Blog Infonova

Informação para tomada de decisão

Resultado da pesquisa por: ""

Tudo sobre os principais provedores de nuvem

Por Juliana Gaidargi em 6/09/2020 em Cloud

A computação em nuvem em 2020 está mais madura. Portanto, ela provavelmente se tornará mais focada na vertical e em uma guerra de terreno de vendas conforme os principais provedores de nuvem lutam por participação de mercado. Afinal, a corrida da computação em nuvem em 2020 tem demonstrado um rápido rodízio entre os principais provedores de nuvem.

principais provedores de nuvem

Aqui você poderá conferir como os principais provedores de nuvem se comparam, o mercado híbrido e os players SaaS que administram sua empresa, bem como seus movimentos estratégicos mais recentes.

Como escolher entre os principais provedores de nuvem?

Escolher um entre os principais provedores de nuvem não é fácil. Afinal, a resposta, tal como a escolha de um software corporativo e TI em geral, se resume a “depende”. Quer se trate de Amazon Web Services, Microsoft Azure e plataforma Google Cloud em infraestrutura como serviço, ou IBM, Dell Technologies, Hewlett-Packard Enterprise e VMware em implantações híbridas de várias nuvens, há várias variáveis ​​para cada empresa. O mesmo vale para software como serviço, onde empresas como Salesforce, Adobe e Workday lutam contra SAP e Oracle, um player de infraestrutura e banco de dados como serviço.

Dito isso, algumas tendências importantes estão surgindo para a computação em nuvem em 2020. E vale lembrar que estas mudaram consideravelmente entre 2019, 2018 e 2017.

Home office e os provedores de nuvem

A pandemia de COVID-19 e a mudança para trabalho remoto e videoconferência estão acelerando as mudanças para a nuvem. Dessa forma, as empresas estão cada vez mais vendo a nuvem como um mecanismo de transformação digital, bem como uma tecnologia que melhora a continuidade dos negócios. Afinal, como o trabalho foi forçado a ficar remoto devido a pedidos de estadia em casa, as tarefas foram em grande parte feitas na infraestrutura em nuvem. Ou seja, ferramentas de colaboração como Microsoft Teams e Google Meet tornaram-se engrenagens no ecossistema de nuvem mais amplo das empresas. 

O sistema multi-nuvem é um ponto de venda e uma meta aspiracional para empresas. Afinal, elas  estão bem cientes da dependência para com o fornecedor e desejam abstrair seus aplicativos para que possam ser movidos entre nuvens. Felizmente, o tema de várias nuvens está sendo promovido entre fornecedores de legado que criaram plataformas que podem se conectar a várias nuvens. Geralmente com uma grande dose de VMware ou Red Hat. 

Aquisição de dados

Contudo, o ponto principal encontra-se na aquisição de dados. Afinal, quanto mais dados corporativos residem em uma nuvem, mais aderente o cliente se torna ao fornecedor. Não é segredo que os principais provedores de nuvem estão incentivando as empresas a usarem suas plataformas para armazenar dados para tudo. Ou seja, desde análises a experiências personalizadas.

Diferenciais

A inteligência artificial, análises, IoT e computação de ponta serão os diferenciadores entre os principais provedores de nuvem, assim como os serviços gerenciados e sem servidor. Sob essa perspectiva, o ganho de share market foi em grande parte para a AWS, que adiciona serviços em um clipe rápido e é o mais conhecido provedor de serviços de nuvem go-to. Portanto, a capacidade da AWS de fazer upsell para IA, IoT e análises torna-se crítica.

O Microsoft Azure também está procurando se diferenciar por meio de IA e machine learning. Já o Google Cloud ganhou espaço devido ao seu know-how em aprendizado de máquina.

Táticas de venda

Portanto, nota-se que as táticas de vendas que lidam com o medo, a incerteza e a dúvida serão a norma. Perto do final de 2019, não surpreendentemente próximo ao AWS re: Invent, parecia haver uma batalha por parte da imprensa, enquanto os três grandes se atacavam em vários setores. 

E é justamente com esse pano de fundo, vamos chegar aos principais provedores de nuvem de 2020.

Infraestrutura como um serviço

Amazon Web Services

A AWS foi a primeira líder em computação em nuvem pública e se tornou uma importante empresa em IA, banco de dados, aprendizado de máquina e implantações sem servidor.

Além disso, foi a primeira computação em nuvem a oferecer infraestrutura como serviço em 2008 e nunca olhou para trás. Afinal, desde então, tem lançado novos serviços em um ritmo vertiginoso e está criando sua própria tecnologia de computação que visa ser ainda mais eficiente. 

Portanto, podemos afirmar que a AWS se expandiu muito além da computação e armazenamento em nuvem. Afinal, se os processadores baseados no Arm se tornarem a norma no data center, a indústria pode agradecer a atração gravitacional da AWS. Isso porque foi ela quem lançou um processador Graviton de segunda geração e instâncias baseadas nele. Se for bem-sucedido, o Graviton e a camada de abstração Nitro podem ser o diferenciador para a AWS na guerra entre os principais provedores de nuvem.

ROI

No quarto trimestre, a AWS gerou receita de quase US $ 10 bilhões, o que a coloca em uma taxa de execução de receita anual de US $ 40 bilhões. A taxa de execução de receita anual da AWS acelerou para quase US $ 41 bilhões no primeiro trimestre, à medida que as vendas cresceram 33%. Com isso, a empresa continuou a brilhar e representa a maior parte da receita operacional de sua controladora.

Contudo, foi ofuscada pela unidade de e-commerce da Amazon e pela resposta ao COVID-19 da empresa. Ainda assim, o relatório State of the Cloud, da Flexera, destacou como a AWS e o Microsoft Azure são os dois principais provedores de nuvem.

Novidades

Desenvolvimentos recentes para AWS incluem o lançamento de AppFlow para projetar fluxos de trabalho SaaS, Keyspaces e a disponibilidade geral do serviço de migração do Windows da empresa e planos de economia.

Na AWS re: Invent 2019, o CEO Andy Jassy delineou uma visão para o provedor de serviços em nuvem, incluindo seu serviço de inteligência artificial, análises e bancos de dados criados para fins específicos. A mensagem mais ampla de Jassy, ​​no entanto, foi que a AWS estará inovando implacavelmente. 

Principais provedores de nuvem: AWS vs. Azure

Jassy também deu alguns golpes velados em rivais como a Microsoft. Especialmente ao criticar as práticas de licenciamento da Microsoft ao afirmar que sua rival “não está priorizando o que importa para vocês, os clientes”. Ele não estava necessariamente direcionando o Azure com seus comentários. Mas sim as alterações de licenciamento da Microsoft que limitam como as empresas podem implantar o Windows e o SQL Server na nuvem com as licenças existentes. Além disso, Jassy destacou que mais da metade das instalações do Windows na nuvem são executadas na AWS.

Outro ponto da rivalidade entre a Amazon e a Microsoft é que o Pentágono concedeu seu contrato de computação em nuvem JEDI, de US $ 10 bilhões, para a Microsoft através da AWS. Afinal, a Amazon é atraente.

Embora essas apresentações secundárias sejam boas manchetes, o resultado é que a AWS quer uma porção maior dos gastos corporativos de TI em nuvem. Por isso, a AWS tem parcerias de nuvem híbrida com empresas como VMware, desenvolvedores, ecossistema e base de clientes de grandes empresas para permanecer na liderança. 

Vendas incrementais

Simplificando, a AWS é o motor de lucro da Amazon e tem uma taxa de execução que chega a US $ 40 bilhões por ano. No entanto, a retórica entre a AWS e os rivais da nuvem provavelmente ficará um pouco instável no que resta de 2020.

O analista Brent Thill da Jefferies observou que a AWS contribui com cerca de US $ 10 bilhões em vendas incrementais de alta margem por ano para a Amazon. Essas vendas incrementais são mais do que o Azure e o Google Cloud Platform oferecem juntos. Além disso, as margens da AWS estão chegando a 30% e impulsionando o lucro operacional da Amazon. Na verdade, a AWS é responsável pela maior parte do lucro operacional da Amazon.

Confira a seguir os destaques sobre a AWS em 2020:
  • A construção de IA e serviços de aprendizado de máquina: a AWS tem as peças para ser uma referência em machine learning e nuvem com o SageMaker e casos de uso até o call center;
  • Desenvolvimento de 5G, nuvem e casos de uso de computação de ponta vinculados à AWS: uma parceria com a Verizon em 5G provavelmente será um caso de teste para mover os nós de computação da AWS em direção ao limite;
  • Quantos clientes AWS usam Graviton2 e, portanto, Arm;
  • A dinâmica das instâncias sem servidor da AWS;
  • Como a AWS navega em implantações de várias nuvens;
  • A batalha do mercado vertical contra o Azure e o Google Cloud: todos os três visam aos cuidados de saúde, mas os varejistas estão buscando o Azure e o Google Cloud;
  • Expansão em software como serviço: tem o maior share da nuvem;
  • A proliferação de bancos de dados, pontos de acesso e data lake da AWS brincam com o Redshift.

Microsoft Azure

O Microsoft Azure, junto com o esforço de software como serviço da Microsoft e a presença nas empresas, o tornam um forte número 2. Ou seja, conforme as empresas escolhem os fornecedores de nuvem preferenciais, a Microsoft sempre será uma opção.

O motivo mais comum é a velha história de que o Microsoft Azure e a AWS estão em rota de colisão para ser o melhor provedor de serviços de nuvem. Entretanto, a realidade é outra:

  • Ainda não há dados disponíveis publicamente sobre as vendas do Azure: o Azure é a parte do negócio de nuvem da Microsoft que mais tem a ver com a AWS, mas está enterrada na nuvem comercial;
  • Nuvem comercial é uma combinação de vários serviços da Microsoft: as empresas provavelmente comprarão um buffet que inclua o Azure. Contudo, não estarão, necessariamente, focadas nele. Dito isso, a nuvem comercial da Microsoft está em uma taxa de execução de receita anual de US $ 53,2 bilhões no terceiro trimestre, ante US $ 50 bilhões no segundo trimestre;
  • O Microsoft Azure se beneficia de sua pegada de software como serviço: contudo, a realidade é que poderíamos facilmente tirar a Microsoft da categoria IaaS e colocá-la na seção SaaS. Afinal, a maior parte da receita é derivada do Office 365, Dynamics e de um bando de outros serviços em nuvem que são baseados em software sobre infraestrutura.

No entanto, o Azure e sua IA, aprendizado de máquina e história na empresa o tornam formidável. Isso vale também para seus esforços em computação de ponta. Não à toa está entre os principais provedores de nuvem do mercado atual.

O impacto da pandemia

A pandemia de COVID-19 forneceu combustível de foguete para os negócios em nuvem da Microsoft. Afinal, várias empresas usaram o Microsoft Teams para trabalho remoto. Além disso, a Microsoft lutou com problemas de capacidade devido à demanda. O CEO da Microsoft, Satya Nadella, argumentou que a unidade de nuvem da empresa fica no meio dos esforços de transformação digital.

“Vimos dois anos de transformação digital em dois meses. Desde o trabalho em equipe remoto e vendas e atendimento ao cliente até infraestrutura crítica em nuvem e segurança, estamos trabalhando ao lado dos clientes todos os dias para ajudá-los a permanecer abertos para negócios em um mundo remoto”, disse Nadella.

Azure ou AWS?

Simplificando, o Azure desfruta de uma função incumbente com as empresas como um provedor de serviços em nuvem. Entretanto, o preço combinará vários modelos de monetização e pacotes. A verdadeira batalha entre a AWS e a Microsoft girará em torno de empresas que optam por várias nuvens, mas desejam um fornecedor de serviços em nuvem preferencial. 

A AWS ou a Microsoft serão os fornecedores preferenciais? Nesse ambiente, a Microsoft é uma commodity conhecida que pode ser conectada ao Salesforce, que escolheu o Azure para sua Marketing Cloud, bem como outras empresas estabelecidas, como SAP, Oracle e Adobe. Além disso, a Microsoft pode combinar suas ofertas de nuvem ao Microsoft 365, que é uma nuvem e um buffet de software corporativo empacotado para vários setores. Entretanto, pode conter custos ocultos se não for negociado adequadamente.

Na Build 2019, a Microsoft lançou um bando de atualizações para desenvolvedores. Porém, o tema geral era que o Azure e os serviços em nuvem são o centro da abordagem de plataforma da empresa.

A Microsoft também aprimorou seu jogo para implantações híbridas. Afinal, tem parcerias profundas com fornecedores de servidores para criar pilhas integradas para direcionar a nuvem híbrida e a nuvem privada. Azure Arc, Azure Stack e Azure Stack Edge são exemplos desses esforços híbridos. Uma crítica ao Azure e à nuvem da Microsoft no ano passado é que ele teve interrupções do Office 365, bem como clientes que esgotaram as máquinas virtuais.

Quem vence?

No final, a batalha do Microsoft Azure com a AWS se resumirá em uma guerra de vendas e milhares de soldados a pé lançando empresas. Você pode se tornar um cliente da nuvem da Microsoft por meio do Teams, Office 365, Dynamics, Azure ou alguma combinação de todos eles. Entretanto, a realidade é que você terá os dois principais provedores de serviços de nuvem em sua empresa e nenhum deles será o proprietário de toda a pilha. Os esforços de várias nuvens começarão com a Microsoft e a AWS em sua empresa. Inclusive, a guerra de trincheiras de carteiras compartilhadas começa aí. 

Google Cloud Platform

Um forte número 3 com uma taxa de execução de receita anual de US $ 11 bilhões. O Google Cloud Platform e sua plataforma Anthos estão trabalhando para entrar nos orçamentos da transformação digital. Enquanto isso, o terceiro, entre os principais provedores de nuvem está procurando expandir seus principais setores, como varejo e serviços financeiros.

Dessa forma, a plataforma está saindo de um ano em que desenvolveu sua estratégia, equipe de vendas e serviços diferenciados. Entretanto, ela também teve problemas de desempenho. Por isso, também será o alvo de campanhas FUD baseadas na ideia de que o Google prefere deixar um negócio a ser o número 3 para a AWS e Azure. No entanto, o Google Cloud está ganhando impulso com o COVID-19 e o Google Meet e, portanto, definindo uma estratégia para gerenciar cargas de trabalho em várias nuvens.

Gastos do IaaS

De acordo com o Gartner, o IaaS terá os gastos com nuvem pública de crescimento mais rápido em 2020 devido à consolidação do data center. Portanto, o mercado de serviços de nuvem pública deve crescer 17% em 2020. Ou seja, para US $ 266,4 bilhões, ante US $ 227,8 bilhões em 2019. Além disso, os gastos com nuvem pública estão se tornando mais concentrados entre os três grandes provedores de IaaS.

A uma taxa anual de execução de US $ 10 bilhões durante o quarto trimestre e US $ 11 bilhões no primeiro, o Google Cloud tem conquistado negócios maiores. Atualmente, conta com um novo líder: o veterano da Oracle, Thomas Kurian. Isso é visto como um contrapeso sólido para AWS e Microsoft Azure. 

Kurian parece estar construindo um modelo do tipo Oracle, que visa indústrias e casos de uso onde pode vencer. Pense no varejo, onde os clientes aproveitam os anúncios do Google, bem como a computação em nuvem, sem se preocupar com a Amazon, em educação e em finanças.

Google Meet

No primeiro trimestre, o Google Cloud encontrou um sucesso com o Google Meet, que se tornou referência para trabalhadores remotos. Ajudado por soluções de segurança do Zoom, o Google entrou no mercado de videoconferência e juntou o G Suite ao Google Meet.

Some tudo e o Google Cloud terá uma taxa de execução de US $ 11 bilhões no primeiro trimestre. O CEO do Google, Sundar Pichai, disse que o COVID-19 foi um ponto de inflexão para as mudanças digitais. 

“No final das contas, veremos uma aceleração de longo prazo do movimento de empresas para serviços digitais. Isso inclui o aumento do trabalho online, educação, medicina, compras e entretenimento. Essas mudanças serão significativas e duradouras”, disse ele. 

Parcerias entre os principais provedores de nuvem

Enquanto isso, o Google Cloud Platform vem construindo parcerias com empresas importantes, como Salesforce, Informatica, VMware e SAP. A empresa também está combinando seus esforços de vendas do G Suite e do Google Cloud. No início de 2019, o Google disse que a receita da nuvem foi dividida igualmente entre as duas linhas de produtos. Contudo, não está claro se essa divisão de receita se mantém atualmente.

A estratégia do Google Cloud Platform requer uma equipe que possa vender verticalmente e concorra com o know-how de vendas da AWS e da Microsoft. Portanto, Kurian se cercou de veteranos de software empresarial. Hamidou Dia foi contratado recentemente como vice-presidente de engenharia de soluções do Google Cloud. Recentemente, ele foi o chefe de consultoria de vendas, consultoria, arquitetura corporativa e sucesso do cliente da Oracle. 

O Google Cloud também nomeou John Jester vice-presidente de experiência do cliente. Jester irá liderar uma equipe de serviços focada em arquitetura e melhores práticas. Jester foi recentemente vice-presidente corporativo de sucesso mundial de clientes da Microsoft.

Diferenciais

Além disso, o que torna o Google Cloud Platform único em comparação com o Azure e a Amazon? As adições de Dia e Jester ocorrem quando Rob Enslin se junta ao Google Cloud como presidente de operações globais de clientes. Enslin trabalhou anteriormente na SAP.

No Google Cloud Next, a empresa estabeleceu mais laços com players de nuvem híbrida por meio de um esforço chamado Anthos. Este, descreveu seus esforços no setor e alavancou seu know-how de inteligência artificial. Com isso, o Anthos é visto como o grande player de nuvem híbrida e multi-nuvem do Google Cloud. Ou seja, trata-se de um esforço do Google Cloud para direcionar a transformação digital e implantações de nuvem híbrida.

Estratégias

IA, aprendizado de máquina e análises são as oportunidades de upsell para computação e armazenamento do Google Cloud Platform. Além disso, o Google vai comprar empresas como a Looker para preencher seus esforços de análise.

Entretanto, a expectativa é que o Google Cloud Platform continue ganhando participação, mas permaneça no terceiro lugar em 2020. Essa tensão entre a escala e o terceiro está no centro dos rumores de que o Google faria uma grande jogada na nuvem, como a compra do Salesforce. O que não está claro é se o Google gastaria cerca de um quarto de sua capitalização de mercado e assumiria um enorme esforço de integração na prática.

Jefferies estima que o Google Cloud terá uma participação de mercado de 9% em 2020. É importante notar que a empresa de pesquisa tinha uma expectativa muito mais otimista de 15% de participação de mercado para iniciar 2019. 

Alibaba Cloud

A principal opção de nuvem na China.

O Alibaba cresceu rapidamente com um grupo de parceiros empresariais. Entretanto, ainda não está claro se o Alibaba pode se expandir além da China. Em ambos os casos, a empresa ainda tem muita pista pela frente. Portanto, se a sua empresa tem operações na China e está procurando mudar para a nuvem, o Alibaba provavelmente será uma opção importante entre os principais provedores de nuvem.

O Alibaba disse que sua receita de computação em nuvem no trimestre de setembro foi de US $ 1,3 bilhão.Ou seja, aumentou em 64% em relação ao ano anterior. Isso equivale a uma taxa de execução anual próxima de US $ 6 bilhões. Contudo, talvez a divulgação mais notável tenha sido que 59% das empresas listadas na China são clientes do Alibaba Cloud.

Alibaba no ocidente?

Embora o Alibaba Cloud passe despercebido para clientes que se concentram principalmente na UE e nos EUA, as empresas que operam na China podem usá-lo como fornecedor de nuvem preferencial. Para isso, a empresa está formando alianças com fornecedores corporativos importantes e é visto como um dos principais provedores de nuvem da Ásia.

O problema com o Alibaba Cloud é que os clientes com base nos Estados Unidos estão propensos a se envolver em política, questões de dados e guerras comerciais. Ainda assim é bem possível que o Alibaba Cloud possa saltar no ranking com base na receita simplesmente porque o mercado chinês de nuvem será enorme.

Híbrido / multi-nuvem

Com a batalha entre os principais provedores de nuvem em andamento, você pensaria que os participantes da infraestrutura legada ficariam em segundo plano. Contudo, empresas como IBM, Dell Technologies e HPE pretendem se tornar a cola entre as implementações de várias nuvens que apresentam uma combinação de nuvens privadas e públicas. Isso, além de centros de dados próprios. Afinal, a maioria das empresas está buscando uma estratégia multi cloud.

O ex-CEO da IBM, Ginni Rometty, disse que um grande motivo para a empresa ter comprado a Red Hat foi para acelerar implementações de “múltiplas nuvens híbridas”. O argumento é que a maioria das cargas de trabalho corporativas ainda não migrou para a nuvem e, quando o fizerem, os clientes vão querer o direito de escolha. Ou seja, estes fornecedores serão aqueles posicionados como parte neutra nas guerras de serviços em nuvem.

Os dois ativadores de várias nuvens nesta mistura são o pioneiro de código aberto Red Hat, de propriedade da IBM, e VMware, que é propriedade da Dell Technologies. Acrescente Hewlett-Packard Enterprise, Lenovo e Cisco Systems para resolver problemas selecionados e você terá um vibrante espaço híbrido e de várias nuvens a considerar. Confira os principais participantes que pretendem ser os protetores da nuvem pública e como eles se conectarão aos provedores de hiperescala.

IBM

A Big Blue espera que a Red Hat estimule as implantações e o crescimento da nuvem híbrida. Com uma aposta de US $ 34 bilhões na aquisição da Red Hat, a IBM espera estimular o crescimento de sua receita.

A IBM descreveu a razão para a compra da Red Hat por US $ 34 bilhões e sua estratégia para turbinar seu crescimento no futuro. O quarto trimestre revelou o potencial do negócio da Red Hat e o primeiro trimestre revelou algum ímpeto.

Parcerias

Por que a IBM e a Red Hat são uma boa combinação? Rometty observou que a IBM executa 90% das transações de cartão de crédito globalmente, cria aplicativos de missão crítica e tem a base instalada de cargas de trabalho. A Red Hat traz o veículo para o capítulo dois da nuvem. “Isso exige uma grande incumbência para esta jornada”, disse Rometty.

“Você precisa ter relacionamentos confiáveis ​​com 30.000 clientes e uma compreensão dos processos.”

Além disso, a IBM também descreveu uma mudança de liderança que cimenta o foco híbrido e de múltiplas nuvens da empresa. Arvind Krishna tornou-se CEO desde 6 de abril e descreveu sua abordagem e estratégia geral. Krishna é o arquiteto da compra da Red Hat e gerencia a unidade de nuvem e software cognitivo da Big Blue. Para garantir, James Whitehurst, CEO da Red Hat, torna-se presidente da IBM. Rometty atuará como presidente executivo até 2020 e depois se aposentará. Some tudo e dois executivos com experiência em nuvem, código aberto e nuvem híbrida estarão executando a IBM.

Lucros

Confira as alegações de Krishna na teleconferência sobre os lucros do primeiro trimestre da IBM:

“Quero que os IBM-ers liderem com uma abordagem mais técnica. Quero que nossas equipes mostrem o valor de nossas soluções o mais cedo possível. Da mesma forma, deve haver um foco implacável na qualidade. Ou seja, nossos produtos devem falar por si mesmos em termos de experiência do usuário, design e facilidade de uso. Minha abordagem é direta: vou me concentrar em aumentar o valor da empresa. Isso inclui um melhor alinhamento de nosso portfólio em torno de nuvem híbrida e IA para atender às necessidades em evolução do mercado.”

Também existem controles para o acordo da Red Hat para garantir que a empresa de software mantenha sua credibilidade de código aberto e permaneça neutra. Por exemplo, a IBM vende Red Hat em todas as suas linhas de produtos e tem vários pontos de integração. Contudo, a Red Hat não vende IBM para que possa manter parcerias críticas e manter a neutralidade. Por enquanto, tudo bem. O quarto trimestre da IBM destacou como a Red Hat ajudou a permitir um ligeiro crescimento da receita que a Big Blue espera levar para 2020.

Cloud Packs

Portanto, para empresas que buscam uma nuvem múltipla, o plano da IBM para Red Hat pode ressoar. Enquanto isso, a IBM tem uma longa história em software de código aberto e deve oferecer suporte à comunidade e à Red Hat. A empresa também planeja vender Red Hat horizontalmente, bem como verticalmente com pacotes específicos da indústria chamados Cloud Packs.

O CFO da IBM, James Kavanaugh, disse na teleconferência de lucros do quarto trimestre da empresa:

“Sabemos que há muito interesse em nossa abordagem de nuvem híbrida, incluindo Red Hat, então vou me concentrar nisso desde o início. Como dissemos, o próximo capítulo da nuvem será conduzido por cargas de trabalho de missão crítica gerenciadas em um híbrido ambiente com várias nuvens. Será baseado em uma base de Linux com contêineres e Kubernetes.”

Os planos da IBM para o Red Hat estão apenas sendo implementados. Portanto, clientes, empresas e Wall Street estarão observando de perto para ver como vários pacotes apelidados de Cloud Paks se saem.

Dell Technologies / VMware

VMware é a base da plataforma de nuvem da Dell Technologies

A Dell Technologies está usando a empresa de portfólio VMware para unir sua linha de produtos e ser a cola de implantações em várias nuvens.

A VMware tem uma posição de titularidade, uma parceria importante com a AWS e uma controladora na Dell Technologies que está usando a plataforma de gerenciamento de nuvem para impulsionar sua própria plataforma. Portanto, a VMware tem um talento especial para evoluir conforme o ecossistema da nuvem muda. 

Por exemplo, a empresa estava focada principalmente na virtualização e adotou totalmente os contêineres. Não obstante, ela capacita data centers corporativos legados, mas passou a ser o conector para provedores de nuvem pública depois de ser líder em implantações de nuvem privada

Parcerias

Além de sua lucrativa parceria com a AWS, a VMware também tem parcerias com Microsoft Azure e Google Cloud Platform. E, para garantir, a VMware integrou parcerias de sistema com vários fornecedores de hardware.

Então, onde a Dell Technologies se encaixa? Como a IBM e a Red Hat, a Dell Technologies está olhando para o VMware como a cola de software para fornecer uma plataforma de nuvem que pode abranger recursos internos e públicos. Afinal, a VMware é a base do esforço de nuvem da Dell Technologies.

O longo jogo da Dell Technologies para a nuvem híbrida gira em torno de uma posição de liderança em sistemas integrados e convergentes, uma vasta área de cobertura em servidores, rede e armazenamento e a capacidade da VMware de criar pontes entre nuvens.

Estratégia

Na conferência Dell Technologies World em Las Vegas, a empresa delineou uma estratégia de nuvem híbrida que visa unir seu data center e tecnologias de nuvem híbrida com provedores de nuvem pública, como Amazon Web Services e IBM Cloud, com mais por vir. O esforço é apelidado de Dell Technologies Cloud. A VMware também está lançando o VMware Cloud na Dell EMC, que incluirá vSphere, vSAN e NSX em execução na infraestrutura da Dell EMC.

Além disso, a Dell Technologies está lançando um esforço de datacenter como serviço, onde gerencia a infraestrutura em um modelo que se alinha com negócios de computação em nuvem de um e três anos. O VMware Cloud na Dell EMC também foi projetado para empresas que executam seus próprios data centers, mas desejam um modelo operacional em nuvem. O centro de dados da Dell Technologies como esforço de serviço é construído sobre um conceito VMWare destacado no ano passado, denominado Project Dimension.

As empresas provavelmente estarão nos campos da Red Hat ou da VMware e ambas têm grandes marcas com escala em nuvens privadas e centros de dados híbridos.

Hewlett Packard Enterprise

A HPE está procurando conectar a nuvem à computação de ponta. Ou seja, pretende ser um player híbrido e com várias nuvens. Contudo, seu molho secreto pode se estender até o limite com o Aruba.

A estratégia de nuvem híbrida da Hewlett Packard Enterprise gira em torno de sua pilha de hardware – servidores, dispositivos de computação de ponta via Aruba, equipamento de armazenamento e rede – e suas várias plataformas de software, É o caso do Greenlake, SimpliVity e Synergy. Vale ressaltar que a HPE prefere o termo “TI híbrida” ao invés de multi cloud. Contudo, sua abordagem vai de encontro com o que a IBM e a Dell Technologies estão tentando fazer. O problema é que a HPE não tem a escala da Red Hat e do VMware.

Parcerias

No entanto, a HPE tem parcerias importantes com Red Hat, VMware e sistemas integrados e convergentes com os principais provedores de nuvem. Dessa forma, o objetivo declarado da empresa é oferecer todo o seu portfólio como um serviço ao longo do tempo.

A abordagem da HPE para implantações híbridas é diferenciada em sua unidade Aruba, que fornece plataformas de computação de ponta. Inclusive, a HPE pretende estender sua plataforma de nuvem para redes de ponta. Essa abordagem da nuvem até a borda pode render no futuro, mas a computação de ponta ainda é um mercado em desenvolvimento. Enquanto isso, a HPE está usando o Azure para obter talentos de gerenciamento.

Keith White, um ex-executivo da Microsoft, vai liderar o negócio Greenlake da HPE, que visa ajudar a transformar a empresa. Além disso, ela também está procurando abordar o gerenciamento de contêineres e expansão com seu software BlueData.

Cisco Systems

Nuvem híbrida por meio de rede e prisma API. A Cisco está adotando uma abordagem centrada na rede para implantações híbridas e em várias nuvens.

A Cisco Systems tem vários produtos e aplicativos em várias nuvens. Entretanto, seu destaque é o ACI, abreviação de uma arquitetura chamada Application Centric Infrastructure. A Cisco também está fundindo AppDynamics, gerenciamento de nuvem e DevOps.

Portanto, não é de surpreender que a abordagem da Cisco para várias nuvens seja centrada na rede e a ACI se concentre em políticas, gerenciamento e operações para aplicativos implantados em ambientes de nuvem.

Parcerias

A Cisco tem parcerias com Azure e AWS e expandiu um relacionamento com o Google Cloud. Adicione o AppDynamics, especializado em gerenciamento de aplicativos e contêineres, e a Cisco terá as várias partes para lidar com implantações híbridas e em várias nuvens. Além disso, a empresa é um importante player de infraestrutura hiperconvergente e seus servidores e equipamentos de rede são básicos em data centers.

Software as a Service

Espera-se que o software como serviço seja a maior fatia da receita da nuvem. De acordo com o Gartner, a receita de SaaS em 2020 deve ser de US $ 166 bilhões, em comparação com US $ 61,3 bilhões para IaaS.

Para grandes empresas, existem algumas realidades. Para começar, é provável que você tenha o Salesforce em sua empresa. Você provavelmente terá Oracle e SAP também. E então pode haver uma dose de Workday, bem como Adobe. Vamos nos concentrar nesses cinco grandes fornecedores e em seus clientes em potencial. 

Também é importante notar que alguns dos fornecedores anteriores mencionados são principalmente fornecedores de SaaS. Microsoft Dynamics e Office são dois produtos de software que provavelmente serão fornecidos como um serviço. Ou seja, sua lista de fornecedores de software é realmente diversa.

Salesforce

As ambições da Salesforce são bastante claras. A empresa deseja permitir que seus clientes utilizem seus dados para fornecer experiências pessoais, vender a você seu portfólio de nuvens e colocar seu esforço Salesforce Customer 360 no centro do mundo da tecnologia.

Na Dreamforce, os executivos da Salesforce delinearam o caminho para dobrar a receita no ano fiscal de 2025. 

“Fizemos parceria com todas as outras grandes empresas e estamos trabalhando para construir um conjunto de relacionamentos”, disse o co-CEO Marc Benioff. “Percebemos que você tem mais do que Salesforce e temos o compromisso de trabalhar com todos. Não criaremos fronteiras entre nós. Ou seja, iremos operar como uma comunidade.”

Parcerias

Na verdade, a Salesforce adquiriu ou desenvolveu o que poderia ser uma pilha corporativa inteira no que se refere aos dados do cliente. A aquisição da Tableau também pode ser transformadora. Afinal, a empresa de análise tem uma presença mais ampla e oferece à Salesforce outra maneira de atingir o mercado de forma mais amplo.

O que resta saber é se a plataforma Customer 360 da Salesforce pode reunir todas as suas nuvens de uma maneira que estimule as empresas a comprar todo o portfólio em um buffet SaaS. Em sua reunião com analistas, a Salesforce observou que tinha um cliente entre os 25 principais com cinco nuvens da empresa, nenhum cliente com seis e um punhado com três ou quatro nuvens.

Portanto, a Salesforce precisará que seus principais clientes adotem mais nuvens se a empresa quiser atingir sua meta de receita de US $ 35 bilhões no ano fiscal de 2025.

Estratégia

A linha atual da Salesforce consiste em nuvens para integração, comercio, análise, marketing, plataforma de serviço e vendas. As nuvens de serviços e vendas são as mais maduras, contudo, outras estão crescendo rapidamente. O Einstein da Salesforce é um exemplo de funcionalidade de IA que é um upsell para suas nuvens. No final, a Salesforce vê um mercado total endereçável de US $ 168 bilhões.

A única questão é se o Salesforce pode convencer os clientes a adotar a abordagem de um gargalo para software corporativo em nuvem ou diversificar para alavancagem.

Oracle

A Oracle está transferindo seus clientes locais para a nuvem e também encontrando alguns novos públicos.

Afinal, a Oracle faz infraestrutura. Ela constrói plataformas.Também cria banco de dados, que está, inclusive, cada vez mais autônomo. Apesar de sua pegada IaaS e PaaS, a Oracle é principalmente um provedor de software quando se trata de nuvem. Com a adição do NetSuite, a empresa pode cobrir empresas de pequeno, médio e grande porte.

Edward Screven, arquiteto corporativo chefe da Oracle, disse em uma entrevista que a empresa está expandindo seu alcance em hiperescala para IaaS e planeja atingir 36 instalações até o final do ano. Embora SaaS seja o núcleo, a Oracle também está atraindo novos usuários com infraestrutura e um nível gratuito. 

“Muitas conversas que temos são sobre SaaS, mas as empresas precisam criar SaaS usando as ferramentas que temos para olhar para a plataforma. E todos estão procurando por computação rápida, confiável e econômica”, disse Screven.

Ou seja, os players IaaS começam com computação e armazenamento e sobem na pilha. Portanto, a Oracle pode começar na ponta e voltar à infraestrutura.  “A AWS foi a primeira, mas temos muitos clientes já com experiência com o Oracle Cloud”, disse ele. Screven disse que a Oracle Cloud está vendo mais interesse de desenvolvedores devido a uma camada gratuita.

Estratégia

A grande vitória para os negócios em nuvem da Oracle será SaaS e serviços de banco de dados autônomos. Afinal, a nuvem da Oracle é otimizada para sua própria pilha, e isso atrairá sua base de clientes. Contudo, a linha de produtos Cloud at Customer da Oracle também é atraente para clientes de nuvem híbrida. Ou seja, a Oracle colocará um banco de dados autônomo otimizado em uma empresa e o gerenciará como se fosse sua própria nuvem.

A Oracle entrará em várias nuvens e fará parceria com novos inimigos? Sim e não. O Microsoft Azure e o Oracle são parceiros para combinar data centers e trocar dados com conexões de rede rápidas. Portanto, a empresa provavelmente não fará parceria com o Google Cloud devido às suas batalhas judiciais. Além disso, a Oracle também não se acomoda à AWS.

Para empresas, os esforços de nuvem da Oracle serão movidos por SaaS e será um player em outras áreas. Contudo, não está claro se a aposta da Oracle no que chama de Generation 2 Cloud Infrastructure vai valer a pena. Porém, seu planejamento de recursos empresariais, gerenciamento de capital humano, cadeia de suprimentos, vendas e serviços, marketing e nuvens NetSuite irão mantê-la como concorrente.

SAP

A SAP está aproveitando uma abordagem neutra com parcerias com todos os fornecedores líderes de IaaS, enquanto converte os clientes para sua plataforma HANA.

Sob a liderança dos co-CEOs Christian Klein e Jennifer Morgan, a empresa está procurando manter seu ímpeto na nuvem, expandir HANA e Qualtrics e lutar contra Salesforce, Oracle e Workday.

Com base no que Morgan e Klein descreveram no dia do mercado de capitais da empresa em novembro, a SAP está procurando enfocar e infundir seu portfólio de nuvem com o know-how da Qualtrics na melhoria de experiências. Contudo, seu maior desafio é mover seus clientes locais para S / 4 HANA na nuvem. A SAP também pretende disponibilizar S / 4 em nuvens públicas, começando com a Microsoft.

Estratégia

“A Microsoft, por meio de seu braço de distribuição, estará vendendo a plataforma de nuvem SAP ao vender o SAP Azure para dar suporte à mudança para S / 4. Portanto, acreditamos que isso vai nos ajudar a obter mais distribuição de nossa plataforma de nuvem, acelerar a mudança de S / 4HANA e ajudar nossos clientes a obter o melhor de seus parceiros juntos. Como sempre, quero ser muito claro sobre isso. A escolha do cliente prevalece. Portanto, se um cliente já está executando no AWS ou um cliente está executando no GCP ou Ali, temos as mesmas tecnologias e as mesmas arquiteturas de referência que esses clientes também podem usar. Queremos ter certeza de que somos muito claros e prescritivos com nossos clientes, como podemos ajudá-los a fazer a melhor mudança para a nuvem com S / 4 e nosso portfólio de empresa inteligente.”

Essa abordagem pode funcionar bem em um mundo com várias nuvens. De fato, o quarto trimestre ilustrou a tração na nuvem da SAP.

O portfólio de nuvem da SAP inclui:

  • Qualtrics;
  • Experiência humana com SuccessFactors;
  • SAP C4 / HANA para experiência do cliente;
  • Comércio via Ariba, Concur e Fieldglass;
  • ERP com S / 4HANA.
Receita

Klein observou também que a receita da nuvem da SAP aumentou 30% a cada ano de 2015 a 2018. Ou seja, ele acredita que a empresa tem uma base para escalar a partir daí. De acordo com Klein, o crescimento da nuvem da SAP ocorrerá pela “injeção de inteligência artificial nos processos de negócios”. Em última análise, a SAP está procurando capacitar empresas inteligentes por meio de sua posição de oferecer uma única versão da verdade.

Talvez o maior desafio da SAP seja convencer sua base de clientes a migrar para o SAP Cloud. Klein observou que “70% dos clientes ERP da SAP ainda precisam adotar nossas soluções em nuvem”. “Esses clientes estão esperando uma integração perfeita dos processos de negócios em um modelo de dados”, disse Klein. A receita da nuvem da SAP em 2019 foi de € 7,01 bilhões e a empresa projeta um crescimento constante da moeda de 24% a 28% em 2020.

Workday

A Workday se tornou um player líder em nuvem corporativa por meio de software de gerenciamento de capital humano. Contudo, está expandindo sua presença com aplicativos financeiros.

Com mais de 3.000 clientes e o fornecedor de software de gerenciamento de capital humano, a empresa está cada vez mais agregando clientes de gerenciamento financeiro. Como resultado, a Workday está entre os principais provedores de nuvem que estão ganhando participação na carteira, de acordo com um relatório da Flexera.

Atualmente, a empresa está em um ponto de inflexão onde está vendendo mais nuvens e tem um grande mercado para perseguir enquanto corteja empresas de médio porte. Embora o menu SaaS no Workday seja decididamente mais limitado do que o que os rivais SAP e Oracle oferecem, a empresa tem um foco mais restrito.

Estratégia

O CEO da Workday, Aneel Bhusri, disse que sua empresa está entrando em uma fase de expansão que vai de encontro com o manual do Salesforce. Em última análise, a Workday vê sua plataforma financeira igualando sua pegada de RH. Planejamento e compras são outras áreas novas. Em última análise, o desafio de SaaS da Workday será vender várias nuvens aos clientes.

Bhusri disse:

“Gostaria de mostrar a você a transição pela qual o Salesforce passou. Eles são 6 anos mais velhos do que nós, um de nossos melhores parceiros. Eles passaram de uma empresa de vendas a uma empresa de vendas e serviços para uma empresa de vendas e serviços e marketing e plataforma. Agora eles têm análises. Estamos passando pela mesma jornada e as taxas de crescimento vão e vêm à medida que os diferentes pilares decolam. “

Por isso, a Workday está infundindo aprendizado de máquina e automação em toda a sua plataforma. Enquanto isso, ela também está crescendo por meio de aquisições. Recentemente, adquiriu a Scout RFP por US $ 540 milhões.

Adobe

Os planos de nuvem da Adobe giram em torno da expansão de sua base de clientes e mercado total endereçável à medida que conteúdo e dados se fundem cada vez mais.

A Adobe tem sido um fornecedor de nuvem bem estabelecido entre os criadores de conteúdo e profissionais de marketing. Contudo, um plano para focar em experiências digitais e gerenciamento de dados a colocará em rota de colisão com empresas como Salesforce, Oracle e SAP em áreas como marketing.

Para as empresas, o plano da Adobe de expandir drasticamente seu mercado total endereçável pode ser uma coisa boa. Especialmente se a empresa puder ser usada como alavanca contra os principais provedores de nuvem existentes..

Lucros

A receita anual da Adobe é agora de US $ 11 bilhões e o portfólio de nuvem da empresa tem um conjunto exclusivo de ativos que combina conteúdo, análises, IA e experiências. Além disso, a Adobe contratou o ex-CEO da Informatica, Anil Chakravarthy, como chefe de sua unidade de experiência digital. A mudança destaca como a Adobe vê a integração de dados como a chave para sua expansão.

A empresa tem buscado projetos de transformação digital e uma recente reunião de investidores destacou o seguinte: 

Transformação digital

A Experience Cloud terá um mercado endereçável de US $ 84 bilhões até 2022, com conteúdo, dados, análises, comércio e publicidade se misturando. 

“Cada empresa está passando pela mesma transformação digital pela qual tivemos a sorte de passar quase uma década atrás. E se uma empresa não consegue se envolver digitalmente com o cliente, entenda como funciona o funil, desde a aquisição de clientes até a renovação deles, pode ser feito digitalmente, eles estarão em desvantagem “, disse o CEO da Adobe, Shantanu Narayen.

Portanto, a Creative Cloud se expandirá à medida que mais funcionários terão que assumir funções criativas para essas experiências digitais. Além disso, as análises para as várias plataformas em nuvem da Adobe serão alimentadas por seu mecanismo de IA chamado Sensei.

Some tudo isso e a Adobe tem como meta uma receita fiscal de 2020 de US $ 13,15 bilhões. O desafio para a Adobe será se posicionar no meio de CRM, inventário, ERP e aplicativos corporativos, ingerindo os dados e entregando experiências. Essa posição é a mesma do Salesforce.

Fonte:

zdnet.com

FALE
COM UM
ESPECIALISTA

Já vai?

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos direto no seu e-mail, para ler sem pressa ;)

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

Receba Gratuitamente

Fique tranquilo, não compartilhamos suas informações.

FALE
COM UM
ESPECIALISTA