Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Acordo entre Reino Unido e Brasil acelera transformação digital

Por Juliana Gaidargi em 15/01/2021 em Negócios

O Brasil e o Reino Unido assinaram um acordo para acelerar a transformação digital nos serviços públicos no país. O memorando de entendimento foi assinado em 29 de dezembro de 2020 pela embaixadora interina do Reino Unido no Brasil, Liz Davidson. Também assinou o documento o secretário digital brasileiro, Luis Felipe Monteiro. De acordo com o memorando, os países trabalharão juntos até março de 2023.

acordo reino unido brasil transformação digital

O acordo surgiu devido à abordagem do Reino Unido à prestação de serviços digitais ao cidadão. Afinal, ela tem uma alta classificação nas avaliações de prontidão do governo digital das Nações Unidas. Portanto, serviu de inspiração para o Brasil. 

Centralização de serviços

A formalização da parceria enfatizou aspectos como governança de dados e acessibilidade. Contudo, sem deixar de lado o planejamento e implementação de projetos de digitalização. O mesmo vale para compartilhamento de conhecimento.

“Tanto o Reino Unido quanto o Brasil integraram centenas de sites governamentais em um único portal. Isso reduziu os labirintos que seus cidadãos precisam percorrer para acessar os serviços públicos. Portanto, a experiência do usuário melhorou. Afinal, o ambiente agora é mais acessível, ágil e seguro.” – Monteiro.

A cooperação faz parte do Prosperity Fund do Reino Unido. Esta é uma carteira de £ 1,2 bilhão de projetos focados em países de renda média que concentram a maior parte da população pobre do mundo. Contudo, espera-se que dela partirão 60% do crescimento econômico, até 2030. Essa  é a estimativa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O Fundo busca promover o crescimento econômico inclusivo e reduzir a pobreza. Entretanto, também visa criar oportunidades para negócios internacionais. No Brasil, a carteira do Fundo inclui programas em áreas como o acesso digital. Este visa promover o acesso digital para populações excluídas.

Acordo de transformação digital entre Reino Unido e Brasil é fundamental

“A crise global causada pela pandemia Covid-19 revelou alguns dos desafios que enfrentamos como governo. Contudo, uma estratégia governamental digital poderosa ajudou a mitigar muitos. Agora, mais do que nunca, a troca de experiências e apoio mútuo entre os governos é mais importante.” – Davidson

De acordo com a Secretaria de Governo Digital do Brasil, mais de 4.000 serviços governamentais foram centralizados e disponibilizados na plataforma Gov.br. Destes, 65% podem ser solicitados e entregues totalmente online. O Portal do Cidadão Brasileiro foi lançado em setembro de 2019 após seu anúncio em abril, há alguns meses.

Desde o lançamento do projeto para colocar os serviços digitais online, o Brasil foi reconhecido por seus esforços. Portanto, foi classificado no grupo “altíssimo” do Índice de Desenvolvimento de Governo Eletrônico das Nações Unidas no ano passado.

Atraindo investimentos

Entretanto, o governo brasileiro também está tentando acelerar a transformação digital para atrair investimentos estrangeiros. Especialmente quando se trata de melhorar a conectividade.

Afinal, atualmente, mais de 20 milhões de domicílios no Brasil são excluídos digitalmente. O problema da falta de conectividade é especialmente perceptível em famílias nas partes mais pobres do país. 35% das residências no Nordeste não usam a web. Isso também é verdade para 45% das famílias brasileiras que recebem salário mínimo.

Pandemia destaca a desigualdade digital no Brasil

Problemas como a falta de conectividade entre as populações mais pobres tornaram-se evidentes durante a crise. Por isso, o acordo de acelerar a transformação digital entre Reino Unido e Brasil é tão importante.

Conforme a Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o novo epicentro da Covid-19. Portanto, a desigualdade digital do país se tornou evidente. Afinal, os cidadãos vulneráveis ​​não podem ter acesso a serviços básicos em meio à pandemia.

Uma recente pesquisa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) descobriu o seguinte:

Cerca de 71% dos domicílios brasileiros têm acesso à Internet. No entanto, mais de 20 milhões de lares estão excluídos digitalmente.

Trabalho e ensino remoto

E as medidas de distanciamento social implantadas durante a pandemia agravou essa situação. Afinal, milhões de brasileiros têm contado ainda mais com a internet e a tecnologia em geral não só para trabalhar. Mas também para estudar e realizar atividades cotidianas em geral. Isso, além de obter ajuda financeira emergencial.

Segundo Alexandre Barbosa, gerente no Cetic.br, braço de pesquisa do CGI, a pandemia tornou ainda mais evidentes as diversas questões relacionadas à questão da exclusão digital no Brasil:

“A falta de acesso à Internet e o acesso exclusivo pelo celular, principalmente [entre os brasileiros mais pobres], apresenta desafios relevantes para a eficácia das políticas públicas para lidar com a pandemia.”

Os estudantes de famílias vulneráveis ​​e sem acesso à Internet também são bastante afetados neste período de distanciamento social. Portanto, a pandemia revelou claramente as desigualdades no Brasil.

O papel do smartphone

O smartphone é o principal dispositivo de acesso à Internet no Brasil. Afinal, 99% dos usuários afirmam usar o celular para essa finalidade. No entanto, mais da metade (58%) dos brasileiros acessa a rede exclusivamente pelo celular. E esse percentual chega a 85% entre a população mais pobre. O uso exclusivo de smartphones para acessar a Internet também é prevalente entre a população negra (65%). Ao menos em comparação com 51% da população branca.

A pesquisa, já em seu 15º ano, vem percebendo uma queda consistente da presença de computadores nos lares brasileiros nos últimos quatro anos. A pesquisa sugere o seguinte:

  • 95% das famílias mais ricas do Brasil (classe A, na pirâmide socioeconômica brasileira) possuem algum tipo de computador;
  • Enquanto isso, o equipamento está presente em 44% da classe média baixa (classe C);
  • Somente 14% dos brasileiros na base da pirâmide, as classes D e E possuem computador em casa.

Há esperança

Contudo, a pesquisa mostrou que houve algum progresso no Brasil em termos de inclusão digital em geral. Afinal, pouco mais da metade da população está vivendo em áreas rurais (53%). Em paralelo, 77% dos residentes de áreas urbanas relataram ter acesso à Internet.

Em termos socioeconômicos também houve um aumento no percentual de internautas na base da pirâmide.Afinal, os acessos das classes D e E passaram de 30% em 2015 para 57% em 2019. No entanto, um percentual significativo da população brasileira continua excluída digitalmente:

  • 35 milhões de pessoas em áreas urbanas (23%);
  • 12 milhões de cidadãos em áreas rurais (47%).

Uma pesquisa separada, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, revelou achados semelhantes sobre a exclusão digital no país. Os motivos incluem falta de conhecimento técnico e disponibilidade de serviço, segundo o estudo.

Por isso, incentivar a transformação digital é de suma importância no Brasil. E o acordo com o Reino Unido ajudará bastante nesse processo.

Fonte:

Mercopress

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Acesse informação exclusiva para nossos clientes e esteja informado. Conheça as técnicas, ferramentas e estatísticas do mercado, de graça, e no seu email.
É só preencher o formulário para acessar.

Receba Gratuitamente

Passo 2
0%

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.