Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Novidades sobre os quatro pilares básicos da TI

Por Juliana Gaidargi em 18/06/2021 em Gestão de TI

Embora existam muitas estruturas e convenções de nomenclatura diferentes para definir os blocos de construção básicos de TI, as funções gerais se dividem em quatro grupos principais.

pilares TI

No entanto, dependendo do tamanho e das metas do negócio, esses quatro pilares podem aparecer como equipes independentes ou podem simplesmente ser áreas de foco para o grupo de TI. Na verdade, onde equipes independentes ainda não existem, muitas empresas estão em processo de criação de uma equipe ou podem imaginar fazê-lo em um futuro próximo. 

É importante frisar que essas quatro áreas há muito fazem parte das operações de TI, contudo, as organizações digitais modernas estão descobrindo que é necessária maior competência em cada aspecto.

1. Infraestrutura

O pilar Infraestrutura é a base das operações de TI. Afinal, obviamente, alguma infraestrutura é necessária para qualquer sistema de negócios. No entanto, as equipes de tecnologia nas empresas menores geralmente consistem em apenas um grupo de infraestrutura que lida com quaisquer outras funções necessárias. 

Entretanto, com um amplo alcance e uma longa história, a infraestrutura contém muitas das funções mais frequentemente associadas à TI. No centro dessa função, os administradores de sistema  ou operadores de rede executam as tarefas de back-office que fazem parte da TI desde a era do mainframe. Contudo, a configuração de hoje requer manutenção de servidor físico, administração de sistema virtual, configuração de rede e planejamento de armazenamento. Essas tarefas, que tradicionalmente se concentram em componentes locais, estabelecem a base para o restante da arquitetura de TI.

Junto com essa funcionalidade padrão, existem dois outros segmentos significativos do pilar Infraestrutura. A primeira é a implementação de aplicativos, embora a equipe de infraestrutura não tenha habilidades de desenvolvimento, eles são responsáveis ​​por instalar os aplicativos e mantê-los em execução. Portanto, vale a pena destacar essa atividade por representar um ponto de conexão entre Infraestrutura e Desenvolvimento.

O segundo segmento, que normalmente é importante o suficiente para ser independente em uma organização, é o help desk ou service desk. Este primeiro nível de suporte pode se concentrar fortemente em dispositivos de endpoint para usuários finais. No entanto, também atua como a primeira linha de defesa para infraestrutura geral ou problemas de aplicativo. 

À medida que as organizações crescem, o help desk torna-se uma função separada com gerenciamento exclusivo, mas seus vínculos estreitos com o back office e uma visão abrangente do equipamento para incluir dispositivos de endpoint mantêm essa atividade dentro do pilar Infraestrutura.

2. Desenvolvimento

O segundo pilar principal para as operações de TI é o desenvolvimento. Onde a infraestrutura se concentra no hardware, o desenvolvimento se concentra no software. Portanto, é importante observar que as empresas que criam software para clientes externos têm equipes de desenvolvimento de produto separadas. Haverá uma sobreposição clara entre essas equipes de produto e os esforços internos, mas os esforços internos são o foco do pilar Desenvolvimento.

Várias atividades diferentes podem ocorrer dentro da equipe de Desenvolvimento. Afinal, os aplicativos usados ​​por diferentes unidades de negócios podem ser criados ou personalizados aqui. Anteriormente, essa atividade teria implicado um grau relativamente alto de sofisticação dentro da empresa e uma quantidade considerável de recursos. No entanto, o aumento da alfabetização técnica e a disponibilidade mais ampla de ferramentas de codificação reduziram as barreiras dessas duas restrições, abrindo o desenvolvimento interno para uma gama mais ampla de empresas.

A Internet também impulsionou a atividade de desenvolvimento. Afinal, uma presença online estática não é mais viável para operações modernas; as empresas usam ferramentas dinâmicas da web para operações e fluxos de trabalho diários. Portanto, a sobreposição entre atividades internas e externas torna-se mais comum. Especialmente à medida que as empresas desenvolvem conteúdo que é publicado externamente para promover sua marca.

Mobilidade

A mobilidade acelerou essa sobreposição à medida que as empresas estabelecem sua marca no espaço móvel. Então, externamente, as ofertas online devem ser otimizadas para dispositivos móveis, quer isso signifique a construção de sites da Web compatíveis com dispositivos móveis ou aplicativos móveis nativos. 

Entretanto, internamente, as estratégias móveis devem se estender além da implantação e gerenciamento do dispositivo para serem totalmente eficazes. Portanto, a equipe de desenvolvimento é responsável por estender aplicativos de desktop e web para um mundo móvel para aumentar a produtividade em dispositivos móveis.

Conforme as unidades de negócios mudam para impulsionar mais suas próprias iniciativas de tecnologia, elas podem desenvolver suas próprias funções de desenvolvimento. Ou seja, funcionários que trabalham em departamentos que não pertencem à área de TI irão desenvolver aplicativos especificamente para o uso desse grupo. 

Contudo, à medida que a tecnologia se torna um processo mais democrático, as empresas estão classificando as relações entre a TI e outras linhas de negócios. Afinal, determinar a supervisão dos esforços de desenvolvimento em silos é uma parte da construção de uma nova estrutura hierárquica

3. Segurança

Os dois segundos pilares ainda não são funções autônomas em muitas organizações, no entanto, à medida que as necessidades de tecnologia se tornam mais complexas e as apostas digitais aumentam, essas disciplinas estão sendo separadas das especialidades primárias. 

A segurança geralmente começa como um desdobramento da infraestrutura, uma vez que a abordagem de segurança tradicional tem se concentrado fortemente na tecnologia. Contudo, a necessidade de maior especialização é impulsionada por novas camadas de ferramentas técnicas, processos de negócios que estabelecem práticas seguras e educação para usuários finais.

A maioria das empresas há muito usa firewall e antivírus como meio de proteger sua infraestrutura e dispositivos terminais. Entretanto, para organizações digitais, esse perímetro seguro não é suficiente, já que aplicativos e dados viajam regularmente para fora das paredes da empresa. Então, novas ferramentas como DLP, IAM e SIEM devem ser incorporadas às operações junto com firewall e antivírus. Além disso, os profissionais de segurança precisam mudar sua mentalidade de prevenir todos os ataques para detectar a violação inevitável e agir de forma rápida e decisiva.

Com as operações de negócios dependendo fortemente da tecnologia, ter os processos certos em funcionamento é fundamental para o sucesso contínuo. Um exemplo é a análise de risco formal, onde os sistemas e dados são completamente revisados ​​para o nível adequado de segurança. Isso é especialmente importante porque as empresas têm menos infraestrutura interna atrás de seu próprio firewall e mais componentes terceirizados. 

Gerenciamento de conformidade

Outro exemplo é o gerenciamento de conformidade, garantindo a adesão a um número crescente de regulamentações relacionadas ao tratamento de dados e à condução de negócios digitais. Afinal, como o crime cibernético está aumentando em todos os setores da economia, demonstrar as melhores práticas é uma parte crítica para manter uma reputação sólida.

Contudo, a parte mais desafiadora de construir uma postura segura hoje pode ser garantir o comportamento adequado entre os usuários finais. Afinal, as empresas relatam consistentemente que o erro humano é o principal fator nas violações de segurança e na perda de dados. Entretanto, a resolução não é simples. 

Afinal, ela baseia-se principalmente na educação, e a maioria das empresas não têm a educação interna como competência central. Portanto, a equipe de segurança é responsável por entender os tópicos que devem ser levados ao conhecimento da força de trabalho em geral e por fornecer educação nos formatos que irão promover um maior grau de instrução em segurança.

Entretanto, junto com a base em tecnologia, outra característica que a função Segurança compartilha com a Infraestrutura é a centralização em uma equipe de TI. Os profissionais das unidades de negócios reconhecem que é provável que haja brechas na segurança quando eles adquirem tecnologia por conta própria, por isso atribuem a responsabilidade por essa área ao departamento de TI. Então, uma função de segurança focada pode abordar cada aspecto da segurança moderna e desenvolver as métricas necessárias para mostrar que os esforços são bem-sucedidos.

4. Dados

Da mesma forma que a segurança é uma ramificação da infraestrutura, os dados são uma ramificação do desenvolvimento. Afinal, as habilidades e o pensamento necessários em Desenvolvimento se traduzem bem em Dados, onde há um componente abstrato de lidar com bits e bytes. 

A recente aceleração na quantidade de dados e nos tipos de dados que uma empresa pode gerenciar trouxe o foco para certas habilidades especializadas. No entanto, há uma base que deve ser construída antes de passar para aplicativos mais avançados.

Essa base é o gerenciamento básico de dados, incluindo a compreensão de todos os dados em uma organização e proficiência geral de banco de dados. Muitas organizações têm silos de dados onde os departamentos realizam suas próprias operações. 

Contudo, esses silos tornam a análise geral do conjunto de dados difícil e levam a uma arquitetura fraturada. Da mesma forma, muitas organizações não têm fortes habilidades de banco de dados e, ao invés disso, contam com planilhas ou outras ferramentas simples para análise.

À medida que as empresas crescem em sofisticação de dados, os administradores de banco de dados são necessários para gerenciar com eficiência o fluxo de dados e realizar análises para extrair percepções de negócios. Existem muitas novas ferramentas de gerenciamento e análise de dados no mercado, contudo a base da função Data usa ferramentas bem estabelecidas, como bancos de dados relacionais e SQL.

Habilidades necessárias

Com essa base estabelecida, as empresas podem adotar táticas mais avançadas. Entretanto, isso envolve uma extensão de habilidades técnicas em áreas como Hadoop, bancos de dados não relacionais e ferramentas de visualização de dados. Também envolve um entendimento mais profundo das práticas de negócios. Afinal, a coleta de insights de um conjunto de dados muito grande requer algum entendimento do que o negócio precisa para crescer ou avançar.

Portanto, os dados, como o desenvolvimento, podem ter postos avançados dentro das unidades de negócios. Seguindo o pensamento que levou aos silos de dados, diferentes departamentos têm necessidades diferentes de dados e podem empregar seus próprios funcionários para filtrar as informações e determinar um curso de ação. Novamente, isso traz um desafio organizacional, pois a TI determina a melhor forma de permitir a flexibilidade enquanto mantém as diretrizes corporativas gerais.

Conforme as empresas evoluem, a estrutura da equipe em torno desses quatro pilares também evolui. Há vários exemplos que mostram como Infraestrutura, Desenvolvimento, Segurança e Dados podem ser configurados em diferentes empresas. Contudo, na prática, cada negócio terá seu próprio estilo. O importante é lembrar que boas práticas de TI começam com uma compreensão sólida desses quatro pilares e fornecem valor verdadeiro por meio do gerenciamento adequado das sobreposições entre as diferentes áreas.

Gerenciando as sobreposições

Obviamente, as funções de TI não acontecem no vácuo. Especialmente onde dois ou mais pilares operam como equipes autônomas, haverá sobreposição à medida que trabalham em direção a objetivos comuns. Cada uma dessas sobreposições tem uma identidade geral, um traço distinto que define a maneira como duas funções se unem.

Cada pilar representa um domínio de TI, especificando os ingredientes usados ​​para fornecer sistemas de negócios. Há certa quantidade de gerenciamento e rastreamento com os pilares individuais, entretanto, os locais onde eles se sobrepõem requerem supervisão e controle mais formais. Existem várias estruturas que descrevem os vários componentes do gerenciamento de serviços de TI (ITIL é o exemplo mais comum), mas em um nível muito alto esta é uma atividade de gerenciamento de projeto.

O gerenciamento de projetos está presente de alguma forma em quase todos os departamentos de TI. Em alguns casos, ele pode residir diretamente na TI; em outras situações, a TI pode contar com um escritório de gerenciamento de projetos (PMO) que atende a todos os departamentos de uma organização. De qualquer forma, geralmente há algum rastreamento e controle necessários para conduzir os projetos das especificações à realidade.

O papel de cada um

Visto em pares, o gerenciamento de projetos garante transferências claras entre os grupos e a aprovação das atividades. Já a infraestrutura entrega ambientes para desenvolvimento para construção, teste e produção. Enquanto isso, a segurança garante que os dados estejam seguindo as diretrizes corporativas. Os dados, por sua vez, ajudam o Desenvolvimento a entender quais aspectos de um aplicativo estão funcionando e quais não.

Essa é uma visão simplificada do processo geral, contudo, destaca as interações que ocorrem entre grupos com diferentes conjuntos de habilidades. Na realidade, todos os quatro pilares se sobrepõem entre si em diferentes extensões, dependendo do projeto. No longo prazo, a sobreposição de todos os quatro pilares inclui priorização, compensações e concessões para atingir os objetivos de negócios.

No entanto, isso vai além do gerenciamento de projetos para se tornar uma função estratégica. CIOs, CTOs ou diretores de TI desempenham essa função quando há departamentos de TI internos. Contudo, os provedores de soluções podem cumprir essa função para clientes sem sua própria equipe técnica. Entretanto, os esforços técnicos sempre vêm com restrições, e essas restrições devem ser definidas e gerenciadas por alguém que aprecie as metas gerais de negócios e tenha uma visão do papel que a tecnologia desempenha no cumprimento dessas metas.

Então, a função de TI consiste em quatro pilares principais que definem os blocos de construção junto com o gerenciamento de projetos e a direção executiva para impulsionar a missão adiante. As ferramentas e tarefas exatas dentro de cada pilar e o potencial geral que pode ser alcançado combinando os domínios mudam com o tempo, à medida que novas tendências introduzem novas possibilidades.

A influência de novas tendências

É comum enxergar quaisquer novas tendências como novos pilares para a TI. Contudo, tópicos como computação em nuvem, Internet das coisas ou inteligência artificial têm grande potencial de interrupção, e isso gera questões sobre como as empresas irão adotar essas novas tecnologias e quais habilidades serão necessárias para prosperar no futuro. Afinal, sem o contexto adequado, essas questões podem ser respondidas com uma abordagem em branco, assumindo que cada peça necessária deve ser construída do zero, sem levar em conta as peças já existentes.

Portanto, as novas tendências certamente afetam a forma e o funcionamento interno dos pilares de TI. Entretanto, os pilares Segurança e Dados estão se tornando unidades autônomas graças à exploração de novos modelos. Então, à medida que as empresas colocam mais ênfase em suas iniciativas técnicas, o equilíbrio entre internalização e terceirização pode mudar. Afinal, tarefas e habilidades dentro de cada pilar estão em fluxo constante com a adição de novas ferramentas.

No entanto, com toda essa mudança, novos pilares de TI não estão sendo criados. Ou seja, as operações de TI ainda são geralmente representadas pelas quatro áreas fundamentais: Infraestrutura, Desenvolvimento, Segurança e Dados. Então, visualizar novas tendências no contexto dessas quatro áreas e a maneira como elas interagem é a chave para entender a maneira como novas habilidades e fluxos de trabalho devem ser estabelecidos.

Exemplo:

Considere a computação em nuvem. Houve muito foco na nuvem na última década, mas o hype provavelmente se justifica. Afinal, a pesquisa e as discussões da CompTIA dentro da indústria apoiam a noção de que a computação em nuvem, juntamente com a mobilidade, estão inaugurando uma nova era de tecnologia empresarial. Nesta nova era, os comportamentos das empresas mudam graças aos recursos desses novos modelos.

Contudo, por mais perturbador que seja, a nuvem ainda não apresenta uma nova função a ser gerenciada. Ao invés disso, a nuvem influencia a mentalidade de cada pilar e traz uma gama de novas opções para a mesa. 

Na função de infraestrutura, por exemplo, a nuvem oferece principalmente uma nova maneira de construir infraestrutura de TI e essa equipe tem preocupações legítimas sobre suas perspectivas futuras. No entanto, a maioria das empresas que adotaram a computação em nuvem não reduziu a equipe de TI, mesmo com a redução da carga de trabalho de manutenção do servidor

Pelo contrário. Com a introdução da nuvem, os funcionários de infraestrutura adotaram um novo ponto de vista. Ou seja, ao invés de acreditar que seu trabalho gira em torno de servidores físicos, eles perceberam que seu trabalho gira em torno de cargas de trabalho. Portanto, manter essas cargas de trabalho em execução com eficiência é uma tarefa necessária, independentemente da arquitetura subjacente, e esses trabalhadores agora podem se concentrar mais na otimização da carga de trabalho.

Já para Desenvolvimento e Dados, as novas opções apresentadas pela computação em nuvem levam a novas possibilidades. Onde antes podia ter um custo proibitivo configurar vários ambientes de teste ou construir uma arquitetura para armazenar grandes quantidades de dados, essas coisas agora estão ao nosso alcance. Isso abre a porta para novas abordagens.

O que muda de fato

O pilar Segurança é talvez o mais provável de sofrer transformação graças à computação em nuvem. Afinal, a movimentação de aplicativos e dados fora das paredes da empresa impulsiona a demanda por novas tecnologias. O uso de múltiplos provedores leva à necessidade de um processo formal de avaliação. E a possibilidade de unidades de negócios adquirirem suas próprias soluções de nuvem torna a educação mais imperativa. Em última análise, a nuvem é um dos principais fatores por trás da formação da Segurança como uma equipe autônoma.

Um exercício semelhante pode ser realizado para mobilidade, Internet das Coisas, inteligência artificial ou qualquer outro grande tópico que esteja causando impacto no setor de TI ou nos negócios em geral. Colocar essas tendências dentro da estrutura de TI fornece uma visão de como os pilares de TI atuais podem ser remodelados para acomodar novas inovações.

Conclusão

Sem dúvida, a tecnologia está se tornando mais complexa. Existem mais ferramentas para escolher e mais partes que compõem um sistema de negócios geral e a experiência do usuário. Portanto, conforme o mundo se torna mais digital, as empresas estão se transformando para usar a tecnologia de forma mais inteligente e estratégica. Essa transformação em face da crescente complexidade é um grande desafio.

No entanto, ao utilizar a estrutura de TI na abordagem de novas tecnologias, as empresas podem evitar confusão em torno da aplicação de novas tendências e distrações que podem levar à ineficiência. A base básica de Infraestrutura, Desenvolvimento, Segurança e Dados evoluiu com o tempo, mas continua a definir as operações de TI que agregam valor aos negócios. Ou seja, permanecem sendo os quatro pilares básicos da TI.

Alternativa 

A Infonova já atendeu mais de 135 clientes dos mais diversos segmentos, desde corporate, governo, PME até indústria do entretenimento e saúde. Você pode conferir a lista completa de clientes satisfeitos da Infonova aqui.

A Infonova usa uma metodologia consolidada. Portanto, essa empresa de TI conta com depoimentos da maioria de seus clientes garantindo a qualidade do atendimento.

metodologia infonova

Em relação à confiança, a Infonova comprova sua transparência e seriedade logo no início do nosso contrato. Afinal, é quando realiza uma visita inicial de manutenção intensiva em todos os computadores da sua empresa e também servidores.

Inclusive, se você pedir, a Infonova oferece um mapeamento de todo seu ambiente de TI.  Afinal, seu interesse é conhecer toda sua infraestrutura e, de cara, resolver todas as suas dores.

modelos de contrato

Resumindo, a Infonova faz um diagnóstico para identificar como está a sua TI. Então, avalia o que está bom, resolvemos o que está ruim e cria um projeto para o que é possível melhorar. Tudo isso sem custo. Ou seja, a Infonova conta com as melhores condições custo-benefício do mercado. Especialmente em relação a automação da infraestrutura em nuvem e outras inovações.

Perfil Infonova

A expertise da Infonova permite fornecer atendimento técnico local com escalas flexíveis definidas pelo cliente. Estas incluem:

  • Atendimento por demanda;
  • Disponibilização de equipes com 1 técnico local e retaguarda especializada; 
  • Equipes completas com até 200 profissionais qualificados para assumir parte ou toda a operação de TI.
Colaboradores

O trabalho executado pela equipe da Infonova é primoroso. Afinal, essa empresa de TI se preocupa com seus funcionários. Ou seja, a Infonova oferece participação nos lucros aos seus colaboradores a fim de mantê-los sempre motivados. Além disso, a contratação dos analistas é CLT Full, o que reduz o turnover e aumenta a confiança. 

Soluções

Como a empresa de TI completa que é, a Infonova tem soluções voltadas para PMEs, Governo e Corporate. Todas compreendem modelos flexíveis com início rápido e transição sem dor.

Confira a seguir:

soluções infonova

Para saber mais sobre os serviços da Infonova e como acelerar seu Wi-Fi, entre em contato pelo (11) 2246-2875 ou clique aqui.

Se quer saber mais sobre o que nossos clientes têm a dizer sobre nossos serviços, baixe gratuitamente nossos cases exclusivos.

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Acesse informação exclusiva para nossos clientes e esteja informado. Conheça as técnicas, ferramentas e estatísticas do mercado, de graça, e no seu email.
É só preencher o formulário para acessar.

Receba Gratuitamente

Passo 2
0%

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.