Por Marcos Bernardino em 18/09/2018 em Artigo

O termo infraestrutura de TI é definido no ITIL v3 como um conjunto combinado de hardware, software, redes, instalações, além de todo o equipamento relacionado à tecnologia da informação, usado para desenvolver, testar, fornecer, monitorar, controlar ou suportar serviços de TI. Porém, pessoas associadas, processos e documentação não fazem parte da infraestrutura de TI.

A infraestrutura de tecnologia da informação é composta de recursos físicos e virtuais que suportam o fluxo, armazenamento, processamento e análise de dados.

Data Centers

A infraestrutura pode ser centralizada em um data center ou pode ser descentralizada e distribuída por vários data centers. Estes data centers podem ser controlados pela organização ou por terceiros, como uma instalação de colocation ou um provedor de nuvem.

A infraestrutura do data center geralmente inclui os elementos de energia, resfriamento e construção necessários para suportar o hardware do data center. A infraestrutura de hardware do data center geralmente envolve servidores, subsistemas de armazenamento, dispositivos de rede, como switches, roteadores e cabeamento físico. Além disso, há dispositivos de rede dedicados, como firewalls de rede.

Um data center também requer uma análise cuidadosa da segurança da infraestrutura de TI. Isso pode incluir a segurança física do prédio. Inclui-se nisso a entrada de chave eletrônica, vigilância constante de vídeo e humana, controle cuidadosamente controlado do servidor e dos espaços de armazenamento e outros procedimentos. Isso garante que apenas pessoal autorizado possa acessar a infraestrutura de hardware do data center. A segurança física reduz o potencial de danos maliciosos ou roubo de dados.

Fora do data center está uma infraestrutura de internet, que inclui meios de transmissão, como cabos de fibra ótica, satélites, antenas de linha de microondas, roteadores, agregadores, repetidores, balanceadores de carga e outros componentes de rede que controlam os caminhos de transmissão. As infraestruturas da Internet são projetadas, construídas e operadas por provedores de serviços de Internet (ISPs). Quando uma empresa contrata um ISP para acesso à Internet, o ISP normalmente vincula-se à infraestrutura do data center dentro de um espaço de construção dedicado e seguro.

Computação em nuvem

O papel da computação em nuvem está mudando a forma como as infraestruturas são projetadas e implementadas. Assim, os data centers tradicionais, de propriedade de empresas, são recursos privados e de uso intensivo de capital.

IaaS

A computação em nuvem permite que as organizações acessem a infraestrutura e os serviços de data center de um provedor de nuvem por uma taxa. Esse modelo de infraestrutura como serviço (IaaS) permite computação flexível sob demanda.

Os usuários podem invocar a computação, o armazenamento e os serviços de um provedor de nuvem sem a necessidade de implantar esses recursos localmente. Também pode ajustar o uso da infraestrutura de nuvem à medida que as necessidades de carga de trabalho mudam.

SaaS

O modelo Software as a Service (SaaS) oferece benefícios semelhantes para cargas de trabalho específicas. Um provedor terceirizado hospeda hardware, software, servidores, armazenamento e outros componentes de infraestrutura e permite que os usuários acessem as cargas de trabalho hospedadas do provedor. Dessa maneira, em vez de implantar e manter essas cargas de trabalho localmente. Por exemplo, os usuários podem empregar cargas de trabalho SaaS para bancos de dados, aplicativos de RH, aplicativos analíticos, suítes de produtividade de escritório e muitos outros.

Modelo de Data Center Tradicional

Para criar uma infraestrutura de data center tradicional, as organizações geralmente seguem um processo formalizado que começa analisando e acessando as metas de negócios, tomando decisões de arquitetura e design, construindo e implementando o design e otimizando e mantendo a infraestrutura. O processo geralmente envolve conhecimento detalhado. Estão incluídos projeto de construção de data center, seleção de subsistemas e componentes e técnicas de construção de qualidade.

No entanto, as formas como as infraestruturas de TI são criadas está mudando continuamente. O desenvolvimento tradicional de infraestrutura heterogênea é um processo altamente manual. Isso requer enormes esforços de integração, otimização e gerenciamento de sistemas. Especialmente para integrar servidores, armazenamento, rede e outros componentes de diversos fornecedores.

Atualmente, alguns fornecedores fornecem coleções pré-integradas e pré-otimizadas de equipamentos de computação, armazenamento e rede. Dessa forma, é possível otimizar o hardware de TI e a plataforma de virtualização em um único sistema que pode ser implantado, expandido e gerenciado facilmente.

Essa abordagem modular é chamada de infraestrutura convergente (CI). Essa noção avançou em sistemas de fornecedor único que oferecem uma integração e gerenciamento ainda maiores em computação, armazenamento, rede e virtualização. Essa abordagem avançada é chamada de infraestrutura hiperconvergente (IHC).

Gestão de infraestrutura

Independentemente de como ela é criada, uma infraestrutura de TI deve fornecer uma plataforma adequada para todos os aplicativos e funções de TI. Tudo o que é necessários para uma organização ou indivíduo. Isso significa que o design e a implementação de qualquer infraestrutura de TI também devem oferecer suporte ao gerenciamento de infraestrutura eficiente.

Ferramentas de Software

As ferramentas de software devem permitir que os administradores de TI visualizem a infraestrutura como uma entidade única. Além disso, devem permitir acessar e configurar detalhes operacionais granulares de qualquer dispositivo na infraestrutura. Isso resulta em um gerenciamento de infraestrutura mais eficaz e eficiente.

As ferramentas de gerenciamento também estão fazendo uso extensivo de automação e orquestração para melhorar a eficiência. Também para reduzir os erros e cumprir as melhores práticas estabelecidas ou os objetivos de negócios.

Categorias

O gerenciamento de infraestrutura é geralmente dividido em várias categorias. Por exemplo, um sistema de gerenciamento predial (BMS) fornece as ferramentas que relatam os parâmetros das instalações do data center. O que inclui uso e eficiência de energia, operação de temperatura e resfriamento e atividades de segurança física.

Gerenciamento de Sistemas

O gerenciamento de sistemas inclui a ampla variedade de conjuntos de ferramentas que uma equipe de TI usa para configurar e gerenciar servidores, armazenamento e dispositivos de rede. Cada vez mais, as ferramentas de gerenciamento de sistemas estão se expandindo para suportar centros de dados remotos, juntamente com recursos de nuvem pública e privada.

Data Centers

Conforme as necessidades de negócios e as tecnologias disponíveis avançam, as organizações podem usar uma variedade mais diversificada de tipos de infraestrutura de data center para atender às metas de negócios. Embora esses tipos de infraestrutura não sejam necessariamente mutuamente exclusivos, eles raramente são discutidos juntos.

Infraestrutura Imutável

Uma infraestrutura imutável é uma abordagem para gerenciar serviços e implantações de software em recursos de TI em que os componentes são substituídos, em vez de alterados. Um aplicativo ou serviço é efetivamente reimplantado toda vez que ocorrer alguma alteração.

Por exemplo, um patch ou hotfix pode atualizar um aplicativo convencional, mas uma infraestrutura imutável não suporta isso. Em vez disso, a TI implanta o aplicativo mais novo, redireciona o tráfego para ele e retira o aplicativo antigo.

Infraestrutura Composta

Uma infraestrutura composta é uma estrutura que trata os recursos físicos de computação, armazenamento e malha de rede como serviços. Os recursos são agrupados logicamente. Portanto, os administradores não precisam configurar fisicamente o hardware para suportar um aplicativo de software específico.

Infraestrutura Dinâmica

Uma infraestrutura dinâmica é uma estrutura que pode provisionar e se ajustar automaticamente à medida que as demandas de carga de trabalho mudam. Isso minimiza o tempo e o esforço necessários para gerenciar a infraestrutura. Além disso, reduz enormemente os erros, garantindo que os recursos sejam usados ​​da forma mais eficiente possível. Os administradores de TI também podem optar por gerenciar esses recursos manualmente.

Infraestrutura Crítica

Uma infraestrutura crítica é uma estrutura para a qual os ativos são tão essenciais que sua operação contínua é necessária para garantir a segurança de uma determinada nação, sua economia e a saúde e a segurança do público. Os conceitos que envolvem alta disponibilidade (HA) e resiliência são essenciais aqui. Geralmente inclui data centers remotos e recursos de nuvem para oferecer suporte à redundância de carga de trabalho.

Infraestrutura de Contact Center

Uma infraestrutura de contact center é uma estrutura composta pelos recursos físicos e virtuais que uma instalação de call center precisa para operar de forma eficaz. Além disso, os componentes de infraestrutura incluem distribuidores automáticos de chamadas, unidades de resposta de voz integradas, integração de telefonia por computador e gerenciamento de filas.

Infraestrutura em nuvem

Uma infraestrutura de nuvem inclui uma camada de abstração que virtualiza recursos e apresenta-os logicamente a usuários pela Internet por meio de interfaces de aplicativos e interfaces gráficas ou de linha de comando habilitadas por API. Recursos adicionais também incluem autoatendimento do usuário, faturamento automatizado ou chargeback e relatórios. Isso para que se possa ver os recursos e serviços que são implementados, bem como os custos correspondentes.

Da mesma forma, uma infraestrutura de armazenamento em nuvem é uma estrutura composta de hardware e software que suporta os requisitos de computação de um serviço de armazenamento em nuvem privado ou público.

Infraestrutura Escura

Uma infraestrutura escura é a parte de uma estrutura composta de softwares ou serviços não documentados, mas ativos, cuja existência e função são desconhecidas para os administradores do sistema. Apesar dela poder ser parte integrante da operação contínua da infraestrutura documentada. Isso geralmente é chamado de shadow IT e pode se tornar uma vulnerabilidade séria de segurança ou conformidade para a organização.

Infraestrutura mais ágil e flexível

Uma das tendências predominantes em TI é a transformação digital e a transformação da infraestrutura de TI que a acompanha. A transformação digital permite envolver melhor os clientes, administrar uma empresa principal com mais eficiência e entrar em novos mercados por meio de novos processos e produtos, além de análise de dados.

A implementação final e o resultado variam com base no setor e negócio. Alavancar os dados se torna um elemento fundamental para a estratégia central da empresa.

E, embora se possa descarregar serviços para o Office 365 ou o Salesforce, as cargas de trabalho que permanecem nas instalações provavelmente serão mais estratégicas, como a introdução de produtos digitais.

Assim, a TI muda de um departamento que implementa as práticas recomendadas para aplicativos de uso geral. Muda para um que defina ou permita novas práticas e fluxos de trabalho personalizados.

A transformação de negócios digitais, por sua vez, exige uma transformação de infraestrutura de TI. A infraestrutura resultante não só precisa gerenciar o escopo e a escala aumentados de dados recebidos e enviados. Mas também deve se tornar mais ágil e flexível.

Quanto mais inovadora uma empresa se torna no uso de dados, maior a probabilidade de que novos produtos, serviços e iniciativas precisem ser dinamizados rapidamente.

A transformação da infraestrutura de TI

A infraestrutura de TI não é simplesmente comprar o mais recente e melhor hardware e software. Tivemos décadas de inovação tecnológica no data center, cada uma delas oferecendo capacidade superior em comparação com a geração anterior.

Essa tendência continuará e não será transformadora; é negócio como de costume. A nuvem também não é transformadora. Aproveitar um provedor de nuvem pública, como o Amazon Web Services ou o Microsoft Azure, oferece benefícios e pode parecer transformador, mas não é suficiente.

Em um alto nível, a transformação da infraestrutura de TI é tornar-se melhor e mais eficiente na alocação de orçamento e recursos para novos projetos e mercados, e tornar o custo de gerenciar a infraestrutura diária mais fácil e mais barato.

A lista a seguir fornece algumas metas de alto nível para uma infraestrutura de armazenamento transformacional. Alguns desses recursos estão disponíveis hoje, alguns são mais ambiciosos. Juntos, eles formam uma estrutura do que procurar para renovar sua infraestrutura de armazenamento para a era da transformação digital.

Afastar o gargalo de desempenho do armazenamento

A infraestrutura de armazenamento deve fornecer desempenho suficiente para garantir que a organização possa aproveitar os dados certos no momento certo. Ele também deve ser capaz de aumentar de forma suficiente e incremental esse desempenho, para que se possa criar novas cargas de trabalho sem afetar os processos de negócios existentes.

Isso é crítico para cargas de trabalho de business intelligence ou analytics. Os desenvolvedores precisam acessar os conjuntos de dados em tempo hábil. Eles não podem esperar pela implantação de nova infraestrutura.

Arquitetura multigeracional

Conforme as demandas de infraestrutura aumentam, novas implantações aumentam em frequência. Não se pode perder a disponibilidade de dados a cada transição para uma nova geração de hardware. À medida que as demandas mudam, o acesso a dados deve permanecer previsível, disponível e on-line.

Além disso, o acesso a dados deve permanecer constante conforme a infraestrutura evolui em torno dele. A abstração de hardware fornecida pelo armazenamento definido por software (SDS) é uma maneira de enfrentar esse desafio, permitindo a adição de novas gerações de hardware no mesmo pool de armazenamento sem afetar o acesso aos dados.

Implantação imediata ou quase imediata

Quando surgem novos requisitos, o acesso à capacidade de armazenamento não pode levar meses para obter aprovações e mais alguns meses para ser instalado. Existem várias tecnologias que podem acelerar a implantação da infraestrutura de armazenamento, como infraestruturas convergentes e hiperconvergentes baseadas em SDS.

Outro dos meios mais rápidos de acessar nova infraestrutura é a adoção de recursos de nuvem pública . Embora a nuvem nem sempre seja uma opção para todos os tipos de dados, ela pode acelerar bastante o provisionamento de novos armazenamentos.

Gerenciamento de dados multicloud

O gerenciamento dessa nova infraestrutura deve ser automático. O gerenciamento deve não apenas economizar tempo, mas também liberar recursos para outras tarefas enquanto cobre o escopo da arquitetura híbrida ou, mais provavelmente, multicloud. Para gerenciar esse novo ecossistema multicloud, algumas características são importantes:

  • uma arquitetura única que pode consolidar várias nuvens diferentes;
  • a capacidade de selecionar automaticamente e empregar rapidamente um serviço de nuvem específico;
  • a capacidade de entender e gerenciar a colocação de computação e dados como meio de reduzir a latência;
  • a capacidade de criar novas cargas de trabalho na nuvem ou nas instalações por meio da acessibilidade universal de dados.

Essas capacidades de gerenciamento de dados multicloud tendem para a aspiração. Mas eles apresentam uma ideia do que será necessário para gerenciar com eficácia as infraestruturas multicloud .

O futuro real da infraestrutura de TI está na abstração

A tendência da estrutura de TI é a abstração. Os hipervisores continuarão como parte do data center, desde que haja um data center, por motivos financeiros e técnicos. As organizações investem na transformação da tecnologia que proporciona um benefício comercial. Dessa maneira, já que é difícil o suficiente obter suporte de aplicativo de uma versão do sistema operacional principal para o próximo sem algum tipo de refatoração.

É possível que a infraestrutura baseada em hipervisor necessária para suportar VMs não exista nos próximos anos. A base física pode parecer muito diferente. As equipes de engenharia desenvolverão métodos para fornecer infraestruturas de VM de forma simplificada. À medida que a área de cobertura da VM diminui em um data center, os clientes procuram a infraestrutura e a nuvem hiperconvergentes para simplificar o gerenciamento e o suporte da subjacência da VM.

Eventualmente, veremos um ponto de inflexão onde o investimento em VMs e hipervisores é eclipsado por outras tecnologias de abstração.

A pressão pela abstração da infraestrutura de TI levou a um paliativo temporário. Os contêineres permitem que aplicativos baseados em micro serviços sejam convertidos facilmente em construções de infraestrutura existentes. Muitos especialistas supõem que os contêineres podem deslocar as VMs como a unidade principal de computação no data center.

Contêineres

Os contêineres continuarão aproveitando as melhorias de desempenho e segurança implementadas no nível do processador. Além disso, os contêineres adicionam agilidade ao fluxo de trabalho de desenvolvimento de aplicativos. Os aplicativos são desenvolvidos rapidamente e implantados em ambientes leves. O mesmo pacote usado para desenvolver o aplicativo é usado para implantar o aplicativo. Os contêineres são, portanto, vistos como um ativador do DevOps .

Recipientes formaram a base para microservices. Usando software de orquestração e clustering, como o portfólio de produtos do Google Kubernetes e da Mesosphere, sistemas altamente escaláveis e portáteis usam contêineres para fornecer serviços complexos. Ferramentas avançadas de orquestração de data center podem mover esses microsserviços em linhas de nuvens públicas e privadas. No entanto, em pouco tempo, os desenvolvedores não precisarão mais entender o conceito do contêiner.