Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Repatriação da nuvem e cargas de trabalho – Mito ou tendência?

Por Juliana Gaidargi em 4/03/2021 em Cloud

A repatriação da nuvem é um assunto complicado. Afinal, há quem diga que ele nunca acontece. Contudo, outros afirmam que a repatriação da nuvem é uma tendência crescente para cargas de trabalho. Ambos os lados estão certos. 

Os clientes da nuvem costumam mover suas cargas de trabalho da nuvem pública devido a vários fatores. Contudo, entre eles, destacam-se:

No entanto, quão comum é esse movimento em si?

Muitas organizações consideram a repatriação de cargas de trabalho em nuvem em algum momento. Entretanto, poucas chegam a esse ponto de fato. Ainda assim, o repatriamento da nuvem tem uma função na TI moderna. Principalmente como um plano de contingência em seu manual de TI.

Computação como utilitário

A ideia da computação como um utilitário existe desde o início da Internet. Portanto, nas décadas que se seguiram, a computação em nuvem pública surgiu para cumprir as promessas básicas da computação utilitária. Ou seja, acesso imediato a vastos recursos de computação e armazenamento. Contudo, incluindo uma série de serviços poderosos, todos disponíveis sob demanda com preços baseados no consumo modelo.

Então, a nuvem pública se tornou um enorme sucesso. Afinal, organizações de todos os tamanhos implantam cargas de trabalho estrategicamente e armazenam dados na vasta infraestrutura global de um provedor. Isso minimiza o investimento de capital e a sobrecarga associados aos data centers tradicionais. No entanto, a nuvem pública não é perfeita.

Por isso a ideia de repatriação de nuvem tem alguma validade. Afinal, a adoção bem-sucedida da computação utilitária é muito mais complicada do que inserir um plugue em um receptáculo. Além disso, nem todas as cargas de trabalho podem, ou mesmo deveriam, ser migradas para uma nuvem pública. 

Contudo, quando os resultados ficam aquém das expectativas, a empresa enfrenta a perspectiva problemática do que chamamos de repatriar a carga de trabalho de volta para o data center local. Uma pesquisa da IDC revelou que 85% dos entrevistados consideraram alguma forma de repatriação de nuvem. No entanto, isso não significa que eles realmente mudaram.

As realidades da repatriação de nuvem

Muitos usuários da nuvem pública consideram a repatriação da nuvem. Entretanto, a maioria das organizações não precisará realmente fazer isso. Os resultados da pesquisa do Gartner intitulado “Defina e entenda novos termos de nuvem para ter sucesso na nova era da nuvem”, indicam o seguinte:

Cerca de 21% dos 134 entrevistados repatriaram cargas de trabalho. No entanto, apenas cerca de 4% repatriaram cargas de trabalho de um provedor de nuvem pública. O restante foi repatriado de colocation, SaaS ou outros serviços externos.

“Se uma carga de trabalho ou projeto não está entregando os resultados desejados, pode fazer sentido mover essa carga de trabalho. Contudo, observe que esta é uma decisão de carga de trabalho por carga de trabalho. Ou seja, não se trata de uma megatestratégia geral. Portanto, pode ser realista para essa carga de trabalho, mas realmente depende” – David Mitchell Smith, distinto analista de VP do Gartner.

O fato é que as organizações normalmente repatriam devido à insatisfação com um fornecedor externo. Contudo, há casos em que não desejam mais usar nuvem pública ou recursos de colocation extensivamente para cargas de trabalho de desenvolvimento e teste. Ou seja, cargas de trabalho que nunca foram planejadas para viver permanentemente na nuvem de qualquer maneira.

Toda carga de trabalho pertence à nuvem?

Geralmente, a empresa pode perceber que nem toda carga de trabalho deve existir na nuvem. Ainda assim, o repatriamento da nuvem é uma exceção e não a regra. Além disso, repatriar uma carga de trabalho com eficácia costuma ser muito mais fácil de falar do que fazer.

A repatriação da nuvem pode ser relativamente rápida e indolor quando os provedores de nuvem e clientes compartilham pilhas comuns. Por outro lado, será um desafio maior para uma empresa que fez a transição completa para um modelo nativo da nuvem. Afinal, nele a TI se preocupa principalmente com o gerenciamento de serviços. Portanto, ele pode descobrir que a infraestrutura, tal como o conjunto de habilidades, não podem ser repatriados de forma eficaz.

Plataformas mais novas, como Kubernetes podem ajudar. Especialmente em comparação com VMs, que têm dependências maiores. Portanto, se a nuvem e o ambiente local usarem Kubernetes, você poderá ter uma migração mais fácil. Afinal, eles servem para orquestração e automação de contêineres.

Repatriação no manual de TI

Em última análise, o repatriamento da nuvem ainda é uma parte prudente do planejamento de contingência. Afinal, a maioria das empresas não precisará repatriar cargas de trabalho que foram devidamente arquitetadas e otimizadas para implantação na nuvem pública. Contudo, você deve saber como abordar uma repatriação e executar tal movimento, se necessário.

Essas contingências não ocorrem necessariamente por conta de omissões ou erros iniciais. Mas sim devido ao impacto incalculável de mudanças futuras. Principalmente à medida que o setor de nuvem pública continua a amadurecer e evoluir.

“Digamos que as gravações de banco de dados aumentem de preço. Então, agora você precisa otimizar seu aplicativo ou então seus custos irão disparar além do seu orçamento. O desafio é como arquitetar suas cargas de trabalho de forma que possam ser alternadas entre uma nuvem pública e uma privada” – Sclafani.

Portanto, as organizações devem lembrar que os provedores de nuvem são empresas independentes projetadas para gerar receita para os provedores de nuvem. Dessa forma, os usuários devem estar sempre prontos para a mudança da parceria.

Por que repatriar cargas de trabalho na nuvem

Existem quatro fatores principais que levam as organizações a considerarem a mudança de uma implantação de nuvem de volta para o data center local: 

  1. Custo;
  2. Segurança;
  3. Disponibilidade;
  4. Habilidades. 

Portanto, as empresas devem construir suas contingências em torno dessas questões.

1.Custo

A premissa básica da nuvem pública é a seguinte: é mais barato usar o utilitário de outra pessoa do que construir e operar um você mesmo. Então, com a nuvem pública, uma empresa geralmente pode renunciar às despesas de capital e à manutenção contínua de possuir e operar um data center.

No entanto, na prática, os custos da nuvem para uma carga de trabalho podem envolver um número surpreendente de recursos relacionados. Isso pode incluir:

Isso, além de outros custos de componentes não aparentes ao planejar uma implantação de carga de trabalho para a nuvem pública. Portanto, o custo de cargas de trabalho em nuvem complexas pode exceder as expectativas. Especialmente se a utilização da carga de trabalho ou os custos de serviço subjacentes mudarem com o tempo.

“A nuvem pode ser cara e definitivamente chega um momento em que a interseção de custo e desempenho está em conflito direto com seu orçamento. O desafio é que isso depende muito do provedor de nuvem, da arquitetura de seu aplicativo e do padrão de tráfego / uso” – Sclafani.

2.Segurança

Do ponto de vista tecnológico, a nuvem pública não é inerentemente menos segura do que um data center privado. Afinal, quando ocorre vazamento de dados ou acesso impróprio, a causa costuma ser atribuída à configuração e precaução inadequadas por parte do usuário da nuvem.

Contudo, algumas empresas percebem isso tarde demais. Além disso, algumas cargas de trabalho críticas podem não funcionar para a nuvem. Afinal, tudo depende de:

  • Natureza do acesso remoto;
  • Controle de acesso granular dentro da nuvem pública;
  • Demandas adicionais de segurança da conformidade corporativa e regulatória moderna.

“Existem alguns requisitos de relatórios. Portanto, hospedar dados em outro lugar [na nuvem pública] requer muito mais etapas para verificar. Contudo, se os dados forem armazenados localmente, mesmo em um pod de nuvem pública, você ainda terá um nível maior de controle físico. E este é um elemento fundamental de qualquer estratégia de segurança” –  Sclafani. 

3.Disponibilidade

As nuvens públicas certamente não são imunes a interrupções. Embora cada vez mais raras, as interrupções na nuvem podem durar dias e impactar milhares de clientes. Nesses casos, os clientes de nuvem ficam à mercê do provedor. Afinal, cabe a ele alocar recursos e direcionar os esforços de remediação. Contudo, às vezes, isso deve ser feito enquanto os próprios acordos de nível de serviço das empresas são afetados.

Por outro lado, com uma carga de trabalho local, a empresa tem controle total sobre a disponibilidade e o desempenho do aplicativo. Afinal, a equipe interna de TI adequada aos requisitos da carga de trabalho pode abordar e corrigir problemas. 

Em alguns casos, as cargas de trabalho podem ser executadas simultaneamente. Ou seja, na nuvem e localmente. Dessa forma, é possível fornecer melhor desempenho e uma medida de resiliência que as nuvens públicas sozinhas podem não acomodar. Este é um dos casos em que a repatriação da nuvem em relação às cargas de trabalho pode ser útil.

4.Habilidades

As cargas de trabalho em nuvem exigem um conjunto de habilidades específicas. Portanto, a equipe de uma organização precisará se ajustar. Isso inclui desde o provisionamento da infraestrutura em nuvem até a geração de relatórios de desempenho. 

Ou seja, as empresas que adotam a nuvem pública devem equipar a equipe de TI com uma ampla gama de arquitetura de nuvem e habilidades de IaaS. Mesmo aquelas que podem não ser necessárias com a TI interna tradicional. 

Afinal, as lacunas de habilidades podem levar a omissões de segurança, problemas de desempenho e outras limitações da carga de trabalho que exigem o retorno da carga de trabalho ao data center local.

Alternativa

Você também pode contratar uma empresa de TI especializada em nuvem para ajudar nessa gestão e transição, quando necessário. A Infonova, por exemplo, tem vasta experiência em cloud além de boas recomendações de seus mais de 135 clientes atendidos.

Sobre a Infonova

A Infonova é uma empresa fundada em 2002 que, atualmente, é uma empresa verdadeiramente consolidada no mercado.

Seus clientes atuam nos mais diversos segmentos, desde corporate, governo, PME até indústria do entretenimento e saúde. Você pode conferir a lista completa de clientes satisfeitos da Infonova aqui.

A Infonova atende seus clientes por meio de uma metodologia consolidada. Portanto, essa empresa de TI conta com depoimentos da maioria de seus clientes garantindo a qualidade do atendimento.

metodologia infonova

Em relação à confiança, a Infonova comprova sua transparência e seriedade logo no início do nosso contrato. Afinal, é quando realiza uma visita inicial de manutenção intensiva em todos os computadores da sua empresa e também servidores.

Inclusive, se o cliente pedir, a Infonova oferece um mapeamento de todo seu ambiente de TI.  Afinal, seu interesse é conhecer toda sua infraestrutura e, de cara, resolver todas as suas dores.

modelos de contrato

Resumindo, a Infonova faz um diagnóstico para identificar como está a sua TI. Então, avalia o que está bom, resolvemos o que está ruim e cria um projeto para o que é possível melhorar. Tudo isso sem custo. Ou seja, a Infonova conta com as melhores condições custo-benefício do mercado.

Perfil Infonova

A expertise da Infonova permite fornecer atendimento técnico local com escalas flexíveis definidas pelo cliente. Estas incluem:

  • Atendimento por demanda;
  • Disponibilização de equipes com 1 técnico local e retaguarda especializada; 
  • Equipes completas com até 200 profissionais qualificados para assumir parte ou toda a operação de TI.
Colaboradores

O trabalho executado pela equipe da Infonova é primoroso. Afinal, essa empresa de TI se preocupa com seus funcionários. Ou seja, a Infonova oferece participação nos lucros aos seus colaboradores a fim de mantê-los sempre motivados. Além disso, a contratação dos analistas é CLT Full, o que reduz o turnover e aumenta a confiança. 

Soluções

Como a empresa de TI completa que é, a Infonova tem soluções voltadas para PMEs, Governo e Corporate. Todas compreendem modelos flexíveis com início rápido e transição sem dor.

Confira a seguir:

soluções infonova

Para saber mais sobre os serviços da Infonova, entre em contato pelo (11) 2246-2875 ou clique aqui.

Se quer saber mais sobre o que nossos clientes têm a dizer sobre nossos serviços, baixe gratuitamente nossos cases exclusivos

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Acesse informação exclusiva para nossos clientes e esteja informado. Conheça as técnicas, ferramentas e estatísticas do mercado, de graça, e no seu email.
É só preencher o formulário para acessar.

Receba Gratuitamente

Passo 2
0%

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.