Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Teste de regressão vs. UAT: objetivos e técnicas

Por Juliana Gaidargi em 3/01/2022 em Tutoriais

O teste de regressão e o UAT garantem a qualidade do software, portanto, ambos exigem um investimento considerável. Então, aprenda quando e como realizar cada um e algumas dicas para obter o máximo de seu esforço.

teste de regressão UAT

Dois dos tipos mais significativos de iniciativas de teste de software são os testes de regressão e UAT (aceitação do usuário). No entanto, esses dois cenários de teste diferem dramaticamente e cada um ocorre em um estágio diferente do ciclo de desenvolvimento.

Entretanto, ainda assim, os testes de regressão e os testes de aceitação do usuário (UAT) atendem a um objetivo comum de garantia de qualidade. Portanto, quando implantadas juntas, ao lado de outros tipos de teste, essas abordagens garantem que o produto funcione de maneira adequada e confiável.

Vamos comparar o teste de regressão com o UAT para entender como os dois funcionam de maneira diferente e juntos para o controle de qualidade. Sendo assim, neste artigo, abordaremos o que são testes de regressão e UAT, quando esses testes acontecem e os métodos usados. Contudo, você também aprenderá dicas para melhores testes, como métricas para rastrear e como separar fatos e opiniões ao validar a usabilidade.

O que é teste de regressão?

O teste de regressão é uma técnica de garantia de qualidade que assegura que as alterações e correções de código não perturbem inadvertidamente os recursos ou o desempenho do software existente.

O software muda constantemente, especialmente em organizações Agile. Uma equipe de desenvolvimento de software Agile pode produzir compilações, corrigir bugs, atender a requisitos novos ou em mudança e criar recursos e funcionalidades diariamente. Contudo, cada nova linha de código representa um risco de consequências indesejadas para o código existente. Portanto, o teste de regressão garante que o código existente continue a operar conforme o esperado, uma vez que a equipe de desenvolvimento adiciona novo código à base de código.

Ou seja, o teste de regressão executa casos de teste usados ​​anteriormente para reavaliar as funcionalidades existentes. Portanto, não é uma forma de testar as funções novas ou alteradas, pois isso geralmente requer casos de teste novos ou diferentes.

Cada nova linha de código representa um risco de consequências indesejadas para o código existente.

Os desenvolvedores podem usar todo o conjunto de casos de teste existentes ou apenas usar um subconjunto para limitar o teste a partes do código modificado. O significado de regressão, neste contexto, é que um recurso anteriormente satisfatório para de funcionar ou funcionar corretamente devido à mudança de código introduzida.

Os testes de regressão geralmente ocorrem sempre que o código é alterado. Por exemplo, o teste pode ser apropriado quando um desenvolvedor:

  • Modifica o código para atender a um requisito novo ou em alteração;
  • Adiciona código para executar uma nova função ou construir uma função existente; ou
  • Corrige um defeito por meio de uma mudança de código.

O que é UAT (teste de aceitação do usuário)?

O UAT (teste de aceitação do usuário) é uma fase final de teste. Seu intuito é determinar se um produto de software é adequado ou utilizável para a finalidade pretendida. UAT às vezes é chamado de teste beta, teste de aplicativo ou teste do usuário final.

A ideia por trás do UAT está no nome: teste de aceitação do usuário. Ou seja, nenhum software – não importa quão poderoso, cheio de recursos ou livre de bugs – terá sucesso se os clientes não puderem usá-lo em cenários do mundo real. Então, um plano de teste UAT valida a usabilidade do software, avaliando a experiência do usuário de sua perspectiva. Os testadores certificam-se de que ele executa as tarefas necessárias de acordo com as especificações do software e os requisitos do usuário.

Nenhum software – não importa quão poderoso, cheio de recursos ou livre de bugs – terá sucesso se os clientes não puderem usá-lo em cenários do mundo real. No entanto, ao contrário do teste de regressão, o UAT tem pouco a ver com a funcionalidade real do software. Afinal, a organização basicamente completa, testa e aprova todos os recursos e funcionalidades antes que o UAT seja executado. A pergunta que o UAT busca responder é: “O usuário poderá, ou mesmo deseja, usar este produto?”

Exemplo

Vejamos um exemplo de UAT. Há uma função que deve ser usada com frequência e funciona perfeitamente de acordo com a equipe de teste. No entanto, essa função está enterrada na interface do usuário por cinco camadas de menus mal rotulados. Uma vez que o usuário atinge esse elemento que vai usar com frequência, ele tem que esperar 10 segundos para que ele dê uma resposta. Tudo devido à forma como foi projetado. Nesses casos, os usuários finais podem ficar frustrados com o software. Portanto, o software seria reprovado no caso de teste do UAT.

Então, para realizar o UAT, as organizações de QA desenvolvem:

  • Conjuntos de etapas de teste;
  • Condições de execução predeterminadas;
  • Lista de resultados esperados. 

Por exemplo, eles podem pedir a um usuário final para abrir um determinado arquivo. Em seguida, pedem que se use uma série de etapas para realizar operações nele. Então, espera-se que esse arquivo ou saída atenda a certos objetivos ou condições de teste. Esses testes são orientados para garantir que atendam aos requisitos de software necessários. Portanto, o feedback do usuário sobre cada teste define o sucesso ou a falha e pode resultar em atualizações ou alterações de software. O teste de usuário em estágio final pode ser de formato mais livre. Afinal, este formato permite que os usuários explorem os recursos e funcionalidades do software com mais autonomia e menos orientação.

Como aproveitar ao máximo o teste de regressão?

Os testes de regressão apresentam vários desafios importantes para os negócios. Primeiro, o teste de regressão pode ser caro. Especialmente se você testar novamente os mesmos recursos e funcionalidades em cada iteração ou construção. Além disso, as limitações de tempo tornam difícil testar adequadamente. Principalmente se você precisar atualizar os casos de teste. Não obstante, as estratégias de teste de regressão podem mudar à medida que o projeto evolui.

Contudo, com o planejamento adequado e talvez alguns testes automatizados, os desenvolvedores e testadores podem usar uma variedade de táticas para melhorar a eficácia do processo de teste de regressão. Experimente estas quatro sugestões.

Use testes de fumaça

O teste de fumaça geralmente fornece uma avaliação inicial – alguns podem dizer rápida e suja – da construção. Afinal, os testes de fumaça preparam o build para a próxima rodada de testes de regressão. Por exemplo, esse tipo de teste pode verificar se os builds e casos de teste estão em repositórios adequados ou se as tarefas pretendidas foram concluídas no build mais recente. Então, com esses critérios confirmados, uma avaliação mais profunda da garantia de qualidade pode prosseguir. Caso contrário, a equipe de desenvolvimento pode precisar realizar um trabalho adicional na construção. Ao validar uma construção viável e estável, a empresa pode economizar tempo e despesas com testes desnecessários.

Revise e atualize os casos de teste

Considere as implicações de uma mudança de código. Idealmente, os testes de regressão validam a mesma saída com a mesma entrada. Afinal, os mesmos recursos e funções funcionam da mesma maneira. No entanto, as mudanças em casos de teste e conjuntos de dados às vezes afetam recursos e funções existentes. Portanto, revise as condições de teste e os conjuntos de dados. Então, faça alterações para acomodar quaisquer problemas potenciais em testes de regressão sucessivos.

Priorize os testes de regressão

Simplesmente pode não ser possível executar todo o conjunto de testes. Afinal, algumas mudanças não afetarão todos os recursos e funcionalidades. Portanto, estabeleça prioridades de teste para potencialmente economizar tempo e despesas durante o teste de regressão de software.

Colete e analise as métricas

O processo de teste de regressão versus UAT pode render mais valor do que os resultados do teste binário “vai / não vai”. Os testes produzem métricas úteis, como o número de defeitos encontrados em um caso de teste. Então, a análise com base nessas métricas revela problemas de código, além da cobertura fornecida por testes anteriores. Portanto, use essas métricas para melhorar a qualidade do código e a eficiência do teste.

Como aproveitar ao máximo o UAT (teste de aceitação do usuário)?

Uma das maiores diferenças entre o teste de regressão e o UAT é que o último normalmente ocorre no final do desenvolvimento do produto. Ou seja, quando os recursos e a funcionalidade estão amplamente completos. No entanto, o que realmente significa completo? O uso mais eficiente e eficaz do UAT depende de uma série de pré-requisitos de codificação e teste. Ou seja, não deve haver defeitos de média ou alta prioridade na base de código; esses defeitos devem ser corrigidos neste estágio de desenvolvimento.

Assim que o código maduro estiver pronto, experimente estes quatro princípios para melhorar a eficácia do UAT.

Envolva usuários representativos

O UAT avalia a experiência e a perspectiva do usuário com um aplicativo. Portanto, certifique-se de recrutar usuários reais para fazer isso. Geralmente, cada função de usuário e grupo de partes interessadas deve ser representado na equipe do UAT. Afinal, assim você garante que o teste abrange todas as perspectivas e prioridades relevantes.

Estabeleça critérios e testes

O grande desafio do UAT é como pesar a opinião do usuário. Afinal, alguns elementos podem parecer desajeitados ou ineficientes para um determinado usuário ou grupo demográfico. Entretanto, isso não indica necessariamente um defeito de software. Portanto, estabeleça critérios de aceitação que definam software funcional por meio de requisitos de sistema, histórias de usuário e outros meios. Afinal, com os critérios de aceitação estabelecidos, os desenvolvedores podem implementar uma série de casos de teste UAT. Estes, por sua vez, fornecem as etapas de execução e os resultados esperados. Os resultados de aprovação / reprovação da execução do caso de teste, em última análise, definem o sucesso ou a falha do UAT e, então, os defeitos podem ser identificados, corrigidos e testados novamente.

Opiniões de valor – até certo ponto 

Embora a opinião do usuário tenha pouco lugar nos casos de teste do UAT, as opiniões e os comentários podem ter valor. Por exemplo, quando um número estatisticamente significativo de testadores relata preocupações semelhantes ou sugestões que podem tornar o software mais fácil de usar, os desenvolvedores devem incorporar o feedback em compilações subsequentes. Ignorar esses problemas é um erro.

Colete e analise as métricas

Tal como acontece com o teste de regressão, o UAT produz métricas que aumentam o valor do teste. Então, os desenvolvedores devem monitorar parâmetros como a porcentagem de casos de teste tentados, número de defeitos por caso de teste concluído e taxa de injeção de defeito. Portanto, use essas métricas para obter uma visão objetiva da qualidade do produto e do processo de desenvolvimento de software.

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Acesse informação exclusiva para nossos clientes e esteja informado. Conheça as técnicas, ferramentas e estatísticas do mercado, de graça, e no seu email.
É só preencher o formulário para acessar.

Receba Gratuitamente

Passo 2
0%

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.