compartilhada?

Uma consultoria deve ter mecanismos para capturar, compartilhar e reutilizar a propriedade intelectual em áreas especializadas. Esses mecanismos podem ser incorporados em pessoas (líderes de prática), processos (práticas definidas para compartilhamento de conhecimento) e ferramentas (software colaborativo, garantia reutilizável, etc.).

Existe uma infraestrutura para fazer backup de seus trabalhadores do conhecimento?

Como uma firma de consultoria, seu principal ativo é o conhecimento de seu pessoal, de modo que é possível compartilhar esse ativo? A empresa limita o tempo faturável de seus consultores para fins estratégicos? Uma loja de artigos esportivos cobra o máximo de tempo possível de seus consultores, o tempo todo. Em contraste, uma consultoria investe tempo continuamente na melhoria de seu conhecimento e desempenho coletivo.

Os principais indicadores aqui são o treinamento e ter o% de pessoas “no banco”. Ou seja, se as pessoas são alocadas em tempo integral para um cliente, como eles podem adquirir seus conhecimentos? Pode-se dizer que isso acontece porque eles são treinados no trabalho. Mas esses nem sempre são os motivos em que se pode ganhar muita experiência em campos novos ou especializados.

A empresa avalia o sucesso em termos de lucratividade por engajamento?

Esta questão está intimamente relacionada com os dois últimos. Afinal, se a meta de uma empresa é simplesmente cobrar o máximo possível, e sua preferência é faturar por tempo e materiais, ela não terá interesse na lucratividade de contratos individuais e simplesmente “executará o relógio” o máximo que puder. Por outro lado, se uma empresa usa seu conhecimento para fornecer compromissos de preço fixo de alto valor, ela tentará realizar compromissos da maneira mais rápida e eficiente possível, a fim de maximizar sua lucratividade.

Portanto, o lucro obtido no projeto com um preço fixo é baseado no seu conhecimento. Ou seja, quanto mais você souber, mais eficientemente poderá fornecer a solução. Afinal, onde está sua motivação quando você cobra por hora?

A empresa utiliza novas habilidades para construir relacionamentos de alto nível?

Com o tempo, uma empresa desenvolve o engajamento de habilidades por engajamento. Ele vem para oferecer a habilidade A e pega a habilidade B no processo. Se a empresa simplesmente adiciona essas novas habilidades à sua lista de “coisas que fazemos”, está se comportando como body shop. Se a empresa analisa, consolida e alavanca essas habilidades em relacionamentos com clientes de alto nível, está se comportando como uma consultoria.

Body shopping: uma abordagem flexível para a equipe de TI

Thomas Coles, diretor administrativo da MSM Software explica por que ele acha que a escassez de pessoal e a falta de pessoal técnico capacitado está levando a indústria de TI a uma nova abordagem flexível para o pessoal.

Uma pesquisa realizada por Harvey Nash com mais de 2.000 líderes de TI revelou algo interessante. 42% dos CIOs acham que a escassez de habilidades tecnológicas impedirá que sua organização acompanhe o ritmo das mudanças. Já 73% se preocupam com o potencial de inovação do departamento de TI.

A mesma pesquisa também observou que 61% dos CIOs afirmam que a TI é fundamental para o sucesso futuro dos negócios. Portanto, os resultados mostram uma clara desconexão entre o desejo de impulsionar a inovação organizacional por meio da tecnologia e a capacidade do departamento de TI de fornecê-la.

Por que isso acontece?

As empresas valorizam muito a importância da TI para o sucesso de longo prazo da organização. Especialmente para garantir que o negócio seja excelente no ambiente complexo e em rápida evolução pós-recessão.

No entanto, muitas não conseguem fornecer as habilidades internas críticas necessárias para apoiar a TI na resposta às mudanças organizacionais. Incluindo o fornecimento de estratégias de crescimento. Isso tem o potencial de ameaçar a posição de longo prazo das empresas do Reino Unido no cenário internacional.

Segundo Cole, as empresas devem considerar cuidadosamente suas necessidades de TI e quais recursos são necessários para permanecerem competitivas. Caso contrário, elas ficarão para trás.

As lacunas de pessoal de TI e seu impacto nos negócios

Embora seja imperativo que as organizações ajam rapidamente para superar problemas de recursos, nem sempre essa é uma tarefa simples. Afinal, a especialização técnica pode ser difícil de obter e as empresas enfrentam desafios. Não apenas para encontrar esse conhecimento, mas também para reter profissionais qualificados, experientes e bem treinados que possam efetivamente entregar as operações de TI.

Além disso, muitas organizações lutam com os altos custos de treinamento e outras despesas gerais de recrutamento de profissionais de TI especializados. Essas questões são centrais para o motivo pelo qual tantas empresas se encontram sofrendo de uma escassez de habilidades tecnológicas. Consequentemente, muitos não têm a base sólida da excelência operacional para obter sucesso na entrega de mudanças nos negócios e inovação tecnológica. Isso acaba levando os departamentos de TI a enfrentarem problemas de recursos quase constantes. Muitas veze, inclusive, colocando pressão doentia nas equipes existentes para entregar as operações do dia-a-dia.

Problemas na TI

Embora essas pressões de pessoal possam colocar um fardo diário no departamento de TI, há muitos problemas de recursos adicionais nos bastidores. E estes podem causar uma crise para a TI com grande repercussão na organização como um todo. Tais fatores incluem doenças ou feriados que potencializam a escassez de pessoal.

Para manter o ritmo com a constante mudança da tecnologia, o departamento de TI também sofre com outros aspectos. Afinal, pode se encontrar às vezes sem o conhecimento ou as habilidades especializadas necessárias para implementar e manter novas tecnologias de forma eficaz. Os projetos de TI, especialmente aqueles executados durante a atividade de pico, também podem criar a necessidade de recursos adicionais.

Esses problemas podem ser demorados para resolver e potencialmente deixar a organização vulnerável. Portanto, uma nova abordagem para a obtenção de recursos é necessária para permitir que as organizações resolvam problemas e permaneçam à frente da rápida taxa de mudança tecnológica.

Body shopping contra a escassez de habilidades de TI

Quanto melhor uma empresa puder entregar as operações diárias de TI, mais sucesso terá em reagir à mudança. Isso inclui apoiar estratégias mais amplas de crescimento dos negócios. Portanto, contar com um aumento na flexibilidade de recursos é interessante. Em particular o ‘body shopping.

Afinal, dentro da dinâmica em constante mudança do mundo dos negócios, o body shopping oferece uma nova abordagem estratégica. Ele pode permitir que as organizações atendam aos requisitos de pessoal, mas também reduzam os custos ao mínimo.

Body shopping é a prática de subcontratação. Ou seja, uma empresa empresta a perícia técnica do empregado de uma organização. Ele permite que as empresas tenham acesso a indivíduos qualificados ou a uma equipe de profissionais para trabalhar remotamente ou nas instalações do negócio em conjunto com a equipe existente. O body shopping pode ajudar uma organização a lidar com as pressões da falta de pessoal a curto ou longo prazo. Inclusive, pode solucionar lacunas críticas de competências tecnológicas dentro da empresa.

Qual é a diferença?

Contudo, esse tipo de recurso flexível difere do outsourcing. Embora este também apresente uma das principais formas de introduzir mudanças na cultura de negócios por meio de inovações externas. O outsourcing de TI é geralmente definida por firmas externas sendo contratadas para fornecer gerenciamento e entrega contínuos de um conjunto definido de serviços para um nível prescrito de desempenho.

Já o body shopping oferece às empresas a opção de adquirir habilidades especializadas para atender à escassez de pessoal, projetos de TI de emergência e ficar à frente de seus concorrentes.

Essa prática também apresenta consideráveis ​​benefícios de RH. Afinal, contratar profissionais adicionais temporariamente é um processo doloroso. Pode levar muito tempo para encontrar e treinar o profissional certo, e as responsabilidades, os custos de treinamento e outras despesas gerais de recrutamento de novos funcionários são muito altos.

Portanto, essa solução de recursos proativa oferece às organizações a opção de acessar um conjunto de talentos mais amplo e utilizar indivíduos adaptados às suas necessidades, como e quando necessário. Também permite o emprego de soluções especializadas de recursos, que no setor de TI muitas vezes podem ser difíceis de encontrar.

Vantagem do body shopping

A maior vantagem do body shopping é que uma empresa não precisa se preocupar com custos de recrutamento ou responsabilidades de funcionários. E isso pode gerar benefícios de custo significativos para uma organização.

Uma das principais razões pelas quais essa vem se tornando uma estratégia de recrutamento cada vez mais popular consiste nos benefícios que ela oferece em termos de produção. Isso ao mesmo tempo em que permite que as empresas mantenham o controle e se concentrem em seus negócios principais.

Hoje, as organizações estão buscando melhores formas de recrutamento e recursos para atender às suas necessidades em constante mudança. Portanto, elas querem uma solução inovadora de recursos para atender aos altos e baixos da demanda. Recursos flexíveis de TI abrem novas oportunidades para apoiar a evolução de um negócio.

Dessa forma, enquanto uma empresa tiver confiança nos padrões de qualidade e nos recursos do negócio fornecidos pelo body shopping, esta será uma solução econômica para qualquer problema de recursos técnicos. Podendo ainda a se tornar uma ferramenta vital para evitar impactos negativos na produtividade e nas operações.

O futuro do recrutamento de pessoal de TI

Existe um horizonte de TI empolgante por aí, mas a capacidade de entregá-lo depende do comprometimento da empresa com um futuro liderado pela inovação. Afinal, conforme a concorrência aumenta diariamente, as organizações não podem se dar ao luxo de ser sobrecarregadas com escassez de habilidades tecnológicas que as impedem de acompanhar o ritmo da mudança.

Portanto, a delegação de tarefas técnicas de TI ao body shopping pode agregar valor aos negócios. Além de ajudar a realizar o potencial da inovação tecnológica e permitir que a TI funcione como deveria. Ou seja, em um papel central dentro da organização, impulsionando seu futuro competitivo.

Outsourcing, não ‘body shopping’, viabiliza negócios

O outsourcing se tornou comum. Tornou-se parte integrante de muitos negócios de sucesso, com pesquisas e relatórios de analistas apontando regularmente para soluções terceirizadas como responsáveis ​​pelo crescimento e lucratividade. Isso, diz Jaroslav Cerny, CEO da RDB Consulting, é principalmente o resultado da economia de custos e da eficiência resultante que as soluções terceirizadas fornecem.

No entanto, há uma grande diferença entre uma “oficina física” que fornece aos técnicos um negócio em um momento difícil e um parceiro de TI de longo prazo.

“O corte de custos é importante para as empresas no atual clima econômico difícil, então a questão de terceirizar ou não os serviços permanece particularmente relevante. No entanto, essa decisão precisa avaliar o equilíbrio entre ganhos de curto prazo e eficiências de longo prazo”, diz. Cerny

Isso é especialmente verdadeiro no campo da administração de bancos de dados. Afinal, nele as habilidades especializadas são o argumento a favor e contra uma abordagem terceirizada. “A questão que você tem que perguntar é o que mais você obteria de um serviço terceirizado que você não obteria necessariamente de um recurso em tempo integral. Afinal, existem várias fontes de valor agregado que os prestadores de serviços fornecem que os recursos internos geralmente não têm tempo ou capacidade para oferecer “, destaca Cerny.

Ele acrescenta que, embora a terceirização de curto prazo permita que as empresas tragam um especialista por um período definido de tempo para realizar uma tarefa ou projeto específico, essa abordagem não atende às necessidades de longo prazo. A flexibilidade é, portanto, fundamental. E o “body shopping” é, em última análise, improdutivo para qualquer empresa que esteja procurando usar sua tecnologia para possibilitar o crescimento dos negócios.

“Está se tornando mais difícil do que nunca separar tecnologia e estratégia de negócios. Onde um serviço fica deve ser uma decisão estratégica projetada para apoiar o negócio, não uma reação a uma necessidade”, diz Cerny.

A solução terceirizada certa é diferente para cada empresa, acrescenta ele, e fornece acesso a habilidades especializadas de alto nível que não necessariamente teriam acesso interno. Algumas empresas têm funcionários internos para lidar com as atividades diárias, mas podem precisar de ajuda externa para realizar novos projetos que não garantem outro funcionário em tempo integral ou para fins de failover, enquanto outros podem precisar de uma solução completa de serviços terceirizados. Portanto, é preciso haver uma abordagem planejada para garantir um modelo personalizado que atenda às necessidades de uma empresa.

“Assinar o contrato é apenas o começo, mas muitas vezes o cliente e o provedor o vêem como ponto final, não como ponto inicial. Como você gerencia todo o processo – desde a assinatura do contrato até o gerenciamento dos contratos de nível de serviço (SLAs) ) – faz a diferença entre terceirizar sucesso e fracasso. Algumas empresas vão com o menor lance sem entender o efeito que terá sobre o negócio “, diz Cerny. “É tão importante ter acesso a um conjunto de recursos qualificados, dedicados e experientes. Tal como é manter as relações certas com o negócio e o modelo certo.”

Qual é a melhor escolha, afinal?

Dessa forma, a comunicação freqüente e clara entre o fornecedor e o cliente ajuda a manter o ímpeto e a consistência de qualquer projeto. Mas é a maneira como as habilidades e os conhecimentos especializados são entregues que garantem um serviço superior.

Essa é a principal razão pela qual as empresas tercerizam. Seja para ter um recurso disponível em uma empresa para garantir tempo de atividade ou o fornecimento de uma solução de serviço completo. Portanto, deve-se fornecer habilidades, não corpos.

Ou seja, contar com uma consultoria especializada em TI supera em benefícios a contratação de indivíduos para tapar buracos. Isso é válido também no caso de alocação de profissionais. Afinal, ter a estrutura de uma consultoria assegura que a empresa terá o profissional certo para cada trabalho.