Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Necessidades de negócios que impulsionam os gastos de TI

Por Juliana Gaidargi em 8/06/2022 em Negócios

As diretivas de segurança e eficiência estão impulsionando uma mudança nos gastos de TI em direção aos requisitos de negócios fundamentais para posicionar as organizações para um futuro incerto. Contudo, quais são exatamente as necessidades de negócios que impulsionam os gastos de TI atualmente.

Necessidades de negócios TI

A vice-presidente sênior e CIO da Ceridian, Carrie Rasmussen, obteve um aumento de 7% em seu orçamento de TI para 2022. O motivo? O crescimento de sua empresa, sua contínua digitalização e atenção à segurança.

Mais especificamente, Rasmussen está aumentando seus gastos com segurança cibernética para ajudar a gerenciar riscos. Afinal, esse é um elemento-chave para permitir a expansão global planejada da Ceridian. Alguns dos fundos extras estão pagando pelo trabalho de consolidação de aplicativos e serviços. E esse é um movimento que Rasmussen classifica como uma jogada de eficiência “que liberará dinheiro para reinvestir”.

No entanto, ela também tem dinheiro destinado para automação, melhorias de processos e projetos de dados. Segundo ela, eles são planejados em parte para “eliminar ineficiências e ajudar os trabalhadores a serem mais produtivos. Afinal, quando você está crescendo globalmente, você precisa ter essas eficiências para ajudar a impulsionar as margens.”

Juntas, essas iniciativas tecnológicas – juntamente com seus projetos de modernização baseados em nuvem/SaaS – estão ajudando a fabricante de software HCM em nuvem a escalar seus recursos digitais para atender às crescentes necessidades dos funcionários e demandas dos clientes, diz Rasmussen.

O orçamento de Rasmussen é representativo dos gastos do CIO em 2022, com base nas descobertas do 2022 State of the CIO Report e outras pesquisas de gastos de TI, que mostram que os CIOs em geral desfrutam de aumentos nos orçamentos anuais, com os gastos de TI esperados para superar os do ano passado.

Necessidades de negócios

Embora esses aumentos orçamentários estejam alinhados com os anos anteriores, os principais imperativos de negócios por trás deles são diferentes. Afinal, os líderes de tecnologia corporativa estão vendo um embaralhamento de prioridades de negócios impulsionando seus gastos, com demandas por maior segurança cibernética e eficiência e produtividade aprimoradas no topo da lista. Isso ocorre depois de anos de iniciativas transformacionais sendo citadas como a principal razão para aumentar o orçamento.

O State of the CIO Report, divulgado no início deste ano, descobriu que o desejo de aumentar a segurança de TI é uma das necessidades de negócios número 1 que impulsiona os gastos com TI no ano atual. Ele é seguido pelo aumento da eficiência operacional e melhoria da experiência do cliente. Transformar os processos de negócios existentes, melhorar a produtividade dos funcionários e aumentar a lucratividade completaram os seis principais.

Líderes de tecnologia e analistas dizem que essas necessidades de negócios refletem o importante ato de equilíbrio que vem evoluindo no escritório do CIO: a necessidade de buscar constantemente a excelência operacional enquanto fornece serviços de TI transformacionais, com o primeiro apoiando o segundo.

Distribuição correta

“TI é um dos melhores lugares para investir. Contudo, os executivos querem garantir que esses dólares sejam gastos nas coisas certas da maneira certa. Eles estão sendo espertos sobre onde gastam seus dólares em tecnologia”, diz Dan Priest, sócio-gerente de nuvem e digital da empresa de serviços profissionais PwC. 

Ele diz que os líderes empresariais em geral deixaram de pensar em TI como um centro de custos para um facilitador. Afinal, a área pode criar operações mais enxutas, aprimorar linhas de negócios existentes e ajudar a fornecer novas, com suas decisões orçamentárias refletindo cada vez mais isso. “É por isso que os gastos com TI agora são tão estratégicos. Então, os CIOs têm grandes escolhas a fazer agora e têm implicações de longo prazo.”

Achados do relatório

O relatório State of the CIO descobriu que 59% dos CIOs estão planejando gastar mais em 2022 do que em 2021. Compare isso com as descobertas do ano passado, em que apenas 49% dos CIOs entraram em 2021 dizendo que planejavam obter um aumento de orçamento para o ano.

Quando perguntados sobre as iniciativas de negócios que seriam “mais significativas para impulsionar os investimentos em TI em sua organização”, os líderes de TI citaram o seguinte:

  • Aumentando as proteções de segurança cibernética: 49%
  • Ampliando a eficiência operacional: 46%
  • Melhorando a experiência do cliente: 42%
  • Transformando processos de negócios existentes (ou seja, automação, integração): 41%
  • Melhorar a produtividade dos funcionários: 27%
  • Aumentar a rentabilidade: 24%
  • Desenvolvimento de novos produtos: 22%
  • Aprimorando as tecnologias de trabalho híbrido: 21%
  • Aumentar a receita de primeira linha para o negócio: 20%
  • Atendendo aos requisitos de conformidade: 19%

Entretanto, outros pesquisadores encontraram tendências semelhantes nos gastos com TI.

O Info-Tech Research Group em seu relatório CIO Priorities 2022 descobriu que os CIOs consideraram melhorias nos processos de negócios, transformação/modernização digital, segurança e suporte ao crescimento/recuperação de receita como as principais necessidades de negócios que impulsionam a agenda de TI este ano.

Aprofundando ainda mais, a Info-Tech descobriu que, em termos de principais prioridades para competir na economia digital, os CIOs listaram as seguintes prioridades:

  • Reduza o atrito no modelo operacional híbrido
  • Melhore a prontidão do ransomware
  • Apoie uma estratégia de retenção centrada no funcionário
  • Projete uma plataforma de automação
  • Prepare-se para relatar novas métricas ambientais, sociais e de governança (ESG)

Pesquisadores do Gartner relataram tendências semelhantes em sua previsão de gastos com TI. Incluindo um aumento de 4% nos gastos mundiais com TI este ano, impulsionado em grande parte por investimentos em análise, computação em nuvem, experiência do cliente e segurança.

A segurança cibernética precisa direcionar os gastos com TI

É claro que as organizações investiram em elementos fundamentais, como segurança cibernética, todos os anos. No entanto, uma confluência de problemas exigiu o aumento atual nos gastos com segurança.

“Os gastos com segurança cibernética sempre cresceram, mas se transformaram da segurança de perímetro a que estamos acostumados há 40 anos para cada vez mais proteger a nuvem, o trabalho remoto e os funcionários remotos. As empresas que costumavam colocar paredes de tijolos virtuais ao redor do prédio e dizer que estão seguras por dentro agora têm muitas aberturas – para a nuvem, parceiros, clientes, funcionários – para que essa estratégia seja viável” – John Lovelock, vice-presidente de pesquisa e distinto analista da Gartner. “

Embora essa mudança esteja em andamento há muitos anos, ela continua a impulsionar grande parte dos gastos de TI relacionados à segurança cibernética, diz Lovelock. “É garantir o que evoluiu nos últimos anos e o que vem evoluindo.” Ele cita como evidência os números do Gartner nesse espaço: uma taxa de crescimento anual de 34% nos gastos com segurança na nuvem, que passou de US$ 585 milhões em 2019 para um gasto previsto de US$ 3,5 bilhões até 2025.

Ransomwares

Contudo, o ransomware também é outro grande motivo para o aumento das preocupações com a segurança cibernética e o aumento correspondente nos gastos com TI, diz Brian Jackson, diretor de pesquisa na prática de CIO da Info-Tech.

Ele diz que a pesquisa de sua empresa mostra que mais empresas do que a maioria imagina foram atingidas por ataques de ransomware e estão em estado de recuperação. “E isso pode custar muito”, diz ele. Mesmo aqueles que não foram atingidos pelo ransomware sentem a necessidade de se fortalecerem contra essa possibilidade, investindo em proteções mais fortes, incluindo, por exemplo, melhores backups off-line.

“Com ransomware, estamos falando de guerra cibernética patrocinada pelo estado, e essas organizações são pegas no meio disso, e se tornou apenas o custo de fazer negócios”, acrescenta Jackson.

Requisitos de eficiência, experiência e produtividade

Outras necessidades de negócios de grandes empresas que impulsionam o aumento dos gastos com TI também dizem algo sobre onde as organizações estão em 2022, dizem os especialistas.

“Você tem uma disciplina aprimorada sobre gerenciamento de custos agora e é inteligente sobre onde gasta seus dólares em tecnologia”, diz Priest, acrescentando que “é um dos melhores lugares para investir, especialmente em períodos inflacionários”.

Ele diz que as organizações estão procurando automatizar, simplificar as operações e reduzir custos para ajudar a lidar com um mercado de trabalho instável, escassez de trabalhadores, inflação e incerteza geopolítica. Esses investimentos em tecnologia, por sua vez, permitem que eles redistribuam seus trabalhadores escassos (e cada vez mais caros) para tarefas de maior valor. Portanto, essas iniciativas de tecnologia também produzem economias, que as empresas podem reinvestir em operações e iniciativas que apoiam o crescimento da receita.

Priest diz que os CIOs continuam gastando dinheiro na migração da infraestrutura herdada para a nuvem. Esse é um movimento que os ajuda a eliminar redundâncias, otimizar o desempenho, melhorar processos e eliminar silos de dados. No entanto, eles também estão gastando em projetos de dados e análises como forma de se tornarem mais eficientes, aumentar a produtividade e apoiar a lucratividade.

Em sua pesquisa sobre como os CIOs gastarão seu tempo e dinheiro em 2022, a PwC descobriu que as cinco principais áreas prioritárias são:

  • Refinar a TI para ser mais ágil: 43%
  • Migrar de data centers tradicionais para a nuvem: 35%
  • Aproveitar dados e análises para impulsionar a tomada de decisões estratégicas: 34%
  • Evoluir a TI para ser um parceiro estratégico do negócio: 30%
  • Redefinir arquiteturas corporativas para a nuvem: 28%
  • Apoiar o crescimento, a transformação
Alinhado à tendência

Rasmussen diz que as listas de prioridades de gastos de TI compiladas pelos pesquisadores refletem seu próprio detalhamento de orçamento. Não obstante, afirma que estes também se alinham com os planos de gastos que ela ouviu de colegas CIOs. “Esse é o tema comum entre a maioria dos líderes de tecnologia”, diz ela.

Rasmussen e outros reconhecem que a lista de impulsionadores de negócios deste ano pode parecer uma ruptura com as prioridades dos anos anteriores, onde a transformação geralmente dominou. De fato, a pesquisa State of the CIO descobriu que os impulsionadores de negócios, como a introdução de novos fluxos de receita digital e monetização de dados da empresa – ambos normalmente parte de programas transformacionais – estavam mais abaixo na lista de iniciativas que impulsionam os gastos de TI, chegando a No. 11 e nº 13, respectivamente.

No entanto, os especialistas alertam contra essa suposição. Eles afirmam que as decisões de gastos de TI visam, de fato, apoiar iniciativas digitais contínuas e novas e esforços gerais de transformação – mesmo que isso não seja mencionado pelo nome.

Como observa Rasmussen, os gastos com eficiência “liberarão dinheiro para reinvestir”, enquanto os gastos com segurança, experiência do usuário, produtividade dos funcionários e afins apoiarão novas formas de trabalhar e interagir com os clientes.

“Não se trata de controle de custos; em vez disso, falamos de investimentos por valor. Essa é uma estratégia de investimento e é uma conversa sobre agilidade – agilidade para ser competitivo no mercado”, acrescenta.

Avanços futuros

Priest concorda que essa mudança para os fundamentos pode levar a avanços futuros. Afinal, ele diz que os gastos de TI em segurança, eficiência, melhoria de processos e produtividade podem colocar as organizações em uma posição forte, não importa o que o futuro reserva – seja crescimento, inflação contínua ou até uma recessão.

Além disso, os gastos com iniciativas de negócios transformacionais estão cada vez mais fora do orçamento de TI e dentro das áreas funcionais, acrescenta Diane Carco, presidente e CEO da empresa de consultoria de gestão Swingtide.

De acordo com o Gartner, o total de gastos de TI liderados pelos negócios representa, em média, 36% do orçamento total formal de TI.

“Estamos vendo os gastos de transformação acontecendo em departamentos que não são de TI, então as tendências de gastos para os CIOs podem parecer menos estratégicas do que cinco anos atrás”, diz Carco. “Contudo, são os CIOs que gastam para garantir que [essas iniciativas transformacionais] sejam seguras e protegidas para operar.”

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA