Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Anywhere Operations e TI descentralizada

Por Juliana Gaidargi em 18/01/2022 em Gestão de TI

A pandemia forçou as empresas a um modelo abrupto de força de trabalho híbrida. Felizmente, o Anywhere Operations ajuda as organizações de TI a dar suporte a seus funcionários, usuários e infraestrutura – onde quer que estejam.

Anywhere Operations

Anywhere Operations é uma forma de gerenciamento de TI. Seu principal diferencial é que ela estende os negócios muito além dos limites de um escritório físico para atender funcionários, usuários e dispositivos onde quer que estejam. Devido às medidas mundiais de distanciamento social em vigor nos últimos dois anos, esses usuários e funcionários podem estar localizados em praticamente qualquer lugar – e as organizações mal podem esperar para alcançá-los.

Em outras palavras, o Anywhere Operations é uma maneira orientada para a TI de descrever um modelo de força de trabalho híbrida, que deve apoiar a equipe e os usuários igualmente, sejam eles locais ou remotos. Outra maneira de descrever as operações em qualquer lugar é por meio do modelo de TI descentralizado. Afinal, este enfatiza a movimentação da infraestrutura para mais perto das fontes de dados e dispersa o poder de tomada de decisão de uma abordagem centralizada de cima para baixo.

No entanto, as Anywhere Operations não são apenas uma força de trabalho e uma base de usuários que foram dispersadas ao vento. Ela também aborda uma mudança na dinâmica e composição do cliente. Por exemplo, os dispositivos de borda podem ser categorizados como usuários em algumas situações, não apenas os humanos que os gerenciam. Trata-se também de manter a infraestrutura de TI distribuída, que existe na nuvem e no local. contudo, ambas devem estar disponíveis em qualquer lugar, a qualquer hora.

Os usuários não são estáticos

Os usuários de uma organização podem estar em todo o país – ou no mundo – ou podem estar em um local físico único. Mas o problema com essa distribuição de usuários é que eles geralmente alternam entre esses locais. No entanto, precisam dos mesmos níveis de acesso ao seu trabalho a partir de qualquer dispositivo físico. Então, a infraestrutura de operações em qualquer lugar da organização deve suportar não apenas os dois formatos, mas a capacidade de fazer a transição entre eles sem caos.

Na Conferência de Infraestrutura de TI, Operações e Estratégias de Nuvem do Gartner, o analista Tony Harvey destacou que as empresas bem-sucedidas são aquelas com as quais é fácil trabalhar. 

Os funcionários não querem uma gaiola

Nesse contexto, gaiola significa apenas um arranjo de trabalho inflexível, seja um requisito permanente no escritório ou restrições de dispositivo ou acesso. Especialmente com as condições de pandemia que perduram no futuro indefinido, os funcionários não querem ficar restritos a um escritório físico. Entretanto, muitos querem que a opção híbrida entre às vezes. Essa demanda por flexibilidade apresenta desafios para os negócios que devem apoiá-los e sua mobilidade sem comprometer a experiência ideal para qualquer modalidade, especialmente para reuniões co-localizadas e colaboração de trabalho.

Na sessão, Harvey apresentou a classificação do Gartner de arranjos de trabalho modernos em união e separação – não versus. Resumidamente:

  • Trabalhar em conjunto refere-se à congregação de colaboradores num espaço físico, nomeadamente em termos de colaboração e reuniões de grupo.
  • Contudo, trabalhar sozinho em conjunto também se refere ao pessoal reunido em um espaço físico, mas mais especificamente ao trabalho independente realizado em mesas.
  • Trabalhar juntos separados refere-se à prática forçada pela pandemia de reuniões e espaços de trabalho virtuais, como Zoom ou Microsoft Teams.
  • Já trabalhar sozinho separado refere-se a funcionários que trabalham remotamente, como em home office, sem a presença de outros colegas de trabalho.

Em 2022, a maioria dos funcionários da maioria dos setores ainda está trabalhando remotamente. Contudo, alguns fazem visitas periódicas ao escritório. Entretanto, muitos trabalhadores estão começando a fazer viagens mais frequentes em seus escritórios tradicionais. As reuniões híbridas são um ponto de discórdia em uma organização de TI descentralizada com membros de equipe locais e remotos. Portanto, a facilidade com que os trabalhadores remotos podem participar de uma reunião com colegas locais, por exemplo, é uma questão necessária a ser abordada.

Ferramentas fundamentais em Anywhere Operations

São ferramentas importantes em uma organização de TI descentralizada alimentada por Anywhere Operations, aquelas que abordam colaboração, acesso e segurança. A experiência geral do funcionário também é um elemento vital do gerenciamento de TI em uma organização de TI descentralizada. Isso é o que o Gartner chama de DEX, ou gerenciamento de experiência digital do funcionário.

O gerenciamento DEX abrange os processos e ferramentas que os funcionários usam para trabalhar. No entanto, com igual ênfase nas estatísticas de desempenho de seus dispositivos e como eles se sentem em relação a essas ferramentas. O Gartner chamou a insatisfação da equipe com ferramentas, desempenho do dispositivo e acesso a aplicativos de “atrito digital”. Felizmente, a liderança de TI pode resolver isso com as quatro ações a seguir:

  • Decretar um esforço conjunto para analisar a experiência;
  • Remediar os problemas à medida que eles surgem. Idealmente, antes que esse problema crie imensa frustração;
  • Identificar oportunidades de automação; 
  • Comunicar-se proativamente para garantir que não surjam problemas no futuro.

Equilibre infraestrutura com segurança

Outro desafio importante para gerenciar um modelo organizacional de Anywhere Operations é garantir que a infraestrutura certa esteja em vigor para suportá-lo. E essa infraestrutura deve ser apoiada igualmente em todas as modalidades para a equipe que a usa.

O equipamento que a equipe usa para acessar suas tarefas de trabalho mudou drasticamente nos últimos anos. Portanto, surgiu uma variedade de opções. Os profissionais de TI exigem acesso igual ao seu trabalho de qualquer lugar, portanto, esse requisito geralmente significa plataformas e aplicativos em nuvem. Então, as organizações que buscam uma metodologia direcionada a Anywhere Operations têm uma variedade de opções para oferecer suporte a essa diversidade no local de trabalho. Isso inclui políticas de BYOD (traga seu próprio dispositivo), infraestrutura de desktop virtual (VDI) e provedores de desktop como serviço (DaaS).

Entretanto, as políticas BYOD são complexas nas melhores circunstâncias. Afinal, os dispositivos pessoais são inerentemente menos seguros do que os dispositivos fornecidos e gerenciados pelos empregadores. Ou seja, as empresas não têm controle sobre os aplicativos ou políticas de segurança nesses dispositivos. Então, também têm o desafio de garantir que dados confidenciais não sejam movidos para onde não deveriam.

CDI x DaaS

Só quem tem a infraestrutura consegue diferenciar VDI e DaaS. Afinal, com a VDI, a organização tem propriedade total sobre a infraestrutura e os desktops que usa, o que a torna popular para organizações com requisitos de segurança rigorosos. Já o DaaS, por outro lado, é uma infraestrutura virtual de propriedade e mantida por um provedor de nuvem. Contudo, ambas as opções fornecem aos trabalhadores acesso remoto a uma versão hospedada na nuvem de seu desktop. Isso de forma completa com os aplicativos necessários, níveis de acesso e dados. Entretanto, as políticas de segurança e conformidade de uma organização de TI devem informar a escolha entre essas duas opções, juntamente com questões como custo de uso e operação.

Com essas configurações de infraestrutura virtual, os funcionários podem criar, transmitir, processar e armazenar dados sem nunca tocar em um dispositivo de propriedade da empresa. Isso significa que os dados de uma organização podem existir em qualquer lugar – e em vários lugares ao mesmo tempo. Contudo, exige que as organizações de TI considerem suas medidas de segurança com cuidado. 

Então, aproveite opções como confiança zero para avaliar os perfis de usuário e a detecção de ameaças do dispositivo e a identidade do serviço. Minimize o acesso a sistemas e dados necessários e estabeleça protocolos e filtros, como prevenção de extração de dados ou até mesmo controles sobre quem tem permissão para imprimir quais tipos de documentos, se houver. Os controles de acesso baseados em função também são uma adição valiosa à postura de segurança de um ecossistema de TI.

Anywhere Operations e organizações de TI descentralizadas exigem infraestrutura distribuída posicionada mais próxima das fontes de dados que a alimentam. No entanto, essas organizações também devem dar grande ênfase às medidas de segurança e acesso, bem como investir em automação.

Métodos de entrega de serviços: a chave para operações em qualquer lugar

Para o sucesso das operações em qualquer lugar, as empresas devem se concentrar nos métodos de entrega de serviços. No entanto, esta não é uma decisão da TI. Afinal, o valor do negócio deve ser o foco.

Com a chegada da pandemia do COVID-19, as organizações tiveram que se esforçar para garantir que pudessem apoiar clientes e funcionários em todos os lugares enquanto faziam a transição para o trabalho em casa. Muitos foram bem sucedidos em resolver o problema, mas agora o padrão foi estabelecido. Portanto, a TI deve continuar a fornecer serviços em qualquer lugar e o mais rápido possível – não há como voltar atrás.

Na Gartner IT Infrastructure, Operations and Cloud Strategies Conference, David Cappuccio, analista vice-presidente e chefe de pesquisa para infraestrutura do Gartner, liderou uma sessão. Ela tratou sobre como criar uma estratégia de operações em qualquer lugar eficaz e just-in-time para ajudar os administradores de TI a entregar cargas de trabalho a qualquer hora, em qualquer lugar.

À medida que os prazos de entrega e as janelas de planejamento do DevOps diminuem, a TI deve atender à demanda das mudanças do mercado e rápidas implantações e ciclos de lançamento. Então, para evitar o caos, as equipes de negócios e de TI devem trabalhar juntas para formar uma estratégia de métodos de entrega de serviços para garantir que a TI possa se adaptar para atender às necessidades de negócios.

Crie proteções de TI

Para fornecer acesso completo aos clientes e funcionários, a TI deve criar uma estratégia de alocação de carga de trabalho que se concentre no que impulsiona os negócios, e não na tecnologia para cargas de trabalho específicas.

“A TI deve mudar sua mentalidade. Ou seja, o posicionamento da carga de trabalho não deve se orientar por regras de TI, mas por necessidades de negócios. Afinal, a colaboração entre grupos é a chave para o sucesso”, disse Cappuccio. Uma estratégia padrão permite que as equipes trabalhem rapidamente em um ambiente controlado e gerenciável, o que ajuda a reduzir a complexidade e promover a rápida adoção.

Em uma estratégia de posicionamento de carga de trabalho, defina o número de opções de entrega, bem como como e onde implantar cargas de trabalho. As proteções de entrega padrão devem ajudar a orientar os processos de entrega – não controlá-los – para que nada saia do controle. “A velocidade de implantação equivale ao valor do negócio”, disse Cappuccio.

Planejar globalmente

A experiência do cliente desempenha um fator importante no posicionamento da carga de trabalho e nos métodos de entrega de serviços. A TI deve considerar quem são os clientes e a solução ou problema de negócios que eles devem resolver ao planejar sua estratégia de entrega de serviços. Isso pode variar de latência para região ou conformidade, e os sistemas devem ser baseados nesses fatores de entrega, e não na tecnologia. Afinal, os clientes podem estar localizados em muitas regiões diferentes e as empresas podem precisar de vários locais ou certos níveis de redundância para executar o mesmo tipo de carga de trabalho.

Entretanto, um aspecto a ser abordado é o local de onde sua equipe entregará seu trabalho, ou seja, no local, na nuvem ou via software como serviço. As organizações devem escolher qual método de entrega será melhor para seus clientes e avaliar todas as opções relevantes para garantir os maiores benefícios comerciais.

Mapeie um método de entrega de serviço para infraestrutura

Todos os componentes de uma infraestrutura de Anywhere Operations devem ser compatíveis e adaptáveis. Ao escolher tipos de carga de trabalho, locais ou nós para operações em qualquer lugar, considere diferentes fatores, como risco, custo, agilidade, inovação, disponibilidade, desempenho, proximidade e regulamentação – tudo em relação ao valor comercial.

Cada nó pode se interconectar e haverá espaço para flexibilidade para mudar no futuro?

Fazer esse tipo de pergunta ajuda a TI a criar um ecossistema claramente definido que descreve como implantar e integrar fluxos de trabalho. Então, quando chegar a hora de adicionar novos recursos, cargas de trabalho ou funções de negócios, a TI já terá um plano de jogo em vigor.

O mercado muda constantemente e as equipes e empresas de TI devem ser capazes de se transformar em um piscar de olhos. Portanto, defina as regras e expectativas com uma estratégia de operações em qualquer lugar construída em torno de métodos de entrega de serviços. Assim, a TI pode se adaptar rapidamente às necessidades de negócios e planejar o desconhecido.

Aproveite a tendência de operações em qualquer lugar com capacidade de composição

A capacidade de acessar a infraestrutura remotamente é crucial para que as organizações de TI atendam às iniciativas de negócios. A infraestrutura composta é uma maneira de dar suporte a esse modelo.

Período pré-pandemia

Antes da pandemia do COVID-19, o trabalho remoto não era inédito, mas agora é essencial. No entanto, é preciso mais do que apenas enviar laptops aos funcionários para estabelecer um modelo de operações em qualquer lugar.

Uma maneira de avançar com sucesso na tendência de operações em qualquer lugar é criar uma infraestrutura composta.

“Do ponto de vista de I&O, [a capacidade de composição] também nos ajudará a lidar com esse mundo de operações em qualquer lugar, onde nossa infraestrutura está em todos os lugares – está na nuvem, está na borda, está em nossos data centers tradicionais; nossos funcionários estão dispersos por todo o mundo”, disse Roger Williams, analista de vice-presidente do Gartner, em uma apresentação na Gartner IT Infrastructure, Operations & Cloud Strategies Conference 2021. “E nossos clientes estão em muitos ambientes diferentes [e] querem poder acessar isso quando e onde quiserem. Nossa capacidade de lidar com isso requer capacidade de composição para que tenhamos sucesso.”

Antes de começarmos com a composição, precisamos entender seus princípios básicos. E uma vez que a composição está em vigor, precisamos avaliá-la usando a abordagem KALM.

O que é componibilidade?

A capacidade de composição dissocia os recursos do dispositivo, como computação física e armazenamento, para tratá-los como serviços. Essa configuração de infraestrutura libera os administradores de TI de se preocuparem com a localização física dos componentes – ideal para uma estrutura de operações em qualquer lugar.

A composição baseia-se em quatro princípios principais:

  • Modularidade. Divida um domínio em partes específicas que podem ser dimensionadas e controladas.
  • Orquestração. Gerencie as interações entre essas peças para atingir metas.
  • Autonomia. Minimize a interdependência de componentes para que as alterações em uma única peça não afetem as outras.
  • Descoberta. Encontre essas peças e outras para agilizar o trabalho.

Com esses quatro elementos, as equipes de TI podem usar a capacidade de composição para apoiar a adoção da tendência de operações em qualquer lugar.

Como começar?

A primeira etapa para habilitar as operações em qualquer lugar com capacidade de composição é encontrar uma área que não tenha a flexibilidade ou a resiliência de que você precisa. Este ponto de foco deve se encaixar idealmente nestas características:

  • É importante – idealmente para alguém fora da infraestrutura e das operações.
  • A implementação atual prejudica o negócio.
  • Ele apela para a organização mais ampla.
  • É o momento certo para agir.

Depois que uma equipe escolhe sua área de foco, ela deve avaliar essa questão em relação aos princípios centrais da composição. Para essa avaliação, chame as pessoas certas para ajudar, como os arquitetos que trabalharão no projeto ou outras partes interessadas importantes.

Em seguida, tome medidas para corrigir a área que está aquém. Se a modularidade estiver faltando, uma equipe de TI pode precisar dividir as entidades complexas e tornar as entradas e saídas consistentes. Para problemas de orquestração, simplifique os fluxos de trabalho e adote as ferramentas certas para a situação. Para lidar com questões de autonomia, separe recursos e simplifique as regras de aprovação. Se o problema estiver na descoberta, facilite a localização de itens populares – por exemplo, use sinalizadores de recursos para destacar as coisas ou personalize portais.

Avalie as mudanças com a abordagem KALM

Depois de fazer alterações em um gargalo, a próxima etapa é revisar como foi. Uma maneira de fazer isso é usar a abordagem KALM: Manter, Adicionar, Menos, Mais.

Essa abordagem requer quatro perguntas:

O que queremos manter que agrega valor? Para responder a essa pergunta, observe as ferramentas e práticas já existentes que agregam valor à sua organização.

O que ainda precisamos adicionar? A resposta é o que você achou que estava faltando ou teria sido útil. Por exemplo, ferramentas ou técnicas que sua organização gostaria de experimentar no futuro para ajudar a resolver esse problema.

Existe algo que podemos fazer menos? Isso pode significar reavaliar ferramentas que você pensou que usaria, mas não usou. Também pode significar avaliar as atividades que afastaram a equipe do trabalho. Anote isso para quaisquer iterações futuras.

O que podemos fazer mais? A resposta a essa pergunta está na regra 80/20, que pergunta qual foi a ação de 20% que rendeu 80% do benefício e como tirar mais proveito dessas ações no futuro.

Responder a essas perguntas em uma revisão ajudará a orientar uma organização sobre como usar a capacidade de composição para que ela possa aproveitar a tendência de operações em qualquer lugar.

Você também pode contar com um suporte de TI especializado capaz de sinalizar e implementar as melhorias necessárias na sua empresa.

Sobre a Infonova

A Infonova já atendeu mais de 135 clientes dos mais diversos segmentos, desde corporate, governo, PME até indústria do entretenimento e saúde. Você pode conferir a lista completa de clientes satisfeitos da Infonova aqui.

A Infonova usa uma metodologia consolidada. Portanto, essa empresa de TI conta com depoimentos da maioria de seus clientes garantindo a qualidade do atendimento.

Em relação à confiança, a Infonova comprova sua transparência e seriedade logo no início do nosso contrato. Afinal, é quando realiza uma visita inicial de manutenção intensiva em todos os computadores da sua empresa e também servidores.

Inclusive, se você pedir, a Infonova oferece um mapeamento de todo seu ambiente de TI.  Afinal, seu interesse é conhecer toda sua infraestrutura e, de cara, resolver todas as suas dores.

Resumindo, a Infonova faz um diagnóstico para identificar como está a sua TI. Então, avalia o que está bom, resolvemos o que está ruim e cria um projeto para o que é possível melhorar. Tudo isso sem custo. Ou seja, a Infonova conta com as melhores condições custo-benefício do mercado. Especialmente em relação a automação da infraestrutura em nuvem e outras inovações.

Perfil Infonova

A expertise da Infonova permite fornecer atendimento técnico local com escalas flexíveis definidas pelo cliente. Estas incluem:

  • Atendimento por demanda;
  • Disponibilização de equipes com 1 técnico local e retaguarda especializada; 
  • Equipes completas com até 200 profissionais qualificados para assumir parte ou toda a operação de TI.
Colaboradores

O trabalho executado pela equipe da Infonova é primoroso. Afinal, essa empresa de TI se preocupa com seus funcionários. Ou seja, a Infonova oferece participação nos lucros aos seus colaboradores a fim de mantê-los sempre motivados. Além disso, a contratação dos analistas é CLT Full, o que reduz o turnover e aumenta a confiança. 

Soluções

A Infonova tem soluções voltadas para PMEs, Governo e Corporate. Contudo, todas essas soluções compreendem modelos flexíveis com início rápido e transição sem dor.

Confira a seguir:

Para saber mais sobre os serviços da Infonova e sinais de alerta sobre seu treinamento de TI, entre em contato pelo (11) 2246-2875 ou clique aqui.

Se quer saber mais sobre o que nossos clientes têm a dizer sobre nossos serviços, baixe gratuitamente nossos cases exclusivos.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA